quarta-feira, 18 de abril de 2018

A Paixão de Cristo


Jesus in Hell

Figura 1
Jesus no Inferno

  No primeiro dia, Moisés, juntamente com Chokmah, elevaram a luz no corpo físico, no corpo vital, no corpo astral, no mental, no corpo da força de vontade, no corpo búdico e no corpo espiritual. Quando esses corpos estão brilhando é porque o Filho do Homem (representado por Moisés e por todos os corpos interiores, que os dizemos as crianças daquele homem) recebeu o Senhor, o Cristo.

  É assim que o Senhor desce a fim de sofrer a Paixão; aquela Paixão que estamos a celebrar em abril, falando astrologicamente. Sabemos muito bem que algumas vezes a Páscoa cai em março, e outras vezes em abril, uma vez que está relacionada com o movimento do Sol. O Sol é o corpo físico de Chokmah. Mas aqui, falamos sobre a Paixão de Cristo relacionada com Iniciação.

  Porque assim como esteve Jonas três dias e três noites no ventre do grande peixe, assim o Filho do homem estará três dias e três noites no coração da terra”. – Mateus 12:40

  Uma vez que estamos agora no mês de março, muito perto da Páscoa (que será em 01 de abril de 2018) queremos apropriar esta leitura nas perspectivas Alquímica e Cabalista.   

OS QUATRO MUNDOS DA CABALA E O TETRAGRAMMATON

  O primeiro gráfico que estudaremos aqui é a Árvore da Vida, usualmente dividida em quatro mundos. Esses quatro mundos são denominados: Atziluth, Briah, Yetzirah e Assiah. O primeiro mundo, Atziluth, é o mundo dos arquétipos – o divino mundo também chamado o mundo Logóico, relacionado com o Logos, o Verbo. Briah, que em hebreu significa criação, é o mundo da criação. Yetzirah é o mundo da formação. E Assiah é o mundo da matéria e da ação. Então, esses são os quatro mundos relacionados com as 10 sefirotes da Árvore da Vida.
Tree of Life 2.0 plain

Figura 2

  Na cabala associamos o primeiro mundo com a letra Iod, o segundo mundo, com a letra Hei, o terceiro mundo, com a letra Vav; e o quarto mundo, de novo, com a letra Hei. É aqui como sintetizamos יהוה o nome de Deus na cabala; Iod-Hei-Vav-Hei, que pode também ser lido como leh-veh. Naturalmente, muitos cabalistas destacam que (יהוה) Iod-Hei-Vav-Hei seja ilegível, impronunciável e estão certos – há muitos nomes na língua hebraica, no mundo Angélico, que são escritos com essas quatro letras. Por exemplo, o nome Ieh-Hovah, Jehovah, e muitos outros nomes que são sagrados, relacionados com os Anjos. Porém, nem todos os Anjos estão relacionados com esse Tegragrammaton (que é um nome grego com as quatro letras – Tetra significa quatro e Grammaton significa marcado com letras). Então, eis porque quando pronunciamos Tetragrammaton estamos vibrando um mantra poderoso, endereçado a (יהוה) Iod-Hei-Vav-Hei. Cabalisticamente, é melhor dizer a palavra Tetragrammaton, do que tentar pronunciar as quatro letras, uma vez que há muita confusão em relação a pronúncia dessas letras; e, algumas vezes, ao falar essas quatro letras, as pessoas erradamente pronunciam o nome de um Anjo decaído, um demônio – e isso é errado.

  Conforme sabemos, no lado direito desse gráfico, encontramos o sagrado nome יהוה, novamente dividido em quatro. O primeiro, novamente, está relacionado com י Iod. O segundo, relacionado com יה Iod-Hei. O terceiro, relacionado com יהו Iod-Hei-Vav, e o quarto, relacionado com יהוה Iod-Hei-Vav-Hei. Então, eis porque cabalisticamente estudamos, em síntese, o nome Sagrado de Deus. Explicando isso matematicamente, sabemos que a letra Iod tem um valor de 10; a letra Hei tem um valor de 5; a letra Vav tem um valor de 6 e a letra Hei de novo um valor de 5. Daí, se juntarmos essas letras, encontraremos que 10 + 5 = 15, + 6 = 21, + 5 = 26. Se, então, juntarmos o 2 com o 6 teremos o número 8. Então, o nome Sagrado de Deus está relacionado com o signo do infinito, que é o número 8 deitado.
4 worlds ihvh
Figura 3

  Mas, também, na cabala destacamos que o Sagrado nome de Deus está relacionado com os 72 nomes. Aqueles 72 nomes estão relacionados com o segundo gráfico. 10 + 15 + 21 + 26 = 72. É desse modo como a cabala oculta os 72 nomes de Deus. Quando somamos 7 + 2, temos o número 9. Tudo é matemático. A fim de sintetizarmos isso para nosso entendimento neste exato momento, precisamos ressaltar que todos permanecemos 9 meses no útero de nossa mãe. Então, o número 9 está relacionado com a geração, gestação; eis porque na cabala, todos os números são sagrados e sempre ocultam neles os significados de todas as coisas que ensinamos e que temos de aprender. Eis também que temos de ver a Árvore da Vida, em síntese, a fim de compreendermos o que seja aquilo de que tratamos aqui.

  Lemos na Bíblia o nome Jehovah relacionado com o Tetragrammaton. Porém, em outras palestras ressaltamos que na palavra Atziluth (o mundo dos arquétipos), cada particular sefira (ou em outras palavras, esfera, as quais são 10 na Árvore da Vida) possui um nome divino. Não iremos esmiuçar cada um desses particulares nomes, exceto a um deles, a fim de que possamos melhor transmitir do que estaremos falando. A segunda sefira, relacionada com a letra Beth – que é a primeira letra escrita no livro do Gênesis, formando a palavra, Bereshith, traduzida como “no princípio”, - é chamada Chokmah.

  É bom ressaltar que Chokmah, em hebreu, é escrita CH-okmah, mas se pronuncia Chokmah (como na palavra germânica achtung, um som gutural na garganta) não como o som CH do Inglês (como na palavra chisel, um som que não existe em hebreu). Chokmah significa sabedoria. Sabedoria é a segunda sefira, e o divino nome que é escrito com essa divina sefira é o Sagrado nome sobre o qual estamos falando: Iod-Hei-Vav-Hei – que é o Sagrado nome de Chokmah. Eis porque, cabalisticamente, sempre estabelecemos que a inteira Árvore da Vida está relacionada com Chokmah, e isso é certo. Quando assim conhecemos podemos compreender a Paixão de Cristo, uma vez que Chokmah, em grego, é chamado Cristo e seu reino está no coração, relacionado com a sefira Tiphereth – que é o reino de Chokmah, o coração. Então, tudo o que fazemos com o coração vai diretamente para Chokmah.

  Se o Sagrado nome de Deus (Iod-Hei-Vav-Hei יהוה, que cabalisticamente é 26 = 8) é o divino nome da sefira Chokmah em Atziluth, então a Árvore da Vida completa está relacionada com o 8, o infinito, uma vez que os Quatro Mundos da cabala estão relacionados com os 72 nomes de Deus (Iod-10, Iod-Hei-15, Iod-Hei-Vav-21, Iod-Hei-Vav-Hei-26, que cabalisticamente é 72 =9). Portanto, o infinito, o universo por inteiro está sintetizado em Chokmah, que é Cristo, que é uma energia. Eis porque quando falamos da Paixão de Cristo, precisamos falar sobre Chokmah e temos de falar sobre Iod-Hei-Vav-Hei, que inclui tudo dos arquétipos, tudo dos nomes sagrados de Deus, que todos nós temos em potencialidade, mas não em atividade. O que precisamos fazer é colocar esses arquétipos em atividade e temos de aprender como. É isso o que temos ensinado através de muitas palestras – o que temos de colocar em atividade, porque é isso que a Bíblia ensina. É sobre isso que Moisés ensinou e muitos outros livros na Bíblia explicam.

  Então, se falamos sobre a Paixão de Cristo, temos de falar sobre o número 9, que, conforme vemos, está relacionado com a 9ª. Sefira, chamada Yesod, o nome que significa “Fundação”. Dissemos-lhes que todos os nomes de Deus são 72 e 7 + 2 = 9. Desse modo, isso nos está mostrando que o Sagrado nome de Deus está relacionado com Yesod. É algo muito importante, uma vez que a Bíblia toda fala sobre Adão e Adão está relacionado com Yesod. Vamos explicar como se dá essa relação.

O CÍRCULO CABALÍSTICO DE PROTEÇÃO
Helion Melion Tetragrammaton

Figura 4

  Há uma prática, um mantra, que podemos pronunciar a fim de trazer de Atziluth a energia total da Árvore da Vida, através das forças de Chokmah para dentro de nossos corações onde é o reino de Cristo, de Chokmah, que em Atziluth é o mesmo nome sagrado de Iod-Hei-Vav-Hei. Vemos muitas gravuras de Jesus Cristo apontando diretamente para o coração, pleno de fogo, pois nele, na letra Shin, o fogo, estão os arquétipos. Bem, entremos muito brevemente nesse gráfico.

  Em hebreu está escrito, Helion, Melion e então encontramos a palavra Tetragrammaton (que está relacionada com as quatro letras nominativas de Deus). Quando dizemos Tetragrammaton estamos criando um círculo – não importa quão grande seja esse círculo; possa ser um círculo em torno de nós, em torno de um salão, de um prédio... é um círculo de proteção. Helion, Melion significa: “O Mais Supremo” trazendo aquela energia para dentro de nosso coração, uma vez que é o reino de Cristo em nós. Dele irradiamos seu Sagrado nome, o Tetragrammaton, o nome de Chokmah. Pronunciando-o formamos um círculo de proteção.

  Eis porque no centro desse círculo encontramos o chakra Anahata, que é o chakra relacionado com o coração, que tem 12 pétalas. Podemos nomear essas 12 pétalas as 12 tribos de Israel, ou os 12 apóstolos... elas são os mesmos arquétipos relacionados com nosso coração. Então, temos que – com nossa força de vontade, unida a nossa imaginação, em vibrante harmonia com nosso coração – estabelecemos um círculo enquanto oramos, pedindo ao nosso Deus em nosso coração: “estabeleça um círculo de proteção em torno de meu corpo (ou em torno desse quarto)”. E pronunciamos o mantra “Helion, Melion, Tetragrammaton”. Essa é a maneira.

  Ao observarmos as quatro letras escritas em torno do círculo (יהוה Iod-Hei-Vav-Hei), notaremos que em as lendo de qualquer direção, teremos Iod-Hei-Vav-Hei. Existem muitos gnósticos que quebram suas cabeças, inquirindo, “da direita para a esquerda?”. Não faz diferença. Em ambas as direções é o mesmo nome. Porém, em hebreu, naturalmente, escreve-se da direita para a esquerda. Contudo, uma vez feito isso, o nome é visto em redor do círculo de ambos os lados.
     
  Esta é uma das práticas que Mestre Samael Aun Weor ensina em seus livros, a fim de protegermos a nós próprios. Entretanto, precisamos saber o que seja isto que realmente estamos fazendo quando pronunciamos este mantra. Compreendamos que ali colocado no centro do gráfico, o chakra anahata, com suas 12 pétalas, está sintetizando muitas coisas.

  Assim, após a breve explanação desta prática, vamos começar a discutir a Estrela de Davi.
Seraphim1
  Figura 5
A ESTRELA DE DAVI

  No livro da Revelação, as 7 igrejas estão explicadas. O livro da Revelação estabelece:

  “Depois destas coisas olhei, e eis não somente uma porta aberta no céu, como também a primeira voz que ouvi, como de trombeta ao falar comigo, dizendo: sobe para aqui e te mostrarei o que deve acontecer depois destas coisas.
  Imediatamente eu me achei em espírito, e eis armado no céu um trono, e no trono alguém sentado;
  E esse que se acha sentado é semelhante no aspecto a pedra de jaspe e de sardônico, e ao redor do trono há um arco-iris semelhante no aspecto a esmeralda.
  Ao redor do trono há também vinte e quatro tronos e assentados neles vinte e quatro anciãos vestido de branco, em cujas cabeças estão coroas de ouro.
  Do trono saem relâmpagos, vozes e trovões, e diante do trono ardem sete tochas de fogo, que são os sete espíritos de Deus.
  Há diante do trono um como que mar de vidro, semelhante ao cristal, e também no meio do trono, e à volta do trono, quatro seres viventes cheios de olhos por diante e por detrás.
  O primeiro ser vivente é semelhante a leão, o segundo semelhante a novilho, o terceiro tem o rosto como de homem, e o quarto ser vivente é semelhante a águia quando está voando.
  E os quatro seres viventes, tendo cada um deles respectivamente seis asas, estão cheios de olhos, ao redor e por dentro; não têm descanso nem de dia nem de noite, proclamando:Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo –poderoso, aquele que era, que é e que há de vir”. Revelação 4:1-8

  Com relação a essas quatro bestas; elas não são somente mencionadas na Revelação. Ezequiel também fala sobre essas bestas bem como o profeta Isaias, porém, naturalmente, de diferentes formas. Escolhemos essa em particular, que está na Revelação, o livro do final da Bíblia, uma vez que todos falam do livro da Revelação. Temos aqui um gráfico mostrando as quatro bestas da alquimia. O leão é o símbolo do fogo; o bezerro é o símbolo da terra; o homem é o símbolo da água e a águia é o símbolo do ar. Aqui vemos os quatro elementos da alquimia com o que temos de trabalhar.

  No citado capítulo lemos bem claramente que ele diz que João diz: eu estava “em espírito”. Isso significa que ele não experienciava essas coisas fisicamente; as pessoas falam sobre isso e pensam que essa visão que João, o Divino, a teve, na ilha de Patmos, foi fisica... não. Ele claramente ressalta que foi “em Espírito”. O Espírito é Chesed na Árvore da Vida. É nosso particular e mais profundo íntimo. Obviamente, para nós termos o nosso mais profundo íntimo sentado no trono, temos de alcançar o nível de Ser Humano; o nível de Adão, em outras palavras.

  O sistema nervoso central, o cérebro e a medula espinhal, em cada um de nossos corpos internos, é o trono de Deus. Então, não somente no corpo físico, mas isso é igualmente verdade em nosso corpo vital; corpo astral; corpo mental; corpo causal, corpo da consciência e o Espírito; os sete corpos de Adão. Desse modo, o trono de Deus encontra-se no sistema nervoso central. Nosso particular Deus interior (que em hebreu é escrito Aleph-Lamed e pronunciado EL) está sentado lá. A fim de que tenhamos nosso pessoal e particular Espírito sentado no sistema nervoso central de todos os nossos corpos, especificamente no corpo físico, precisamos ser alquimistas; torna-se impossível assentar nosso Senhor em seu trono sem sermos um alquimista. Não se trata de crença, trata-se de conhecimento. Em muitas palestras temos dito que esse EL, Chesed (que significa misericórdia) é chamado no livro do Gênesis de Abrão ou Abraão, ou nosso próprio Espírito.

  Naturalmente, como vemos aqui, tudo o que está sendo descrito naqueles versos é bonito. Precisamos ter isso. Os 24 Anciãos estão relacionados com as 12 tribos de Israel e com os 12 apóstolos, em síntese. Se adicionarmos os 12 apóstolos às 12 tribos vamos ter o número 24, que está relacionado com o zodíaco. Além disso, o zodíaco está relacionado com Chokmah, que é a segunda sefira, à qual aqui nos estamos direcionando e que oculta tudo disso.

  Assim, referente a esses quatro elementos ou símbolos de alquimia, temos de explicar como eles estão relacionados com a Árvore da Vida. O leão estã relacionado com Chesed, o Espírito. O bezerro está relacionado com Geburah, uma vez que este é o fogo que desce em Malkuth, que é a terra. A águia é Tiphereth. E o homem, conforme explicado, é Adão que está relacionado com Yesod, que é o número 9. Por que Adão está relacionado com o número 9? Porque Adão é o homem feito à imagem de Deus. A fim de que tenhamos aquela imagem dentro de nós temos de ter o Espírito, a Consciência, a Força de Vontade, a Mente, a Emoção, a Vitalidade e os corpos físicos: 7 corpos. Esses, em aramaico, são chamados o Zeir Anpin. Então esses 7 corpos pertencem ao verdadeiro Ser Humano. Todos esses corpos de onde emrgem? De onde esse corpo físico que estamos usando emergiu? Emergiu do útero de nossa mãe, 9 meses após ela se ter engajado num ato sexual com nosso pai. Ele a engravidou colocando seu esperma no seu óvulo, e daquela união, 9 meses mais tarde, veio nossa fisicalidade, que é Malkuth. Do mesmo modo que nossa fisicalidade é uma criança de Yesod (sex, o número 9), assim também é o Adão total (os 7 corpos) uma criança do número 9. Não é mera coincidência que o nome Adão seja escrito com 3 letras; ALEPH-Daleth-Mem. Aleph é 1; Daleth é 4, que quando somado com 1 = 5; e Mem é 40. Assim, 40 + 5 = 45, e 4 + 5 = 9. Daí que a palavra Adão, cabalisticamente, é o número 9. Isso não é coincidência, pois Adão é uma criança de Yesod, a 9ª. sefira.

  Através do número 9 nós entramos na iniciação, que significa o caminho da geração a fim de realizarmos o que o Evangelho de João chama “nascer de novo”. Naturalmente, milhões de cristãos falam do “nascer de novo” como sendo “duas vezes nascido”. E acreditam, eles próprios, serem duas vezes nascidos meramente por acreditar no que está lá escrito. Entretanto, estamos aqui falando de alquimia, pois ninguém está fisicamente vivo porque sua mãe e seu pai acreditavam no que estava escrito na Bíblia. Nosso pai e nossa mãe tiveram ato sexual, e assim somos o resultado daquilo, fisicamente falando. Como então estarmos a aceitar que a fim de nascermos de novo podemos realizar aquilo simplesmente acreditando... isso é incongruente, absurdo.

  De fato, do mesmo modo que nossa mãe e nosso pai criaram corpos físicos, muito também devemos nós criar em nossos corpos internos para nos tornarmos duas vezes nascidos, porém isso, exatamente, só acontece em virtude de o procedimento com que o realizamos ser diferente. E é aqui que o Homem, Adão emerge. Eis porque os Evangelhos falam sobre o Filho do Homem. Mas quem é o Filho do Homem? Em hebreu está escrito Beni-Adão – o filho de Adão. Porém, a partir de que todos acreditem que Adão foi há muito tempo o primeiro homem existido, e que nós resultamos dele, então já somos o Filho do Homem, o Filho de Adão. Porém, Jesus fala da vinda do Filho do Homem a fim de sofrer a Paixão de Cristo. As pessoas leem isso, mas não compreendem, uma vez que o Filho do Homem é resultado da alquimia.

  O Filho do Homem é o resultado da criação dos corpos internos na 9ª. sefira, Yesod, Adão – porque Adão simboliza a água de Yesod, onde criamos o corpo astral, o corpo mental, o corpo causal, o corpo consciencial e o corpo espiritual. Ao estarem unidos, isso é o Filho do Homem, cujo centro de gravidade está no coração. É o Cristo, Chokmah, no mundo de Briah, criação, que é aquele que cria esses corpos solares. Eis porque está escrito no livro do Gênesis que Adão foi criado em 6 dias – 6 iniciações. Quando falamos sobre o Filho do Homem, isso está diretamente relacionado com Tiphereth, uma vez que Tiphereth é e consciência humana a que precisamos trabalhar. É assim como entendemos os Evangelhos. Se não entendermos quem é esse Filho do Homem, estaremos, afinal, perdidos. As pessoas acham que o Filho do Homem seja Jesus de Nazareth que veio há 2000 anos. Sim, ele é um deles. Ele alcançou aquele nível. Moisés foi um Filho do Homem. Krishna foi um Filho do Homem. Buda foi um Filho do homem. Samael Aun Weor foi um Filho do Homem. E todos os iniciados que elevaram as sete serpentes relacionadas com os sete corpos, são também intimamente o Filho do Homem.

  Mesmo uma mulher, Madame Blavatski foi um Filho do Homem. A Mestra Litelantes, a quem encontramos no México há muitos anos, ela própria foi um Filho do Homem porque ela tinha dentro de si, o Filho do Homem. Então, isso não é uma designação de ser um macho – Adão, homem, macho – não, estamos falando de alquimia. Se somos macho ou femea, isso é o resultado do que temos de obter. Cada coisa provêm do número 9. Adão é o núemro 9, ou seja, porque está relacionado com Yesod. Leiamos Isaias, leiamos Ezequiel e encontraremos lá também as quatro bestas. Não lembro em qual capítulo ou versículo, mas procurem por isso que encontrarão.

 Então, que vemos nisso? Se compreendermos isso, compreenderemos a Paixão de Cristo, porque Cristo é Chokmah. Quando aquele Chokmah desce, conforme explicamos no segundo gráfico, ao pronunciarmos Helion, Melion, Tetragrammaton, Ele desce de sua esfera a fim de nos proteger. Esse é um mantra poderoso. Toda a Paixão de Cristo está de fato para além disso.

O TEMPLO DE SALOMÃO

  Para então compreendermos essas coisas em grande profundidade, precisamos entrar no símbolo do que está escrito no 1º. Reis, capítulo 7, vesículo 21. Vemos esse belo quadro do Templo de Salomão, ou Templo Maçonico, se assim quisermos – uma vez que maçon significa construtor. No México, os construtores das pirâmides Aztecas e mesmo Maias foram os chamados Toltecas, os construtores, aqueles que ficavam cinzelando todos aqueles hieróglifos. Porém, como na Bíblia teriam sido chamados aqueles maçons ou Toltecas? A Bíblia os chama de as crianças de Israel. Quando lemos o livro do Êxodo, esta ali escrito que as crianças de Israel estavam fazendo os tijolos a fim de construir a pirâmide para o Faraó, entretanto isso é um símbolo. As crianças de Israel são as 12 forças que vemos no chakra Anahata ao qual temos de trabalhar a fim de construir a pirâmide interior em nós próprios. A pirâmide é um símbolo do pensamento, a mente, manas, o homem.

  Salomão, o Rei, escreveu o 1º. Reis, mas vocês podem notar que nós,  ao invés, escrevemos 1º. Malachim; é assim como escrevemos “reis” em Hebreu, Malachim. Há dois livros escritos. O primeiro livro de Malachim e o segundo livro de Malachim, ou o livro dos Reis, em outras palavras. Todos acham que esses livros estão relacionados com os reis de Israel – e isso é verdade, naturalmente... mas quem é Israel? Israel é a força de que estamos tratando. E Malachim é o nome do mundo de formação (Yetzirah) de Tiphereth. Malachim em hebreu, também significa Anjo. Desse modo, quando alcança a 5ª. iniciação dos Mistérios Maiores, chamada Tiphereth, aquela pessoa é denominada na cabala um Malachim e em grego, um Anjo. Assim sendo, qualquer Mestre da Loja Branca é um Anjo, um Malachim, naquele nível. Com referência aos livros de Malachim, dos Reis, naturalmente precisamos saber como lê-los; esses livros não foram escritos para todos, eles estão escritos de uma forma que necessitamos compreender como os Malachim, os Mestres, os verdadeiros Seres Humanos trabalham com a Árvore da Vida.

  Copiamos aqui o verso que diz:
Jachin Boaz
  Figura 6

  Depois levantou as colunas no pórtico do templo, tendo levantado a coluna direita (יכין preparar), chamou-lhe Jaquim; e tendo levantado a coluna da esquerda (בעז na força), chamou-lhe Boaz.  1Reis 7:21

  Eis porque os maçons, em qualquer templo da maçonaria, tendo entrado no templo, saúdam os dois pilares; Jaquim e Boaz, e então adentram o centro. O centro é a pedra da qual estamos falando, a 9ª. sefira, Yesod, onde o homem entra. Jaquim significa preparar... preparar o que? Preparar nosso Espírito, uma vez que Jaquim está relacionado com o pilar direito da Árvore da Vida. Veem? Esse é Jaquim e esse é Boaz. Agora, Boaz, em hebreu, também significa bode. Podemos traduzir dessa forma. O que é esse bode? O bode, o bode expiatório, aquele que pode pagar nossos pecados – que não é o animal literal, conforme pensam as pessoas, usado para pagar os pecados de nossas faltas, está relacionado com a esquerda, uma vez que o bode está relacionado com Binah, Saturno, Capricornio astrologicamente falando.

  Temos, então, que precisamos trabalhar com Saturno, com a morte de nossos pecados e isso é Boaz. Estando aqui, fisicamente, Malkuth, em nosso corpo físico, e se queremos adentrar o pilar central da Árvore da Vida, temos que trabalhar com Jaquim e Boaz a fim de adentrarmos o templo dentro de nós. O templo somos nós e as 7 sefiras. Naturalmente, no simbolismo da maçonaria, eles têm belos templos, mas a nenhum desses os maçons os têm interiormente. Termos templos no plano físico é belo, é lindo, entretanto temos de cinzelar a pedra rústica e torna-la completamente cúbica. É isso que precisamente vemos nesse gráfico.

  A pedra rústica está à esquerda, o lado do bode, onde temos força. À direita temos a Pedra cúbica de Yesod cinzelada. É esse o trabalho que teremos de realizar alquimicamente; temos de tomar a pedra rústica, que é a energia sexual que possuímos e, com paciência, com o martelo, a força de vontade, o cinzel da consciência, unidos numa vibração de harmonia, transforma-la perfeitamente em cúbica. Esse é um dos segredos da maçonaria. É assim como nos preparamos individualmente a fim de alcançarmos o nível de o Filho do Homem. Cada um de nós pode tornar-se o Filho do Homem, o Filho de Adão, o Homem de Yesod.

  Vemos aqui muitos símbolos, mas não vamos explica-los todos visto serem eles muito profundos, porém as duas colunas em particular são muito comuns na maçonaria e necessitamos compreender seus simbolismos a fim de entrarmos nos segredos da maçonaria. Cada segredo da maçonaria está relacionado com o compasso e o esquadro – essas são as ferramentas que qualquer maçom usa, qualquer israelita, qualquer tolteca. Se lermos a Pistis Sophia, escrito pelo Mestre Samael Aun Weor, leremos a explicação relativa a essas coisas, e como estão relacionadas com o segredo da alquimia, que também está escrito na Bíblia e porque citamos a Bíblia. Se desejarmos ser um Rei temos de alcançar o nível de Malaquim, porém internamente. Esse é um belo simbolismo. Eis porque nesse conhecimento reverenciamos e honramos dois Mestres – Samael Aun Weor e Litelantes. Samael Aun Weor poderia não ter dado o que deu sem a ajuda da mulher. Eles são Jaquim e Boaz. Alguém diz que todas as religiões são fálicas – isso é verdade uma vez que são baseadas em Yesod. O macho tem o falo... mas o que pode um homem fazer com seu falo sem a mulher? Pode ele criar? Não. Então, ele necessita de Boaz. E o que Boaz, a fêmea, faz sem Jaquim? Nada. Necessitamos de duas colunas a fim de sustentar o templo; necessitamos de Jaquim e Boaz. Desse modo, sempre respeitei Mestra Litelantes e Mestre Samael Aun Weor. Todas as vezes que tenho experiências nos planos internos com Mestre Samael, Mestra Litelantes aparece. Quando invoco Mestra Litelantes, ele também aparece. E digo, sim, compreendo, porque eles são as duas colunas do templo. O problema aqui é que ambos os Mestres são rigorosos... muito rigorosos, severos, e eu gosto disso. É o que a humanidade precisa; Jaquim e Boaz. Compreendo isso, seria estupidez criticar a Mestra Litelantes porque assim seria adentrar o templo manquejando. Temos de andar com ambos os pés. De qualquer modo... vamos em frente no tópico a fim de compreendermos, pois isto é muito interessante.

ALQUIMIA SEXUAL: A PAIXÃO DE CRISTO

  Não sabeis que sois santuário de Deus e o Espírito de Deus habita em vós?”. 1 Coríntios 3:16

  O Senhor Jesus diz, muito claramente, no Evangelho de Lucas: “Aquele que não está comigo é contra mim, e aquele que comigo não ajunta, espalha” (Lc 11:23).

  Isso é uma manifestação sexual, pois quando conhecemos alquimia sabemos que temos de reunir forças do Senhor em nós. Se não reunimos essas forças, as dispersamos afora. A fim de explicar isso ele diz que aquelas forças, as forças sexuais, são as forças do Espírito Santo. Em seguida ele diz:

  “Por isso vos declaro: todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada”.

  O Espírito Santo; a energia sexual, eis porque se não a juntamos a espalhamos dispersando-a afora... as duas vias.

  Se alguém proferir alguma palavra contra o Filho do homem ser-lhe-á a isso perdoado, mas se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será isso perdoado, nem neste mundo nem no porvir”.

  O povo repete isso, porém ignora que a energia sexual é precisamente יהוה אלהים Jehovah Elohim, Binah, o Espírito Santo. Se não a conservamos, se não soubermos como transmuta-la – e ela é o que ensinamos aqui, uma vez que temos muitos livros que nos ensinam como faze-lo, então não temos desculpas nos dias de hoje – não teremos como realizar este trabalho.

  “Ou fazei a árvore boa e o seu fruto bom, ou a árvore má e o seu fruto mau; porque pelo fruto se conhece a árvore”.

  De que frutos estamos falando aqui? Os frutos de duas árvores; cabala (a Árvore da Vida, as 10 sefirotes); alquimia ( a Árvore do Bem e do Mal, a Árvore do Conhecimento). Como está escrito:

  E plantou o Senhor Deus (יהוה אלהים Jehovah Elohim) um jardim no Éden, da banda do Oriente (Yesod), e pôs nele o homem (Adão)  que havia formado. E do solo (האדמה HaAdamah) fez o Senhor (יהוה אלהים Jehovah Elohim) brotar toda sorte de árvores agradáveis à vista e boa para alimento; e também a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore do conhecimento do bem e do mal. Gênesis 2:8-9

  Quando trabalhamos com essas duas árvores, o Zohar ressalta:

 “Jehovah Elohim יהוה אלהים (Binah)” denotando o pai celestial e a mãe; “toda árvore que seja agradável aos olhos” e Justa; e “boa para se comer”; a coluna do meio consistindo das sefirotes Kether, Tiphereth, Yesod, Malkuth das quais procedem aquelas reservas de alimento de que os justos são alimentados e que, quando a humanidade tornar-se purificada e iluminada, contribuirá para a vida do mundo. Então, cada um tomará da Árvore da Vida no meio do jardim e comerá e viverá para sempre”. Gênesis 3:22

  “A escritura pontua que "יהוה אלהים (Binah) criou Adão, à semelhança de אלהים Elohim, assim ele o  fez; criou ele então macho e fêmea; e os soprou, e os chamou com o nome Adão no dia em que foram criados, significando Israel, que existia no divino pensamento ou mente antes da criação do mundo, e após foi ele criado à semelhança e imagem de אלהים Elohim. Descendência, vida e o significado (espiritual) de o processo de subsistência procedem da coluna do meio da sefirótica Árvore da Vida, chamada escritura, “Israel (Tiphereth) é meu filho, meu primogênito” (Êxodo 4.22) e isso nutre o mundo inteiro (Malkuth).

  “Está escrito ‘e Ele formou Adão’. Nessas palavras está expresso o mistério da formação de Adão vindo dos pilares direito e esquerdo da sefirótica Árvore da Vida. Adão foi composto de duas naturezas, a animal ou ego inferior (à esquerda) e a espiritual ou ego superior (à direita), e isso é assim porque o formato inicial é necessário para o desenvolvimento deste último. É a natureza inferior de Adão que excita o princípio feminino. É uma tradição que o norte, que simboliza os princípios do mal, busca associar com a fêmea e daí ela vem a ser chamada Ishah, um termo composto de duas palavras: eshe (fogo, homem) e Hei, significando a genitália ou princípio feminino. O ego superior e o inferior não podem unir-se e nem harmonizar-se enquanto as sexualidades e desejo carnal estejam dominantes. O termo Adão tem sido explicado em que a princípio designava o ser andrógino, mas que depois [Adão] se tornou dividido e separado”.

  “A natureza superior traz sua origem do pilar direito da sefirótica Árvore da Vida, enquanto a inferior vinda do pilar esquerdo, e estando incorporada na fêmea, se torna unificada nela, conforme está escrito: ‘sua mão esquerda (Daath) está sob minha cabeça e sua mão direita dá-me em abraço’” (Canção de Salomão 2.6) - Zohar

  Assim, o pilar direito da Árvore da Vida é o macho (Jaquim), e o pilar esquerdo da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal é a fêmea (Boaz). Visto que, não foi talvez Eva, a Árvore do Conhecimento, o pilar esquerdo que deu o fruto proibido a Adão, o pilar direito?

  Estamos tratando aqui, alquimicamente, acerca de duas polaridades sexuais que possuímos interiormente, que são os fluidos de אד Od and אב Ob, de onde os cordões de Ida e Pingala (em hebreu אד Od and אב Ob), emergem.
Ancient letter Teth
Figura 7
ANTIGA LETRA TETH

  Yesod (as águas inferiores) é onde os fluidos de Od e Ob se encontram; é o lugar de encontro entre o homem e a mulher, o centro da Cruz Sexual Alquimica simbolizada na forma da antiga letra Teth (a nona letra da nona esfera). As águas superiores, a Cruz Alquímica Sexual no centro de Teth é Daath, onde Shiva-Shakti se encontra. O topo esquerdo da trava horizontal da cruz é Binah, e seu fundo esquerdo é Yesod. O fundo esquerdo (no macho) é Pishon e o fundo esquerdo (na femea) é Eufrates, ao passo que Gihon e Heddikel estão relacionados com a cabeça do macho e da mulher, respectivamente. Eis como os céus e a terra criam!

  Com referência aos fluidos genitais em Malkuth, nossas fisicalidades, a Bíblia manifesta: “Disse também Deus (Elohim): ajuntem-se as águas debaixo dos céus num só lugar (Yesod a genitália). E apareça a porção seca (gameta). E assim se fez. A porção seca (gameta) chamou (Elohim) Deus (Espermatozóide e Óvulo)), Terra, e ao ajuntamente das águas,(Od e Ob) Mares (a próstata e o útero). E viu Deus (Elohim) que isso era bom. E disse: produza (eflúvio da) a terra (gametas) relva ervas que deem semente e árvores frutíferas que deem fruto segundo a sua espécie, cuja semente esteja nele. E assim se fez. A terra, pois, produziu relva, ervas que davam semente segundo a sua espécie, e árvores que davam fruto, cuja semente estava nele, conforme a sua espécie. E viu Deus que isso era bom”. Gênesis 1:9-12

  A palavra AUR, significa luz. Essa luz (de Chokmah que está inclusa dentro do gameta humano) foi tratada (por meio de Alquimia sexual), e tornada inclusa como um embrião (no cóccix, e entrando no pilar central, medula espinhal) como um princípio de vida, tornada frutuosa, e isto é o que é chamado na Escritura “árvore de fruto, dando fruto em que há semente”. Gênesis 1:29: e em sendo esse princípio de vida, participante da aliança, causou-se manifestar-se como matéria solar, de tal modo a produzir corpos solares, por meio do grande e inefável divino nome do Elohim, יהוה Iod-Hei-Vav-Hei, que opera na criação de Adão”. - Zohar

  Com referência a אד Od o pilar esquerdo da Árvore da Vida, a Bíblia oferece: “Mas (אד Od) uma neblina subia da terra (Malkuth) e regava (אב Ob)  toda a superfície (האדמה HaAdamah)  do solo. Gênesis 2:6

  Com referência אב Ob o pilar direito da Árvore da Vida, a Bíblia oferece: “Quanto a mim, será contigo a minha aliança: serás (Chesed) pai (אב Ob de numerosas nações”. Gênesis 17:4

  Com relação a Árvore da Vida e a Árvore do Conhecimento, Mestre Samael Aun Weor, oferece: “O kundalini é o Elixir da Longa Vida. Esse fogo é o ouro potável dos antigos alquimistas. O kundalini é a Árvore da Vida a que o livro do Gênesis faz referência nos seguintes versos:

  Do (האדמה Ha'Adamah) solo (Malkuth) fez o Senhor Deus (Jehovah Elohim) brotar toda sorte de árvores agradável à vista e boa para alimento; e também a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore do conhecimento do bem e do mal (pilares da direita e da esquerda)”. Gênesis 2:9

  “A Árvore da Vida (no pilar central) é o kundalini, e a Árvore da Vida do Bem e do Mal é o semem (em alquimia semem é o fluido sexual em ambos os sexos) Ambas as árvores são do jardim de Deus”. – Samael Aun Weor

  Com referência aos fluidos sexuais, em ambos os sexos, esses são relacionados com Chokmah e Binah. Ambos os sefirotes, neles mesmos, contêm o nome sagrado, chamado יהוה  Jehovah e יהוה אלהים Jehovah Elohim, respectivamente. Através da alquimia, Binah em Daath vem criar de Chokmah um rio que sai do Éden, como a Bíblia coloca:

  “E saia um rio do Éden para regar o jardim, e dali se dividia, repartindo-se em quatro braços. O primeiro chama-se Pisom; o que rodeia a terra de Havilá, onde há ouro; e o ouro desta terra é bom; também se encontram lá o bdélio e a pedra de ônix”.

  “ A terra de Havilá é nosso próprio corpo físico, o ouro dessa terra são os átomos solares de nosso sistema seminal – que significa dizer-se: o semem do ouro potável”.

  “O segundo rio chama-se Giom: é o que circunda a terra de Cuxe”.

  “Esse segundo rio é o fluido cerebroespinhal , que é o outro polo de nosso sistema seminal. Com ele, abrangemos a terra inteira da Etiópia – ou seja, o total de nossa cabeça e garganta, uma vez que formamos o cérebro e garganta com (אב Ob), o fluido cerebroespinhal”.  
  “E o nome do terceiro rio é Tigre; é o que corre pelo oriente da Assiria. E o quarto é o Eufrates”  Genesis 2:10-14.

  “O rio que vai do leste da Assiria e o rio Eufrates são dois polos do sisrema seminal da mulher”. – Samael Aun Weor

  Com referência a Adão e Eva ou אב Ob e אד Jorge Adoum, um grande mestre, conclui:

  אב Ob e אד Eva é חוה Chavah “o complemento da vida”, nossa genitália física. “Eva é o desejo instintivo, ou podemos chama-la, ‘vontade maligna’, o instinto sexual que todos nós possuímos, que sempre nos convida à animalidade”. Lembremos que אב Ob ou Adão está relacionado com o cérebro. Quando Jeová falou a Adão e disse:
  “Onde estás?” “Por que te escondes de mim?”, Adão respondeu:
  “Ouvi a tua voz no jardim, e porque estava nu tive medo e me escondi”.
  “Quem te fez saber que estavas nu?. Comeste da árvore que te ordenei que não comesse?”. E Adão disse:
  אד Od a vontade maligna, o instinto, o instinto sexual que tu me deste (em outras palavras, a fêmea, os órgãos sexuais... se possuímos um falo ou uma vagina – isso é חוה Chavah,  Eva mulher a mãe da vida) me convidou a comer, e comi”.

  Quem fez esse órgão sexual “comer” do fruto proibido? A força sexual, o instinto sexual. Sabemos, nos animais, que eles obedecem seus instintos e por obedecerem-nos, reproduzem. Porém, nós, somos animais intelectuais, precisamos controlar aquela אד Od, neblina que faz regar a terra אד Od, a face integral (האדמה Ha'Adamah) do solo. Eis porque Jehovah disse a Adão, controla tua esposa, controla teus instintos, controla tua genitália; não come do fruto como um animal. Do contrário, tu estagnarás e não entrarás no Reino dos Seres Humanos. Quando um animal sente o instinto sexual em seu órgão sexual ele vai e fornica; come o fruto. E quando perguntado da consciência, da vontade: “Por que fez isso?”, responde: “Bem, a serpente enganou-me”. Que é a serpente? É a força sexual que desce do alto. Isso não é belo? Isso está precisamente relacionado com nosso corpo; Adão e Eva. Eis porque Jesus diz: “raça de víboras, como podeis falar coisas boas, sendo maus? Porque a boca fala do que está cheio o coração”. Mateus 12:34

O CORAÇÃO, O REINO DE CRISTO

  O homem bom tira do tesouro bom coisas boas; mas o homem mau do mau tesouro tira coisas más”. – Mateus 12:35

  Possuímos muitos desejos. Infelizmente, nossas 12 tribos (arquétipos) estão armadilhadas em nossas emoções; auto-estima; orgulho, vaidade... relacionadas com o coração. Precisamos superar a animalidade dentro de nós.

  Mas digo-vos que de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no dia do juízo; porque pelas tuas palavras serás condenado”. Mateus 12:36-37
Jacob Israel Gustave Moreau

Figura 8

  Observemos o gráfico que colocamos aqui. O que podemos pensar que representa? Vejamos se temos intuição. É obvio que atrás é um Anjo, e na frente há alguém fazendo um esforço, mostrado através de seus braços... tentando conter algo. Aqui encontramos o que restou da vestidura de castidade de Jacó, como pelas garras de uma besta no chão (האדמה Ha'Adamah).  Esta é a mais eloquente representação visual de Jacó lutando com um Anjo. Há muitas pinturas nesse assunto, mas representam Jacó e o Anjo como se eles estivessem lutando... não! Aqui é mostrada em verdade sobre o que seja exatamente a luta.

  Elohim-Gibor é a força que desce de Geburah para dentro de seu corpo, que nos dá a força sexual. Todos temos esta força sexual em עשה Assiah, Malkuth, o reino de אדמה Adama ou אדום Edom, nossa fisicalidade. Quando ela entra no corpo torna-se o que a Bíblia chama עשו Esau, uma vez que עשו Esau é o עם Om de sua própria עשה Assiah ou fisicalidade, em vez de o vermos a lutar com um Anjo, pois ali o Anjo está tocando gentilmente o braço de Jacó. Essa luta é na 9ª. esfera. É no sexo. É quando Jacó – que simboliza Tiphereth – está em luta contra sua própria animalidade, transmutando a energia sexual, fazendo grande esforço, tanto quanto consegue trabalhar em transmutação da força sexual. Elohim-Gibor, aquele que dá a força sexual, diz: “Eis aqui mais para você”. Então ele sente isso durante o ato sexual e tem de manter-se transmutando e transmutando, a noite inteira, conforme escrito na Bíblia:

  Ficando ele só; e lutava com ele um homem, até ao romper do dia. Vendo este que não podia com ele tocou-lhe na articulação da coxa; deslocou-se a junta da coxa de Jacó na luta com o homem. Disse este: deixa-me ir, pois já rompeu o dia. Respondeu Jacó: não te deixarei ir, se me não abençoares. Perguntou-lhe, pois: como te chamas? Ele respondeu: Jacó. Então disse: já não te chamarás Jacó, e, sim, Israel: pois como príncipe lustaste com Deus e com os homens, e prevaleceste”. - Gênesis 32: 24-28

  Veem o Anjo? Exatamente como tocando Jacob levemente... Aquele Anjo toca os cavalos, os gatos, os leões, os cães... todos os animais do reino animal, e eis porque sentem a força instintual e dai se multiplicam. “Mas, iremos querer nos tornar um Ser Humano?. Ok”. Digamos que o Anjo “Controla isso”. É como Jacó a estar transmutando; “Mais para nós, (mais) força”. É sempre uma luta cada vez que penetramos no ato sexual. Por isso, a Bíblia diz que Jacó passou a noite inteira lutando com Elohim e com Enoshim. Observemos as palavras que diz עם Om. Om-Elohim עם אלהים e עם אנשים Om-Enoshim (Om עם é a força sexual que desce de Geburah no animal intelectual). É assim como temos de transmutar a עם Om sexual, do pilar direito para o esquerdo da Árvore da Vida. Isso está descrito bem claramente na Bíblia. Em outras representações desse assunto os vemos brigando e lutando, conforme temos na TV, como lutadores. Não. Lutar contra Om-Elohim עם אלהים significa lutar contra o Demiurgo. Quem é o Demiurgo? São forças que descem de Atziluth nos reinos mineral, vegetal, animal e no reino intelectual. E עם אנשים Om-Enoshim são as forças que descem de nosso particular Chesed-Abraham e Geburah-Isaac, nossa Mônada, Atma, Buddhi. Temos de derrotar aquela força em nós próprios, então possuir aquela força e alcançar o nível de Ser Humano nos elevando em Israel (Tiphereth) no pilar central, uma vez que “Israel é (Tiphereth) meu filho, meu primogênito” (Êxodo 4.22). Em outras palavras, Israel é a criança de Abraão e Isaac, o pilar direito e o pilar esquerdo da Árvore da Vida que nutre o mundo (Malkuth, o Templo de Deus, nossa fisicalidade através de Yesod).

O SINAL DE JONAS
Jersus in Hell
Figura 9

  “Então alguns escribas e fariseus replicaram: Mestre, queremos ver de tua parte algum sinal. Ele, porém, respondeu:uma geração má e adúltera pede um sinal; mas nenhum sinal lhe será dado, senão o do profeta Jonas. Porque assim como esteve Jonas três dias e três noites no ventre do grande peixe, assim o Filho do homem estará três dias e três noites no coração da terra”. – Mateus 12:38-40

  Do mesmo modo que as pessoas nos dias de hoje dizem: “faça-nos um milagre, de-nos um sinal a fim de que acreditemos nisso”. Assim também eles fizeram com Jesus; “de-nos um sinal, a fim de que possamos segui-lo acreditando em você”.

  Do mesmo modo como Jesus falou, as pessoas leem e não compreendem isso, porque é cabalístico, alquímico. Por exemplo: façamos aqui a adição; 3 dias e 3 noites dão 72 horas. 7 + 2 = 9. Por que estaria o profeta Jonas 3 dias e 3 noites na barriga da baleia? E por que está Jesus comparando a baleia com a Terra? A Terra é Malkuth e se formos ao centro da Terra em nosso corpo astral encontraremos o Inferno, pois a Terra tem 9 esferas. 9. Vemos assim que tudo aqui é cabalístico. Porém, ele diz 3 dias e 3 noites porque bem sabemos que não há noite sem o dia e não há dia sem a noite. No trabalho que estaremos fazendo vamos experimentar noites espirituais. Quando sofremos e pensamos em nós a fazermos um trabalho demasiado duro sem vermos nele efeitos ou resultados de nossos esforços é porque estamos numa noite espiritual; ao passo que noutras horas, quando trabalhamos, obtemos muitas experiências (dia, luz, beleza)... eis porque, na noite espiritual muitos iniciados ficam desapontados, desencorajados e abandonam o caminho. Porém, Jesus diz bem claramente, que há noites e dias; as 72 horas quando somadas em seus algarismos perfazem 9. Não qua hajam 3 dias... isso é um símbolo.

  O primeiro dia é o dia que já temos explicado, em que o iniciado tem de nascer de novo. Esse é o primeiro dia. Quando o iniciado é de novo nascido, quando ele criou todos os corpos e se tornou num Filho do Homem, ele então estará diante da seguinte situação: seguir o Caminho da Espiral (que é o caminho do Céu) ou do Deserto (o Caminho Reto que Moisés mostrou muito claramente em seu livro dos Números) no qual ele tem de lutar contra todos os que se opoem à entrada da Terra da Promissão. Porém, todos aqueles que se opoem à entrada do iniciado à Terra da Promissão não estão fora de nós, mas interiormente. Todos estão no nosso íntimo. Eis porque Moisés é aquele que, em muitas palestras, temos demonstrado, estar relacionado com Tiphereth, a força de vontade.

  Moisés nasceu no Nilo. Conhecemos a história de Moisés, que foi abandonado no rio Nilo sendo encontrado por Malkuth, a filha do Faraó; todos esses são um belo simbolismo. A água, símbolo de Yesod, símbolo de Mem, símbolo de Adão. Moisés é o corpo causal de Tiphereth, o Filho de Adão, o Filho de Israel em Malkuth, o primeiro nascido de Deus; Moisés ou משה Moshe eleva-se como força de vontade a partir de Mem, águas de Yesod, o Nilo em Malkuth, a base da coluna central da Árvore da Vida, e sobe para Tiphereth a fim de juntar-se a Shin, o fogo, a Mônada, chamada Chesed, Geburah e Tiphereth, para ver o Logos em em Hei de Daath; ver quem? Quem é o Logos que Moisés vê em Daath? Jehovah! יהוה, Chockmah. E em Daath é onde Moisés decide entrar no Deserto, ou, em outras palavras, no caminho reto. E Jeová, Chokmah, diz: volte para o Egito e traga de volta meu povo, traga de volta as crianças de Israel; aqueles são todos os arquétipos que temos de libertar através da meditação, através de muito trabalho de alquimia. Entretanto, para tal, precisamos encarnar Cristo, e eis porque isso está mostrado na Bíblia quando Moisés atira o cajado que segurava (símbolo de sua coluna espinhal e pilar central da Árvore da Vida) e o cajado vira em serpente e a serpente vira em cajado. Então, ele se acerta com Jehovah-Elohim e volta para Malkuth (Egito) – que, porém, tudo isso acontece no mundo de Tiphereth. O Filho do Homem vibra no mundo de Tiphereth: esse é Moisés, e em Tiphereth, o coração, é onde encontramos Chokmah, que trabalha sempre na 9ª. esfera, Yesod.

  Precisamos criar Moisés dentro de nós. Diria que cada pessoal Mestre da Grande Loja Branca tem seu Moisés interior. Há tantos Moisés no mundo como há Mestres da Loja Branca. Moisés está dentro de Krishna, dentro de Jesus, de Rama, etc. Eis porque demos a palestra explicando sobre a transfiguração de Jesus, quando ele vê Moisés lá, porque Moisés está dentro dele. Naturalmente, Moisés, o grande legislador existiu – ele é um grande Mestre – porém, estamos deixando de lado todo o histórico das encarnações dos Mestres a fim de nos enfocarmos nos arquétipos dentro de nós, naquilo que eles representam, a fim de que possamos entender a Bíblia.

  É assim como a Bíblia está escrita com relação aos arquétipos – não acerca da vida particular daqueles Mestres que vieram para nos ensinar essas coisas... e não estamos lendo sobre a vida particular de Mestre Jesus ao lermos os evangelhos, pois eles representam algo a mais; falam sobre os arquétipos que cada um de nós carrega interiormente. Se não soubermos como ler isso, entramos em confusão, conforme acontece nos dias de hoje.
                                                   
  Assim, um homem de Yesod, da casa de Levi, tomou Malkuth por esposa, uma filha de Yesod, Levi. E a mulher Malkuth concebeu e deu à luz a um filho, e seu nome foi Moisés, que de Malkuth cresceu em Tiphereth. Então, quando ele decidiu caminhar no deserto, voltou ao Egito a fim de trabalhar três dias e três noites, no centro de Malkuth. Daí, começou a trabalhar com o Senhor como o Filho do Homem. No primeiro dia, Moisés, juntamente com Chokmah, elevaram a luz no corpo físico, no corpo vital, no corpo astral, no mental, no corpo da força de vontade, no corpo búdico e no corpo espiritual. Quando esses corpos estão brilhando é porque o Filho do Homem (representado por Moisés e por todos os corpos interiores, que os dizemos as crianças daquele homem) recebeu o Senhor, o Cristo.

  É assim que o Senhor desce a fim de sofrer a Paixão; aquela Paixão que estamos a celebrar em abril, falando astrologicamente. Sabemos muito bem que algumas vezes a Páscoa cai em março, e outras vezes em abril, uma vez que está relacionada com o movimento do Sol. O Sol é o corpo físico de Chokmah. Mas aqui, falamos sobre a Paixão de Cristo relacionada com Iniciação.

  O primeiro dia é quando o Senhor Chokmah torna-se humano dentro de nós. Porém, a fim de que se torne humano dentro de nós temos que ser primeiro Seres Humanos; temos de ser um Filho do Homem, um Filho de Yesod, o filho de Adão, uma vez que o Senhor somente desce no Filho do Homem. Então, precisamos ter Moisés interiormente.

  Quando o Senhor desce de Chokmah (como Cristo dentro de Tiphereth), ele se torna o Filho do Homem é então que formamos dentro de nós aquilo que é chamado Jesus Cristo, sendo um sinônimo de o Filho do Homem, que é também um sinônimo de o Filho de Deus, Chokmah. Daí, Chokmah, unido com Tiphereth, é a descida do Filho do Homem, porque o Filho do Homem (Chokmah-Tiphereth) desce em Malkuth como Jesus Cristo; esse é o primeiro dia. Veem? Até agora viemos explanado somente o primeiro dia. Há 3 dias e 3 noites.
Jesus and Nicodemus
Figura 10
PRIMEIRO DIA

  “Havia, entre os fariseus, um homem, chamado Nicodemus, um dos pricipais dos judeus. Este, de noite, foi ter com Jesus e lhe disse: Rabi, sabemos que és Mestre vindo da parte de Deus, porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estuver com ele. A isto respondeu Jesus: em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus”. – João 3:1-3

  Explanamos o que vem a ser nascer de novo. A fim de vermos o Reino de Deus, temos de receber a luz de Chokmah, o Cristo. Então, uma vez tendo nascido de novo através da alquimia, recebemos aquela luz, e aquela união nos empurra a trabalhar na alquimia, cada vez mais, internamente. Isso está escrito no evangelho de João.

  “Perguntou-lhe Nicodemus: como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, por ventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez? Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne; o que é nascido do Espírito, é espírito. Não te admires de eu te dizer: importa-vos nascer de novo. O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai; assim é tido o que é nascido do Espírito”. – João 3:4-8

  Veem? Uma coisa é nascer da carne... todos somos nascidos da carne. Porém, nascidos do espírito significa tomar o espírito do esperma (a força sexual) e elevá-la pela coluna espinhal; eis como, pouco a pouco, elevamos dentro de nós o Homem Interior, pelo Espírito, não pela carne. Não preciso explicar-lhes como somos nascidos da carne; todos aqui são nascidos da carne.

  Então lhe perguntou Nicodemus: como pode suceder isto?”  Isso é a mesma coisa que as pessoas perguntam quando explanamos do assunto. “Acudiu Jesus: Tu és mestre em Israel, e não compreendes estas coisas?”

  Quantos Rabis podem nos dizer sobre isso? Conhecer a cabala e ter conhecimentos sobre a Bíblia ou a Torá é fácil, mas quanto a praticar alquimia sexual? Esta não é fácil. Mesmo esse Nicodemus, do tempo de Jesus, não sabia do que o Mestre falava. Então, Jesus perguntou como podia um Rabi de Israel não saber sobre essas coisas. Jesus presumia que eles deveriam saber, mas não sabiam.

  Em verdade, em verdade te digo que nós dizemos o que sabemos e testificamos o que temos visto, contudo não aceitais o nosso testemunho. Se tratando de coisas terrenas (alquimia sexual) não me credes, como crereis se vos falar das celestiais?”

  Ele falava da necessidade de nascermos de novo com a alquimia sexual, a transmutação da energia sexual. Se as pessoas não conseguem compreender isso, como irão compreender ao começarmos a falar sobre coisas celestiais, conforme explanávamos a todos ao início dessa palestra, acerca da Árvore da Vida e todas as coisas relacionadas com a cabala?

  “Ora, ninguém subiu ao céu, senão aquele que de lá desceu, a saber o Filho do Homem (Tiphereth) que está no céu”
                                                   
  Veem? O Filho do Homem está no Céu. Nós estamos aqui na Terra. Para que possamos experienciar aquilo, temos de estar em Tiphereth e Tiphreth tem de descer, como fez Moisés, para baixo; mas ele está no Céu. Saberíamos o que seja o Céu? As pessoas acreditam em Céu. Quem está no Céu não necessita acreditar em Céu. Ele visita o Céu e conversa com os Anjos – esta é a verdadeira Gnose. Esse é chamado o Verdadeiro Homem, o Filho do Homem.

  E do modo por que Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado”

  Isso significa que (quando encaramos aquilo que temos explicado sobre o deserto (o caminho direto) Moisés desceu com o Senhor em seu coração, e teve de levantar a serpente de luz nos 7 corpos a fim de que Cristo absorvesse o Ser Humano. Quando o Senhor absorve o Ser Humano, então ele encontra Jesus Cristo dentro dele; essa é a vinda do Filho do Homem. Não é como as pessoas pensam que: “seremos elevados ao céu”. Não, nenhum homem ascenderá ao céu, mas sim o Filho do Homem que está no Céu; porém, ele precisa primeiro descer. Ele então explica no Livro de João que o verdadeiro Ser Humano tem de acreditar, ou seja, acreditar Nele completamente.     
Jesus Nicodemus
Figura 11

  Para que todo o que nele crê tenha a vida eterna. Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para todo (em Tiphereth) o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porquanto Deus enviou o seu Filho (de Chokmah) ao mundo (de Malkuth), não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem nele crê (em Tiphereth) não é julgado; o que não crê (os egoístas Pratieka Budas) já está julgado, porquanto não crê no nome (יהוה) do unigênito Filho de Deus. O julgamento é este: que a luz (de Chokmah, o topo do pilar direito da Árvore da Vida) veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas (o pilar esquerdo) do que a luz (o pilar direito); porque as suas obras eram más. Pois todo aquele que pratica o mal, aborrece a luz e não se chega para a luz, para não serem arguidas as suas obras. Quem pratica a verdade aproxima-se da luz a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque feitas em Deus”. – João 3:15-21

  Muitos Budas Pratieka do Nirvana não acreditam no Senhor (Chokmah), ao invés preferem entrar no caminho da Espiral, daí que a descida do Filho do Homem nunca acontece dentro deles. Compreendamos: essa crença não é assunto, conforme o povo pensa, de fé cega.

  Ouçam: Ser é “ser”; ser ou não ser. Crer significa acalentar amorosamente no fundo do coração, crer em, estar vivo em.

  Leveza da vida “tendo vida, não morte”, uma parte viva, do fogo, carvão, etc. “ardendo, brilhando!, de coisas, condições, etc. “pleno de ativo poder”; sentido de “conter inesgotável energia ou poder”.

  Não é assunto para pensar nele, porém de tê-lo em nossa consciência.

  No começo temos de estudar a doutrina. Estudamos nos livros do Mestre, na Bíblia. Isto é bom e positivo. Porém, se pensarmos realmente, porque cegamente acreditamos no que lá está escrito, de que iremos ascender, estaremos errados. Necessitamos praticar o conhecimento. Temos de vive-los; necessitamos experienciar em Tiphereth. O que lermos precisamos sentir interiormente, então dizermos “Oh, isto é o que está escrito lá. Agora estou vivendo isto, agora eu compreendo”. Não é um tipo de fé cega, mas fé desperta e prática. Eis porque está escrito: “Porquanto Deus enviou o seu Filho (de Chokmah) ao mundo (de Malkuth), não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele”. Esse mundo somos nós mesmos. Quando ele desce, ele vem para o primeiro e segundo dias.

SEGUNDO DIA

  O que é o segundo dia? É a morte. É por isso que todos têm medo de andar pelo deserto; é uma luta contra si mesmo. É questão de morte, paixão. Lendo o Evangelho veremos tudo o que acontece com Jesus; ele é acusado de muitas coisas, e sofre a morte na cruz. A cruz é um símbolo do falo e da vagina. Alquimia sexual. O Senhor desce 3 dias e 3 noites a fim de trabalhar lá, no mais profundo coração da Terra. Existem muitas imagens, muitas histórias que falam sobre Jesus indo ao Inferno para libertar Abraão, Jacó, Issac e todos os profetas. As pessoas que não entendem o que estão lendo pensam: “Que? Todos aqueles profetas que escreveram a Bíblia e o Velho Testamento, estão no Inferno, esperando por Jesus de Nazaré, o Mestre que veio há 2000 anos ensinar isso?”. Não. O Evangelho está tratando de arquétipos. Todos os nossos arquétipos – começando por Abraão, Isaac, Jacó, e todas as tribos – estão armadilhados em nosso ego. Precisam ser libertados; esta é a Paixão do Senhor. Mesmo a palavra paixão está relacionada com a energia sexual. O Senhor tem de desintegrar todos os inimigos de Deus. E onde estão todos os inimigos de Deus? Dentro de nós e não fora. Fora há pessoas infelizes como nós, sem conhecimento, lutando a fim de sobreviver nesse inferno de um mundo no qual vivemos. Porém, a coisa verdadeira é: que temos de trabalhar o segundo dia e este está relacionado com o mundo da formação. O mundo da formação é o mundo de Yetzirah, que Mestre Samael Aun Weor descreveu muito inteligentemente em sua “As Três Montanhas”. Todo o trabalho da segunda montanha, todas as 10 sefirotes de Yetzirah, elevando-se até alcançar o topo (o Serafim, na cristiandade); Chaioth Ha Kadosh, na cabala, que é Kether. Esse é o segundo dia.

  Em anteriores palestras explicamos a conversa entre Jesus e Pedro (Pedro como um arquétipo senta-se na glândula pineal, o arquétipo que controla as glândulas sexuais, é por isso que a doutrina de Pedro é a doutrina da alquimia sexual). Eis porque está escrito:

 “Então Pedro, aproximando-se, lhe perguntou: Senhor, até quantas vezes meu irmão pecará contra mim, que eu lhe perdoe? Até sete vezes? Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete”. Mateus – 18:21,22

Senhor, até quantas vezes meu irmão pecará contra mim, que eu lhe perdoe? Até sete vezes? Quem sou eu?"  Sou Pedro na glândula pineal.

  Se não souberem do que estamos falando, ouçam: Pedro como um arquétipo vibra na glândula pineal. Então, Pedro pergunta: “Quantas vezes tenho eu de perdoar aqueles fornicadores que pecam sexualmente contra mim? 7 vezes?”. 7 vezes relacionadas com os 7 corpos. E Jesus responde: “Não. Não 7 vezes, mas 70 vezes 7 você tem de perdoar”. Isso é cabala. Se não conhecermos cabala diremos a nós próprios: “70 vezes 7? Minha santa paciência”. Seria talvez um número aleatório que Jesus forneceu? Não. Jesus era um Rabbi, o Divino Rabbi da Galiléia. 70 vezes, porque o mundo de Yetzirah é formado por 10 sefirotes. Mestre Samael explica em seu livro, “As Três Montanhas” que o Filho do Homem suba ao Céu da Lua, ele precisa descer ao inferno da Lua. A fim de que o Filho do Homem ascenda ao Céu de Mercúrio, ele precisa descer ao inferno de Mercúrio, etc., uma vez que “nenhum homem ascendeu ao Céu, exceto aquele que veio do Céu, mesmo o Filho do Homem que está no Céu”. Mestre Samael explica isso muito bem no As Três Montanhas, mas em síntese.
ChristinHell
Figura 12

  O homem terreno tem 49 níveis no inferno. Onde encontramos os 49 níveis da mente? Veem? 7 x 7 = 49. Os 49 níveis da mente não estão no Céu, eles estão no inferno. Eles estão em relação com o corpo mental protoplasmático que possuímos, é animalístico Dividimos isso em 7 vezes, uma vez que o Filho do Homem tem 7 corpos. O oposto do Filho do Homem é Satan, o ego que temos, relacionado com os 7 pecados capitais; luxúria, ódio, orgulho, inveja, vaidade, preguiça, gula. Isso é basicamente o que somos, o oposto do Homem Verdadeiro, o Filho do Homem. Somos os 7 pecados capitais, a besta de sete cabeças, o ego. Então, cada ego está relacionado com cada corpo nos 7 níveis, uma vez que cada corpo tem 7 níveis. 7 x 7 = 49. Multipliquemos esses 49 níveis do inferno; 49 níveis da Lua; 49 níveis de Mercúrio; 49 níveis de Vênus; 49 níveis do Sol; de Marte; de Júpiter; de Saturno... e assim para ascendermos os 49 mundos de Yetzirah teremos 490 níveis. Desse modo, o segundo dia é 7 x 7.

  Conforme está escrito no Zohar:


  “Meditação ou Oração do Desamparado”

  Se a oração não está completa, muitos (מלאכי חבלה Malaki Chabalah) anjos (elementares) da destruição a perseguem, conforme está escrito: ‘todos seus perseguidores (egos) ultrapassaram (a alma) no interior do “’Hei”’ do Egito’ – Lamentações 1:3.

  Eis Porque o Povo Ora:

   “Ele, porém, que é misericordioso, perdoa a iniquidade, e não destrói; antes, muitas vezes desvia a sua ira, e não dá largas a toda a sua indignação”.  – Salmo 78:38

  “Então, isso (דא Do ao inverso é אד Od, uma névoa) e refere-se aos desejos sexuais experienciados pela fêmea (Malkuth) em relação com o macho (Tiphereth). Esse (דא Do desce de Geburah e se torna uma אד Od névoa) tomada de אדני Adonai o (יהו IAO) Senhor de Malkuth”.

  Esse (דא Do desce de Geburah) Samael, esse (דא Do) IAO (יהו) é (אד Od) a (esquerda) Serpente (do caduceus de Mercúrio ou o נחש נחשת Nahash Nahashoth) – Números 21:9
 
  "ולא ישחית e não destrói”, alude à remoção (מש חית mashchaioth) de nossa animalidade.

  “e muitas vezes desvia a sua (אפו)  ira” refere-se às (אפו)narinas (ira);

  “ e (suas narinas) (ira) não dá largas a toda a sua indignação. Refere-se a (incitada paixão).

  “Esperando que esses (males) não persigam o orador, uma vez que muitos anjos (elementares) da destruição estão colados a ele. (מיני יהו שבעה) sete tipos de fantasistas sexuais, que têm mais 70 (מיני יהו שבעין) fantasistas sexuais colados a ele. Aqueles 70 trazem Babel (confusão) em cada um e a cada esfera através das quais o orador passa; e muitos detratores-executores sexuais são multiplicados neles aos milhares”.

  “Qual é a oração do desamparado? É a (alquimia sexual) a oração noturna. Uma vez que ela (Malkuth, nossa fisicalidade) encontra-se sem marido (Tiphereth, a alma humana) ela está desamparada e fraca, podendo ser arrebatada livremente (durante a alquimia sexual) por qualquer um (ego lascivo). O Justo (fração da alma) está desamparado e pobre. Isso se refere ao semem de Jacó (Genesis 32: 24-28), que está sob a lei de (Esaú interior) todas as nações do mundo. Isso é similar a (alquimia sexual) a oração noturna, porque é o aspecto da noite (Lilith) no exílio”. - Zohar

  Desse modo, se durante o ato sexual, nos voltamos contra esses males sexuais, então nossa respiração sublima a névoa da terra que vem à nossa face. “Mas ('אד Od’) uma neblina subia da terra e regava toda a superfície do (פני Phani)  solo. Então formou o Senhor Deus (Jehovah Elohim) ao homem (Adão) do pó da terra, e lhe soprou nas narinas o fôlego da vida, e o homem passou a ser alma vivente”. – Gênesis 2:6-7.
  
  Não é fácil. Precisamos conhecer os 49 níveis. Não somente em Malkuth, ao seu corpo físico, mas em todos os sefirotes da Árvore da Vida no mundo de Yetzirah, o mundo da formação; isso é realizar o segundo dia no coração da Terra. Um trabalho muito duro. Para tanto, precisamos meditar. Daí, que não é somente acreditar; não é porque acreditamos em Jesus que iremos ficar despertos nos 490 níveis do Céu do mundo de Yetzirah, na segunda montanha. Não. Essa é a Paixão de Cristo; um trabalho muito longo que temos de realizar.

TERCEIRO DIA

  E após terminado, eles dizem: “congratulações, você terminou o segundo dia. Porém, agora precisa passar para o terceiro dia”. Veem? Isso porque são três dias. E o Senhor tem de fazer isso dentro de nós. Sem o Cristo, sem o Senhor Chokmah (sabedoria) não podemos fazer isso; é impossível. Cristo é a única força que é pura. Mas aqui estamos falando sobre Chokmah, Cristo que desce dentro do Filho do Homem, uma vez que em Tiphereth decidimos ir para o deserto, pelo caminho direto.

  Pistis Sophia (em grego, Πίστις Σοφία “Razão Objetiva na Sabedoria) está absolvida no nono arrependimento. É necessário receber e posteriormente alcançar a qualificação da oitava iniciação. A Nona Hora (Chokmah) vem após termos passado pela oitava grandes qualificações que correspondem às oito iniciações. O número secreto é conhecido na Nona Hora. O iniciado então adentra o Grupo Arcangélico ao qual ele pertence. Agora, explicaremos porque Pistis Sophia (Razão Objetiva na Sabedoria) é perdoada na Nona Hora. “Excerto da Bíblia Gnóstica: A Pistis Sophia Desvelada, por Samael Aun Weor”.

  Então, o terceiro dia é qualificações de tudo aquilo que tenhamos realizado, alquímica e psicologicamente. Por exemplo, quando vamos para a universidade, a faculdade, a escola, estamos lá estudando: e quando chega o tempo eles dizem: “Vamos qualifica-lo. Vamos testa-lo para vermos se você compreendeu tudo e passa em tudo”. A qualificação está adstrita a cada trabalho alquímico, relacionada com os 8 anos ou a síntese de יהוה, que é 26 = 8, que é o divino nome de Chokmah, 8 anos físicos. No primeiro ano estamos qualificados na primeira iniciação. E em cada ano para iniciações. Ao alcançarmos a 7ª., eles dizem: “Ok, vejamos se você pode ressuscitar dentro de Jehovah-Elohim e ele dentro de você”. Bem, no final de tudo, do terceiro dia, temos de pagar o que devemos ao Espírito Santo. E o que devemos ao Espírito Santo?” Fomos fornicadores em muitas vidas, adúlteros; “bruxos e adúlteros”. Precisamos pagar aquilo com nossas vidas. Receberemos uma doença impura e se passarmos no oitavo ano, se ressuscitarmos, significando que, se retornarmos à matéria primordial da qual fomos feitos, pura, então seremos triunfantes. Eis porque dos 3 dias, isto é, as 72 horas reduzidas a 9, a nona hora, a hora em que os 72 nomes arquetípicos de Deus ressuscitam dentro do iniciado.

  Jonas foi um dos profetas que passaram pelos 3 dias, e ele explica isso no seu livro em 4 capítulos. Porém, Jesus sintetizou isso muito melhor, quando diz: “Bem, vocês querem um milagre, um sinal, a fim de que possam crer em mim para seguirem-me? Darei a vocês somente um sinal, o sinal de Jonas”. Visto que, do mesmo modo, Jonas esteve 3 dias e 3 noites na barriga da baleia, assim o Filho do Homem estará 3 dias e 3 noites no centro da Terra. E o que é o centro da Terra? É Yesod, em que o Filho do Homem, Tiphereth, é nascido. É nosso coração (Tiphereth) trabalhando em Yesod, dentro de nós. Jesus, com sua própria vida, deu o exemplo. Esse foi o sinal que ele deu. Entretanto, as pessoas se ligam aos milagres que estão escritos nos evangelhos, como o coxo que não pode de novo caminhar; bem, todos nós somos coxos.

  Não caminhamos muito bem espiritualmente. Entretanto, ao compreendermos e começarmos praticar alquimia passamos a andar muito bem. Possamos nem sempre ver coisas, experienciar coisas, porque vivemos na noite, no umbral (em latim, sombra)... Como dizemos homem em Espanhol? Hombre, pois isso é a sombra de Deus. Hombre/Umbra/Man/Adam, é tudo a mesma coisa. É através do sofrimento daquela Paixão; é naquilo em que o iniciado ressuscita no terceiro dia. Não é como as pessoas pensam quando leem literalmente: “Ok, Jesus morreu no sábado... então significa que ele irá ressuscitar na quarta-feira”. Isso é ler-se o fato literalmente. Mas está ali descrevendo cabalisticamente. Aqueles 3 dias são dias simbólicos.

 Mestre Samael Aun Weor diz: “Precisamos realizar aqueles 3 dias em 40 anos”. Bem, isso é também cabalístico, visto que os israelitas estiveram no deserto por 40 anos. Porém, as pessoas tomam isso literalmente e pensam literalmente que são 40 anos... Ok, o Mestre fez todo aquele trabalho em menos de 40 anos porque ele já estava trilhando o caminho pela terceira vez. E aqueles 3 dias são o final da segunda montanha, exatamente o final. Daí, o iniciado adentra a terceira montanha; entretanto, isso é unicamente para Mestres ressurretos. Se alguém chega aqui e me diz: “Eu já realizei a terceira montanha”. Então eu perguntarei:  “Você é fisicamente mestre ressurreto?”, porque como o Mestre diz que a fim de que sejamos um mestre ressurreto, o nosso corpo físico, o nosso corpo astral e todos os nossos demais corpos têm de ser flexíveis, dúcteis. “Ou estará você a confundir esses três dias com as três montanhas das quais Mestre Jesus falou?”. Não os confunda. Aqueles 3 dias estão relacionados somente com a 1ª. e 2ª. montanhas.
Resurrection Rubens
Figura 13

A PEDRA CINZELADA DE YESOD

  Com referência à Ressureição e Ascensão, Mestre Samael Aun Weor respondeu numa de suas palestras, desse modo:

   Estudante: isso significa que a pedra filosofal, sexo, é um ponto, e a (ascensão para) o Absoluto é outra, certo?

  Samael Aun Weor: Verdadeiramente, esses são dois diferentes pontos. De todos os modos deixe-me dizer-lhe: se você trabalha no Laboratorium Oratorium do Terceiro Logos, é óbvio que você está cristalizando o Hidrogênio SI-12 em sua vida, se na forma dos corpos existenciais superiores do Ser, etc. E, ainda, a cristalização máxima do Terceiro Logos dentro de você é quando Binah, em sua inteireza, definitivamente, permanece dentro de você. Essa é a Pedra Filosofal feita impecável, adequadamente preparada, com a qual você pode realizar todos os portentos da alta magia.

  Estudante: Para isso temos de completar as três montanhas, ou não?

  Samael Aun Weor: Não! Para a pedra filosofal devemos realizar somente duas montanhas [iniciação e ressurreição]. A Montanha da Ascensão [Terceira Montanha] é algo diferente.

  De todos os modos necessitamos cristalizar toda a energia do esperma dentro de nós, unicamente daí poderemos elaborar a pedra dentro de nós. Em outras palavras, aquela pedra é elaborada com o Hidrogênio Sexual SI-12 e energia de alta voltagem”.

Perguntas Sobre o Grande Trabalho por Samael Aun Weor

  Naturalmente, há muitos tipos de ressurreição: ressurreição espiritual; ressurreição no fogo, na luz, iniciática e muitos outros tipos de ressurreição. Entretanto, aqui estamos falando sobre 3 dias e 3 noites,  de que Mestre Jesus esteve explicando no evangelho. É isso que temos de entender e compreender do que seja a Paixão de Cristo, do que estamos lendo nos quatro evangelhos. O evangelho de Lucas (o bezerro); o evangelho de Mateus (Adão); o evangelho de Marcos (o Leão), o evangelho de João (a águia). Os quatro evangelhos, as quatro criaturas; tudo isso é alquimia. Tudo isso está escrito daquele modo para nós a fim de que estudemos e compreendamos. Porém, não leiamos a Bíblia, ou qualquer livro sagrado, qualquer livro alquímico, qualquer livro cabalístico do mesmo modo como se estivéssemos lendo um jornal, pois ficaremos confusos. Tudo são números, matemática.

  Certa vez perguntaram ao Mestre: “Mas Mestre, esta cabala e alquimia é muito difícil!”. E o Mestre respondeu: “Difícil para você, mas não para o seu mais profundo íntimo”. Chesed, o profundo íntimo, Atma as vidas inefáveis no mundo dos Espíritos, e naquele mundo, tudo é matemática. Se não conhecermos matemática nem tenhamos qualquer base em aritimética, não compreenderemos o mundo de nosso próprio profundo íntimo. Se de fato entrarmos em Chesed no Samadhi, ao vermos uma mesa, veremos a realidade daquela mesa; significando, a quantidade de átomos com que ela é feita. Se acaso vermos lá qualquer pessoa, exatamente como estamos aqui reunidos, saberemos que tipo de pessoa estará sentada diante de nós, nos ouvindo, seja ela autorealizada ou não seja.

  No mundo de Chesed, o mundo de Abraão (Abraham), o mundo de Brahma, tudo é matemático. Então, se o que queiramos seja a união com o Espírito, devemos saber pelo menos as bases da matemática. Eis porque ensinamos aqui cabala, uma vez que as pessoas precisam saber sobre isso... está relacionada com o Espírito, o mundo da intuição diz Mestre Samael, relacionado com a matemática. Não é a matemática aprendida na escola, mas algo que aprendemos através da meditação, pela leitura, estudo, pelo que está escrito na Bíblia. Mas não leiamos essas coisas literalmente; a Bíblia é escrita com 22 letras, as 22 letras do alfabeto hebraico, os 22 arquétipos. Há somente 22... fácil. Se aprendermos e estudarmos, saberemos o que lemos. Eis porque está escrito:

  “ Achei-me (Tiphereth) em espírito, no dia do Senhor (Chokmah), e ouvi por detrás de mim grande voz, como de trombeta, dizendo: [ Eu sou Alfa e Ômega, o primeiro e último] e o que vês, escreve em livro e manda às sete igrejas: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia”. – Revelação (Apocalipse) 1: 10,11

PERGUNTAS E RESPOSTAS
Perguntas?

1. P. – Quando você fala sobre os 3 dias e as 3 noites de Jonas, você diz que as 72 horas dão em 9. É possível também dizermos que os 3 dias são o aspecto masculino e as 3 noites são o aspecto feminino, o 3 sendo os 3 cérebros do homem e da mulher em união, dando 6, os amantes? Então poderíamos dizer que é o 6 no 9?

  R. – É fato. É verdade, os 3 cérebros do homem e da mulher em união em Yesod são 6 dentro do 9; o mistério do 3 dentro do 6 e do 6 dentro do 9. O 6 está também relacionado com as 6 asas das 4 criaturas do livro da Revelação. A 6ª. sefira é Tiphereth, significando a consciência centrada em Tiphereth, com muitos olhos, significando muitos chakras, muitos centros com os quais podemos compreender. Quando despertamos aqueles olhos, aqueles sentidos, os chakras e então vamos e estudamos, começamos a entender o que estamos lendo, pois a Bíblia é um livro escrito por iniciados. E 6 + 9 = 15 e 15 + 3 = 18 = 9. Agora, 18 são inimigos ocultos e 15 é o número do demônio, assustador, correto? Mas isso é verdade. Em outras palavras, 15 e 18 são nossos números... meus também.

  2. P. – O que você pode nos dizer sobre a personalidade egoística de Samael Aun Weor?

  R. – Bem, quando Mestre Samael Aun Weor morreu, a personalidade egoística que tinha não existia mais. Tinha sido completamente erradicada por Chokmah, não existia. Eis porque não gostamos de usar os nomes egoísticos que os Mestres tinham, porquanto esses nomes não mais existem. Quando encontrei Samael Aun Weor, ele passava pelo processo do terceiro dia, daí não existir mais dentro dele sua completa personalidade egoística. Era Samael Aun Weor que passava nele mesmo pela Paixão do Senhor, a fim de ressuscitar como Samael Aun Weor para Samael Aun Weor ser um Mestre ressuscitado. Foi isso que aconteceu. E, naturalmente, essa é a Paixão do Senhor que Mestre Samael Aun Weor ensinou em seus livros. Mas, infelizmente, muitos gnósticos não leem e não meditam daquilo que leem... Eles não compreendem. Pensam que Samael tem de voltar novamente. Estão esperando pela segunda volta de Samael Aun Weor, exatamente como os cristãos estão esperando pela segunda volta de Jesus. Samael é um arquétipo. Como Logos, Samael está encarregado dessa raça raiz. Se quisermos experienciar a segunda vinda de Samael em nosso íntimo, precisamos alcançar o nível de Tiphereth. Então, o Mestre virá até nosso próprio nível. Ele é um arquétipo que existe em cada ser humano. É isso que precisamos compreender, com referência ao Mestre Samael – ele é um Logos. Eis porque explicamos que Elohim-Gibor é o Raio Positivo de Marte; a Bíblia diz que Jacó estava lutando contra Om-Elohim e Om-Enoshim. Om-Elohim é a força de Om-Gibor (Geburah) no corpo físico. Essa é, precisamente, a luta que qualquer gnóstico, mulher ou homem, realiza quando em alquimia sexual. A força toca o braço esquerdo do alquimista e quando isso acontece o alquimista sente a força de sua animalidade (Esau); então, tem de lutar. Quando derrotamos o עם Om de Esau, também derrotamos o Om de Elohim-Gibor.

  3. P. – As pessoas parecem ter dificuldade em saber a diferença entre aquela força, a força sexual, e a luxúria. Poderia fazer-nos um comentário sobre isso?

  R. – A diferença entre força sexual e a luxúria? Bem, força sexual é alguma coisa que sentimos em nossos órgãos sexuais. Qualquer ser humano sente quando está carregado com a energia sexual. A força sexual vem de Geburah, ou daquilo que a Bíblia chama de rio Pisom, no homem. O rio Pisom desce nos órgãos sexuais e nos provoca uma ereção. Sentimos isso. Entretanto, outra coisa é sua luxúria. A luxúria se cria quando a pessoa fornica; quando ela faz aquilo, alimentando a luxúria animal através de muitas vidas. Eis porque, quando nascemos, somos nascidos com a luxúria. Porém, a qualquer outro dia, ou a cada dia, dependendo do nosso temperamento, sentimos a energia sexual ali. Mas se não soubermos como transmuta-la, então nossa luxúria tomará conta dela. Esse é Esau.

  4. P. – Que fará nossa luxúria?

  R. – Nossa luxúria tomará conta disso e controlará. Isso é normal em qualquer animal intelectual, ou ser humano... dizemos ser humano, porém isso está fora da realidade; na verdade, não somos seres humanos, mas animais intelectuais com a possibilidade de nos tornarmos Seres Humanos se derrotarmos as forças de Elohim-Gibor (que descem de Geburah para nossos órgãos sexuais). É esse, precisamente, o problema; quando homem ou mulher está lutando contra aquela força (que vem normalmente em animais e plantas) e queremos criar, nascermos de novo, transmutar aquela força é fácil... se não temos luxúria. A luta é em dobro aqui, uma vez que não temos de lutar somente contra aquela força – que normalmente, como animais, a descartamos – se queremos elevá-la e transmuta-la, a fim de criarmos o Homem dentro de nós, mas também temos de lutar contra a luxúria que havemos criado nesta vida e em vidas passadas, que nos dizem: “que diabo você está fazendo? Aproveite e fornique”.

  Nossa luxúria é um animal dentro de nós. Todos nós temos isso. Nossa luxúria justifica-se em nossa mente, em nosso coração e sexo. Vemos como isso degenerou, perverteu e adultera gerações, como Mestre Jesus diz, quer um sinal? Mas eles não se importam. Veneram a degeneração. Eles racionalizam a degeneração muito bem, intelectualmente... Chamam a isso evolução. Coloquemos exatamente um “d” no início de evolution = devolution = involução (em Português um “In” no lugar do “e” na palavra evolução). Essa é a palavra certa; retornando ao passado, tornando-se mais animais, bestiais, simplesmente animais. A inclinação do animal, ao sentir a força instintual, é de unir-se sexualmente. Isso é comum entre animais. Às vezes, entre os do mesmo gênero, como cães machos, pois eles não sabem... mas nunca copulam porque não há como. Isso se dá somente entre macho e fêmea. Porém, no reino do animal intelectual é diferente. O intelecto diz: “você sabe como faze-lo no caminho bem errado”. E justificamos a nossa degeneração de muitos modos.

  Lembro-me certa vez quando dava uma palestra na California, uma pessoa perguntou-me:
  - Pode explanar-nos com respeito a homossexualidade, por favor... mas seja cuidadoso antes de responder!.
   Respondi: - Por quê? Por quê tenho de fazer isso? Eu não disse nada ainda.
  - Seja cuidadoso porque eu tenho muitos amigos que são homossexuais.
  - Bem – disse-lhe – você não quer ser ofendido, desculpe-me, porém... tenho também amigos que estão no gnosticismo e são homossexuais. Mas, se você me pergunta o que é a homossexualidade, explicarei a você o que seja da maneira correta. E não me importo se ofendo os meus amigos e os seus”.

  O que é verdade é verdade. Compreendo que hoje em dia ninguém quer ofender ninguém, porém na palestra sobre alquimia e cabala tenho de dar explicações e não ficar com medo. Nenhum de nós é um Anjo, mas precisamos nos regenerar. Veem? Geração, regeneração, degeneração; há muitas palavras relacionadas com geração. O que queremos é nos regenerarmos uma vez que estamos degenerados.
 
  5. P. – Você recomendaria qualquer mantra a fim de manter edificada a energia correta para uma pessoa solteira?

  R. – Sim, naturalmente. Qualquer indivíduo pode aprender a transmutar a energia sexual como pessoa solteira. Esse tipo de prática é fácil; temos muitos livros em que explicamos a ciência do Pranayama, onde podemos transmutar nossa energia sexual sabendo como usar as narinas. Lembremos o que diz a Bíblia: “E Jehovah-Elohim soprou nas narinas de Adão a respiração da vida e Adão se tornou uma alma vivente”. Nossas duas narinas estão conectadas com os ovários e testículos. Então, se soubermos como respirar e concentrar em nosso órgão sexual, podemos transmutar a energia sexual de modo a podermos iniciar com a experiência da luz de nossa força sexual em nosso corpo, fisica e psicologicamente. Nesse caminho vocês podem se preparar de tal modo que, se eventualmente se casem, no seu caso um homem, que também conheça a ciência da alquimia, praticará o que Jacó esteve fazendo lá; transmutando a energia sexual no verdadeiro ato sexual, o que é muito difícil. Sendo pessoa solteira é muito fácil. É possível aprender sendo solteiro, porém no ato sexual terá que lutar contra sua pessoal animalidade. Se estiver fazendo o exercício como um solteiro, pode ter uma pensamento luxurioso e dizer a ele: “fora daqui pensamento, deixe-me concentrar no meu mais profundo Ser Interior, no meu Senhor a fim de que eu possa transmutar essa energia sexual”.

  Como pessoa solteira alguém pode passar pelas 9 iniciações dos Mistérios Menores, mas se a pessoa quiser entrar nos Mistérios Maiores ela terá de estar casada. O trabalho evoca trabalhar com Om-Elohim-Gibor e Om-Enoshim; suas próprias forças e as forças de Deus. Quando Jacó venceu, disse-lhe Elohim: “bem, você lutou contra Elohim e contra o homem e venceu. Agora, vou dizer-lhe o seu nome sagrado. Seu nome não será mais Jacó, mas Israel”. Assim é porque ele começou trabalhando com as forças de seus próprios arquétipos. Há muitos livros que podemos achar em nosso Website que explicam a transmutação para solteiros; por exemplo, “The Yellow Book”, em que encontramos a prática do Pranayama egípcio: a prática de transmutação para solteiros. Esse é o melhor livro para estudar a fim de aprender sobre essa prática. Há muitas outras práticas em muitos outros livros, porém esse é especialmente efetivo para solteiros. Se praticarem isso como pessoa solteira comprovarão despertar e ver coisas com o seu trabalho alquímico.

  6. P. – Com que idade você recomenda crianças começarem (praticando a transmutação)?

  R. – Bem, para crianças... Elas devem pelo menos formar suas personalidades e aprender o que seja positivo e negativo. Naturalmente, elas podem também aprender como transmutar a energia sexual através de exercícios respiratórios. Porém devemos saber como ensiná-las ao seus próprios níveis. Contudo, o ego, mesmo nessa idade, é muito velho; talvez sua fisicalidade seja muito jovem, porém o ego vem de muitas vidas. E quando começamos a ensinar-lhes pelo caminho certo, elas aprenderão. Praticamente, devemos começar ensinando Pranayama, porque a energia sexual está sempre sendo construída, em qualquer idade. No macho, por exemplo, a primeira capa testicular (ou nível) constrói-se na idade de 0-7. A segunda  das idades de 7-14. E o terceiro nível dos 14-21, que é quando os testículos começam a desenvolver os espermatozoides, que é quando eles sentem o impulso sexual, o desejo sexual, através do hormônio masculino testosterona. Se elas não aprenderem como controlar isso, facilmente acharão na escola, colégio ou universidade, um amigo que as ensinarão como se masturbar. Há muitos doutores dentre animais intelectuais que ensinam que isso é normal... sim, que é normal entre animais (intelectuais), mas não entre humanos. Com paciência é possível ensinar nossas crianças.

  7. P. – Falando sobre solteiros e transmutação, algumas vezes pessoas solteiras sentem que não chegaram a realizar nada porque não tiveram aquela parceira. Você poderia falar sobre como despertar 50% da consciência, como Yogananda e outros fizeram... e que há certa quantidade que podemos despertar como pessoas solteiras?

  R. – Sim, uma pessoa solteira pode despertar muito, porém até certo nível. Se a pessoa quer despertar mais e mais, ela necessita trabalhar com as duas polaridades – Jachim e Boaz – a fim de adentrar o templo. Isso, falando simbolicamente; entretanto falando alquimicamente, precisamos ter Jachim e Boaz dentro de nós, e fora, o homem e a mulher.

  8. P. – 50% é um número certo? Uma vez que temos somente metade....

  R. – Isso é cabala, naturalmente

  9. P. – Porque não temos a outra metade, é como 50%, certo?

  R. – Bem, se a pessoa é solteira pode alcançar 50% com desenvolvimento, pois ela é somente metade, nesse ponto de vista. Os outros 50% não é possível alcançar. Por quê? Porque somos cada um somente a metade de 100%. Os 100% são a mulher e o homem. 50% é um homem solteiro ou a mulher solteira. Nesse nível é 50% cabalisticamente falando. 100% em cabala é 1, Aleph, a respiração. Agora, cabalisticamente para entrar nos 50%, Mestre Samael diz numa de suas palestras: “todos os homens e mulheres de boa vontade...”. Bem, que é boa vontade? Tiphereth.

  10. P. – Podemos realizar esse trabalho com nossa esposa ou marido se eles não entendem nada disso?

  R. – Sim, porque aquilo de que necessitamos é o impulso sexual de seu marido a fim de fazer isso. Mas, naturalmente, é muito difícil a certo nível. Há muitos gnósticos que eu conheço, tendo começado esse trabalho – homens, ou que sejam, mulheres, eu não sei – que conseguiram altos níveis e transmutaram enquanto suas/seus parceiros/as diziam: “eu não gosto disso, e eles diziam, ok, está tudo certo, deixe-me fazer o trabalho”. E fazendo isso eles estavam avançando. Porém, é difícil, não é fácil. A melhor coisa para ambos é a mulher estar de acordo e praticarem juntos; porém, para tal realização, ambos têm de saber sobre isso antes; ter estudado a doutrina a fim de compreende-la. Pois, pedir a esposa para fazer isso, sem primeiro explanar ou então entender, dirão: “que é isso? Isso é esquisito”. Por isso, precisamos explanar antes e depois praticar”.

  11. P. – Como desenvolver as chaves para compreender essas passagens da escritura? Parece-nos como se a única maneira de compreende-las é se alguém interpreta algo disso para nós e então nos dá as chaves. Como é isso de supormos desenvolver em nós próprios?

  R. – Bem, a única chave que precisamos a fim de compreendermos e entendermos essa doutrina, é transmutação sexual. Essa é a única chave. Na medida em que trabalhamos, transmutando e avançando nesse caminho, nossa compreensão e entendimento vão se tornando cada vez maiores, porque essa mesma luz estará nos dando a compreensão. Por exemplo: esta palestra que estou dando é o resultado de muita meditação, compreensão e experiência que dou gratuitamente ao público, uma vez que de graça a isso recebi. Porém, também pontuo ao fato de que vocês devem ter conhecimento de cabala e alquimia ao seu pessoal nível. E o que quer compreendamos é o que necessitamos, e pouco a pouco nossa compreensão cresce. Lembremos que Elohim disse: “haja luz” e houve luz. E aquela luz brilha nas trevas em diferentes níveis. Ou, como o evangelho de João diz:

  No princípio era o Verbo (יהוה), e o Verbo (יהוה) estava com Elohim ( יהוה אלהים Jehovah Elohim), e  (יהוה) o Verbo era (אלהים) Elohim”. O mesmo Verbo estava (em Daath), no princípio com (o Logos) Deus (Chokmah). Todas as coisas foram feitas por intermédio dele (o Verbo יהוה);  e sem ele (o Verbo יהוה)  nada do que foi feito se fez. A vida estava nele (o Verbo יהוה)  e a vida (de Yesod) era a luz dos homens. A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevalecem contra ela”.

  “Houve um homem enviado por Deus (אל El) (Chesed) cujo nome era João (IEOUAMS). Este veio como testemunha para que testificasse a respeito da luz a fim de todos virem a crer por intermédio dele. Ele não era a luz (de Chokmah) mas veio para que testificasse da luz, a saber: a verdadeira luz que, vinda do mundo ilumina a todo homem. Estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber os que creem em seu nome, os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus ( אל El) (Chesed). E o Verbo (יהוה) (ou o divino nome de Chokmah)  se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai. João testemunha a respeito dele e exclama: Este é o de quem eu disse: o que vem depois de mim tem, contudo, a primazia, porquanto já existia antes de mim. Porque todos nós temos recebido da sua plenitude, e graça sobre graça. Porque a lei foi dada por intermédio de Moisés (Tiphereth); a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo (Chokmah, a letra ש Shin, o fogo, INRI, Ignis Natura Renovatur Integra). Ninguém jamais viu a Deus: o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou. – João 1:1-18

  Assim, se permitirmos a luz brilhar mais e mais em nossa escuridão, compreenderemos não somente a Bíblia hebraica, mas outros livros sagrados, que estão escritos do mesmo modo.

POR UM INSTRUTOR GNÓSTICO

Fonte:https://gnosticteachings.org/courses/christ-the-mystery-of-light/3837-the-passion-of-christ.html

Tradução Inglês / Português: Rayom Ra

                                                     Rayom Ra                                                                                                  http://arcadeouro.blogspot.com.br