quarta-feira, 15 de maio de 2013

Forças Sutis

       O universo inteiro é constituído de matéria em diversos estados vibratórios, que talvez devêssemos chamar de “energia-matéria”. Em seus variados graus ela vem formar dimensões, mundos ou planos de existências onde os átomos possuem particularidades especiais. Incontável número deles vibra e se move incessantemente por todo o nosso sistema solar.

       A natureza desde as suas mais sutis formas das dimensões superiores até as composições físicas mais densas da Terra está sempre em ação. As vidas humanas aqui impulsionadas por um conjunto diretivo de leis cósmicas estão em constantes avanços, consoante o Plano Evolutivo do Logos ou Deus Criador, e ao imperativo de um organismo dinâmico chamado lei de causa e efeito.

       Todas as vidas na natureza, nos seus diversos graus de consciência dos reinos, são instadas a buscar as próprias experiências, mesmo indissociadas de seus grupos, famílias ou espécies. De maneira semelhante, mas em nível superior, o homem, representante único do quarto reino, avança sempre em direção de sua individualidade. Embora a evolução seja coletiva e a regência de Leis Principais e Subsidiárias imponha os ditames para uma só direção, os átomos que se agregam às formas de vidas atuam em variados ritmos e frequências.

       Quando o Logos fez existir o sistema solar colocou nele a infinita capacidade do Seu Segundo Aspecto em todas as situações possíveis, presentes ou futuras. Com isto, a Consciência Una, a interação entre Espírito e Matéria, buscou necessariamente por experiências em causas relativas. Constituiu-se então a Cruz representando a temporalidade da natureza divina aprisionada na matéria em permanente giro, como demonstra a suástica tibetana.

       A matéria original, conhecida por akasa ou éter, que antes da formação do sistema solar estava em repouso -  improdutiva e incapacitada para desenvolver atributos de qualidade - achava-se não ordenada, ou seja, num estado de caos.  Era, portanto, negativa.  Para que acontecesse a mudança em seu estado de repouso o Logos atuou através do próprio éter com uma poderosa força chamada fohat, acontecendo cinco modificações básicas. Essas modificações resultaram em forças sutis, chamadas tatwas, que são os seguintes: akasa (o mesmo nome da natureza da matéria), vâyu, tejas, apas e prithivi. Outro elemento originado do sol surgiria associado ao tatwas, que é o prâna presente em todas as vidas.

       Todos estes elementos pervagam a natureza no imenso oceano do éter planetário. São forças inteligentes direcionadas para a construção das formas que ao interagir com os átomos livres ou aprisionados na matéria vem também interagir com os tanmâtras que dão formação aos sentidos. Os tanmâtras são os aspectos sutis dos cinco elementos éter, ar, fogo, água e terra.

       Temos assim três níveis onde atuam esses elementos ou forças da natureza que ensejam os sentidos humanos. No primeiro nível vêm os cinco elementos: akasa, vâyu, tejas, apas e prithivi que se ligam, respectivamente, ao éter, ao ar, ao fogo, a água e a terra. Estes últimos, por sua vez, estão ligados, aos sentidos da audição (éter), do tato (ar), da visão (fogo), do paladar (água) e do olfato (terra).

     Todas as ações da natureza e suas respectivas leis de construção, conservação e mudança, se estribam grandemente nas combinações desses elementos que sutilizam a matéria bruta.

       Por outro lado, o prâna atuando conjuntamente com aqueles elementos ou forças sutis vem organizar as formas por um tipo de magnetismo. Todas as formas de matéria estão preenchidas com prâna, e também o homem. Os indus dizem que prâna é vida.

       A vitalização e todos os processos que se seguem de revitalização dos organismos celulares do corpo humano advêm do prâna. Este essencial elemento impregna a atmosfera e penetra o ser através de quatro vias principais: a respiração, os alimentos, a pele e o sistema etérico de chackras. Para chegar ao corpo biológico, o prâna recarrega primeiramente ao corpo etérico – que sabemos é o segundo corpo físico da estrutura humana.

       A complexidade do prâna está associada à própria vitalidade do planeta como Entidade maior. Há hierarquias com a função especial de dominar os influxos solares do prâna sobre a natureza etérica, absorvendo-os e os liberando em níveis possíveis para dispensação aos três reinos e aos seres humanos. Uma pessoa inspira permanentemente o prâna, mesmo sem saber. No processo respiratório o prâna penetra o corpo etérico através de canais chamados nâdis. Os nâdis que se ligam diretamente às narinas esquerda e direita são conhecidos, respectivamente, por pingalâ e idâ. Neste processo vitalizante, o prâna se irá transferindo para os órgãos do corpo biológico, que são as réplicas físico-densas dos mesmos órgãos do corpo etérico.

       Os citados nâdis, durante o dia, a cada duas horas, alternam-se em seus trabalhos de absorção do prâna. O pingalâ passa a receber o prâna solar e o idâ passa a receber o prâna lunar. É fácil verificarmos quando um dos dois nâdis está conduzindo prâna para o corpo etérico, bastando para isto obstruirmos uma das narinas e inspirar. Em seguida, fazemos o mesmo com a outra narina. Verificaremos que uma delas estará mais obstruída enquanto a outra estará mais livre. Depois, estes fluxos se alternam. Neste processo, a narina mais desimpedida, estará fazendo o trabalho único de inspirar o prâna, ao passo que a expiração prânica estará sendo feita através da outra narina.

       Durante as horas noturnas o idâ passa a receber com maior intensidade a energia prânica lunar. O pingalâ e o idâ se relacionam com os sistemas vago e simpático, abastecendo-os regularmente.

       Em se tratando do ar atmosférico que adentra os pulmões, a inspiração e a expiração se fazem simultânea e independentemente ao prâna, sem alternâncias de obstruções.

       Os nâdis, idâ e pingalâ, localizam-se na parte central do corpo etérico. O corpo etérico, também chamado corpo vital é veículo imprescindível para a vida. Os indus o denominam prânamâyakôsha, ou veículo do prâna. Costuma-se dizer que se o prâna for retirado do corpo material, cessará ali a vida.

       O akasa, chamado também de éter possui a qualidade do som. O akasa em sendo veículo universal está integralmente presente em toda a natureza. Desde a mais refinada forma até a mais densa e grosseira matéria são constituídas de akasa. Todos os tatwas derivam do akasa. O akasa tem a faculdade de se manifestar como a “memória da natureza”. Os chamados “registros akásicos” são as impressões que se imprimem indelevelmente na natureza. Um pensamento, a queda de uma folha, o zumbido de um inseto, os surgimentos das nebulosas, o ruir ou gestar do cosmos, as construções de sistemas solares, todos se gravam no éter akásico.

       Vâyu é o tatwa que vem constituir o sentido do tato. Tem a qualidade da locomoção, sendo elemento aéreo.

       Tejas é o tatwa luminoso, ou seja, é elemento ígneo. Tem a qualidade da expansão e vem constituir a visão ou cores.

       Apas é o tatwa gustativo, sendo aquele que vem construir o sentido do paladar. É elemento água e sua qualidade é a suavidade.

       Prithivi é o tatwa odorífero que vem construir o sentido do olfato. É elemento terra e sua qualidade é a coesão.

       Os tatwas, na realidade, são variações do éter cósmico. Eles vibram permanentemente e através deles é possível a Grande Inteligência ou Logos Solar estar presente nos seus átomos físicos. Assim, pode o ser humano, o animal, a minúscula planta ou a fendida rocha, em qualquer parte do planeta, pulsar no íntimo do Criador. Suas qualidades são as próprias qualidades do Logos. O mesmo éter que se propaga no sistema solar vem conduzir e imantar toda a natureza. Nada permanece fora, tudo é Deus a realidade única.

Rayom Ra

[Leia Rayom Ra (Rayom_Ra) on Scribd | Scribd em páginas on line ou em downloads completos ]


Um comentário:

  1. oi ,sou humano sem certos hibridismo,procuro contato quântico com forcas sutis

    ResponderExcluir