terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Autossabotagem

   Vejamos se fica claro o que é autossabotagem.

  Toda vez que a pessoa faz algo que atrapalha, atrasa ou impede seu crescimento pessoal em todas as áreas da sua vida é autossabotagem.

  Toda vez que a pessoa omite de fazer algo que contribuirá para sua evolução é autossabotagem.

  Toda vez que a pessoa não faz o que aumentaria seu crescimento pessoal é autossabotagem.

  O crescimento pessoal ou evolução é um imperativo do Universo. É impossível fugir dele.

  Quer gostemos ou não, é uma necessidade. Portanto, é inteligente fazer da necessidade uma virtude. Isto é, trabalhar diuturnamente para crescer em todos os aspectos. Isto significa melhorar e crescer em todas as áreas.

  É fácil perceber se você se sabota ou não. Toda vez que há um crescimento algo acontece e ele é paralisado. Pode ser ficar doente, bater o carro, ser assaltado, perder o emprego, etc. Alguma coisa acontece e não passa de um determinado ponto. Sempre é aquele ponto. Pode ser um salário, um cargo, um nível de clientes, um faturamento, etc. Existe uma fronteira que é o limite até onde a pessoa chega. Isso se repete N vezes pela vida afora. Se essa programação não for apagada isso permanecerá por toda a vida.

    Quando só se lê livros fáceis é autossabotagem.

    Quando não se atende bem aos clientes é autossabotagem.

    Quando não se visita mais um cliente é autossabotagem.

    Quando se tem preguiça é autossabotagem.

    Quando não se quer ganhar dinheiro é autossabotagem.

    Quando não se luta para melhorar de vida é autossabotagem.

    Quando não se contribui para a sociedade melhorar é autossabotagem.

    Quando não se luta contra as injustiças é autossabotagem.

    Quando não se luta contra a ignorância é autossabotagem.

    Quando não se protege os fracos e indefesos é autossabotagem.

    Quando se opta por divertimentos fúteis é autossabotagem.

    Quando não dá tudo que se tem no trabalho é autossabotagem.

    Quando se mede o bem que se faz é autossabotagem.

    Quando se tem medo do que a torcida irá pensar é autossabotagem.

    Quando se tem apego é autossabotagem.

    Quando se é materialista é autossabotagem.

    Quando não se tem interesse em conhecer a realidade última do universo é autossabotagem.

    Quando não se quer estudar é autossabotagem.

    Quando não se quer trabalhar é autossabotagem.

    Quando não se está em fluxo com o Criador é autossabotagem.

    Quando se faz distinção de cor, raça, sexo, etc. é autossabotagem.
    Etc.

  Entenderam o conceito?

  Por exemplo: estou numa cafeteria e coloco o dinheiro em cima do balcão para pagar um café’. A atendente está a três metros de distância andando de um lado para outro. Não na minha direção. Espero minutos e ela não vem atender. Pego o dinheiro e vou embora. O que vocês acham que foi a atitude dela? 

  Num outro dia no mesmo café estou com um cliente e pretendemos tomar café. Foi outra experiência interessante. O cliente não sabia do caso acima. Neste dia tinha três funcionários no café andando de um lado para outro e neste caso a um metro de nós. Ninguém veio atender. O cliente teve de chamar um deles. Com certeza essas pessoas devem reclamar da vida e do salário. Será que elas percebem que estão sabotando a possibilidade de melhorarem de vida?

  Num outro café ouço: “trabalhar no domingo, ninguém merece.”. Parece o muro de lamentações. Todos revoltados porque irão trabalhar. E moram na periferia de São Paulo. Como será que essas pessoas enxergam o trabalho? Adivinhem: uma maldição. (Vide o Genesis).

  No caso da Ressonância Harmônica isso é muito claro. Desde o primeiro segundo, a onda penetra no cérebro limpando tudo que é negativo: crenças, paradigma, traumas, bloqueios, tabus, preconceitos, zona de conforto, etc.. Entra uma onda dourada pelas sinapses e micro túbulos (15 nanômetros). Se o ego da pessoa deixar (isto é, ela mesma) isso poderá ser mudado em segundos. Normalmente leva meses porque a pessoa atrasa o processo. Pode ser extremamente rápido. E quanto antes houver essa limpeza interna, mais depressa os resultados externos aparecerão: dinheiro, casa, apartamento, emprego, concurso público, o gerente liberar o cheque especial, pagarem o precatório, etc.

  Muitas vezes a pessoa emite uma onda contrária (onda escura) que paralisa o processo. Isto é o ego da pessoa dizendo que não quer mudança alguma na vida dela. Quer apenas os resultados sem mudar coisa alguma. Isto é, a pessoa quer magia. Uma força externa que faça o que ela quer sem necessidade de nenhuma mudança de paradigma. Como no caso da Ressonância Harmônica estamos falando de Física, existe um conflito de entendimento enorme neste caso. A Ressonância Harmônica é baseada na Mecânica Quântica.

  O primeiro mês com a RH é muito fácil, porque os níveis profundos do subconsciente ainda não foram atingidos Então há um crescimento grande. Embora em algumas pessoas a limpeza no primeiro mês seja forte o suficiente para que o subconsciente ative a programação da sabotagem com toda a sua força. Esse programa são as crenças limitadoras recebidas na infância. As crenças do tipo: dinheiro é sujo, dinheiro é pecado, dinheiro não é tudo não, o rico não vai pro reino dos céus, a vida é difícil, etc.

  No segundo mês normalmente é onde começa a aparecer com toda a força o programa da autossabotagem. Podem aparecer as somatizações, os problemas aumentam, perda de vontade de trabalhar, perda de vontade de exercitar-se, perda de vontade de estudar, só quer dormir, etc. Todo tipo de situação é criada para que a pessoa não enfrente as crenças. Não mude as crenças e comece a evoluir. Isso é muito interessante para a pessoa perceber que ela cria a sua própria realidade. Neste  ponto é preciso enfrentar isso com todas as forças da nossa determinação e continuar firme no processo.

  As pessoas dizem neste ponto que não está funcionando, que está fazendo mal, etc. Não entendem que é uma limpeza. Que o alicerce para um gigantesco crescimento está sendo erguido. Que sem limpar não há possibilidade de evoluir. É preciso mudar a frequência para que possa passar para o próximo nível. E com energias negativas não dá para mudar a freqüência. É preciso limpar profundamente todos os corpos da pessoa. Se ela deixar o processo fluir naturalmente uma grande onda de felicidade virá em seguida. Um sentimento de consciência cósmica explodirá dentro de si. Um sentimento nirvânico. Sem fazer a limpeza não se chegará ao nível de manifestar a realidade com um único pensamento/sentimento. Não há como contornar isso. Não há jeitinho. Pode ser desconfortável, mas é imprescindível.

Autossabotagem IV

Dicas de Rayom Ra:

A fim de fazer uma limpeza psíquica de todos os corpos, sugerimos buscar nos links abaixo, na mesma ordem fornecida, os exercícios passados pelo Arcanjo Miguel. O terceiro item ensina como atingir o Estado Alfa.
Todas as comunicações do Arcanjo Miguel [canalizadas por Ronna] devem ser lidas para um conhecimento mais profundo sobre automestria.




                                                           ++++++++++++++++++

Direitos Autorais:
Copyright © Hélio Couto. Todos os direitos reservados.
Você pode copiar e redistribuir este material contanto que não o altere de nenhuma forma, que o conteúdo permaneça completo e inclua esta nota de direito e o link: www.heliocouto.com

                                                                                      Rayom Ra                                                                                                  http://arcadeouro.blogspot.com.br    

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Sociedade Vril - Nazistas em Busca de uma Substância Mística


  Uma das razões de estarmos colocando no blog um tema como este, já bastante batido na internet, TVs e livros, prende-se a outros elementos da história da segunda guerra mundial, onde o misticismo, o ocultismo e profecias estão presentes, o que a história oficial dissimula e não deseja reconhecer na sua essência. Dentro da dualidade de forças a certeza é uma só: o universo ocultista em nosso mundo terreno trabalha em dimensões idênticas com poderes inerentes à natureza nas suas formas negativas e positivas. Os poderes podem até ser idênticos em certas circunstâncias fenomênicas e psicológicas, os objetivos, porém, é que diferem num lado e noutro.

  Nos dias de hoje, para o neófito interessado no ocultismo, está cada vez mais complicado definir a priori qual seja um caminho da direita ou da esquerda, tal a facilidade com que ambos os lados abordam e trabalham com a dualidade com mesmos elementos ritualísticos, num prisma aparentemente igual. A maior parte da mídia mundial é exímia em conduzir a mente e os desejos para um caminho de fortalecimento negativo do ego, e isso se comprova pela tempestuosa e brutal etapa da vida humana que atravessamos. A persuasão ao poder, às conquistas materiais e sexuais, à decantada capacidade mística de transmutar energias unicamente pela prática da magia sexual, e a ideia de se tornar rapidamente magos com poderes notáveis, são algumas das promessas dessa polaridade. Essas sugestões para feitos extraordinários levam os desavisados, ou teimosos, a um transe que convém exatamente ao que desejam os operários da luz negra.

  A filosofia da história entendida pelos seus estudiosos, organizadores e compendiadores espelha em seus argumentos, que os fatos acontecidos em determinados eventos se tornam mais ricos e aproveitáveis quanto mais distantes estejam do momento em que provavelmente se deram. Creem os seguidores acadêmicos nesse axioma. Nós, entretanto, sem sermos historiadores oficiais, não cremos absolutamente que essa premissa sempre se comprove e assim consolidaria, cada vez mais, os fatos anunciados historicamente, pois a história universal está cheia de falcatruas, mentiras e distorções propositais que justamente, serviram para cortinar verdades em favor de grandes interesses internacionais. Arqueólogos que o digam, pois quantidades enormes de achados documentais que levariam a história mundial a outras importantes vertentes, de há muito estão vedadas, censuradas e proibidas pela oficialidade mundialmente controladora. Entretanto, essa situação de controle tende a mudar rapidamente nesse século e mais ainda no século vindouro, por ações de uma lei cósmica que já atua sobre nosso sistema solar. (Arca de Ouro: A Revolução do 8 (revisto))

 E esse texto vem novamente reforçar o que esotéricos e ocultistas sempre souberam, confrontando uma vez mais omissões de causas exponenciais da guerra nas narrativas lineares da história. [Rayom Ra]

   Figura 1

  A segunda metade do século XIX e o início do século XX foram marcados por um crescimento explosivo de Filosofias Espiritualistas e de Grupos Radicais.

  No primeiro grupo, destacou-se Helena Petrovna Blavatsky, mais conhecida como Madame Blavatsky, fundadora da Sociedade Teosófica e autora de um compêndio filosófico-religioso, que se tornaria um guia, de avançada profundidade para a época, denominado "A Doutrina Secreta", editado em 1885. Blavatsky era uma ocultista célebre, que percorreu os quatro cantos do mundo, incluindo grandes períodos de permanência no Tibet, onde teve profundas experiências místicas, dando origem à doutrina teosófica que, a seu turno, foi capaz de "ocidentalizar" ensinamentos esotéricos orientais. A despeito de seus ensinamentos a doutrina criada por Blavatsky não teve o cuidado de medir as palavras, em seus textos filosófico-religiosos, a fim de que não fossem mal interpretados no futuro.

  Era comum seus textos teosóficos exaltarem uma raça raiz de origem hindo-ariana, classificada como superior a uma outra raça de pele escura. O livro também se referia aos Mestres de grande sabedoria e poder, tutores da Sociedade Teosófica, como pertencentes à "Grande Fraternidade Branca", elemento que também foi interpretado por um viés racista. Finalmente, o livro fazia uso de termos como 'raças menos desenvolvidas' ou 'raças primitivas', o que, do mesmo modo, foi entendido como elemento de discriminação. 

  As teorias de Madame Blavatsky contemplavam o surgimento de uma sexta sub-raça raiz, uma raça avançada que, profeticamente, substituiria a nossa atual, quinta e seria formada por seres alvos, de olhos claros e de estatura elevada, os arianos, a raça superior.

  A doutrina teosófica, mal interpretada segundo os atuais teosofistas, foi o motivo perfeito para que grupos racistas defendessem a separação das outras raças, atribuindo-lhes a culpa por todo o mal da sociedade moderna. Tendo como base a Teosofia, parecia inegável para esses grupos que a miscigenação era a causa do enfraquecimento da humanidade.

O Führer em marcha
  Figura 2

  Além dos teosofistas, haviam grupos de radicais de toda a sorte agindo na política da Europa. A união de grupos esotéricos com radicais, com fixação ocultista, deu origem a alguns dos mais malignos e aviltantes grupos da história da humanidade, entre eles a Sociedade Thule, a Sociedade Vril e finalmente ao Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, mais conhecido como Partido Nazista.

  Mas como surgiram esses grupos e de onde vieram os bizarros conceitos que ajudaram a formar essas Sociedades Malignas?
 
  O Vril, foi citado pela primeira vez em 1872, por meio do lançamento do livro "The Comming Race" (A Raça do Futuro), do ocultista Edward Bulwer-Lytton. Originalmente um membro da Ordem Hermética da Golden Dawn, uma dissidência da Rosa-Cruz inglesa, Lytton possuía vasto conhecimento esotérico. O que ele fez, no entanto, foi escrever um simples livro de fantasia e ficção.(*)

(*) Aqui discordamos do autor desse texto que, provavelmente, se refere à obra de E. Bulwer-Lyton – Zanoni.  Não conhecemos a obra ‘The Coming Race’, exceto por comentários de leitores. Mas Zanoni, por oportuno, é uma obra fantástica, profunda e excelentemente bem escrita. Demonstra erudição do autor em assuntos ocultistas, místicos e da mitologia, além de possuir um ritmo indescritível com poesia e beleza. E embora tenha sido escrita com personagens ficcionistas, descreve Zanoni já dentro da iniciação, num auge dos poderes da eternização de seu corpo físico, juntamente com outro personagem e amigo, e a posterior queda de Zanoni pela perda dos poderes conquistados, por se entregar ao amor de Viola, a mulher a quem se apaixonou. É obra teoricamente reconhecida por descrever etapas similares vivenciadas por outros ocultistas que se propuseram adentrar esse mesmo caminho. Zanoni é muitíssimo elogiada em meios rosacrucianos e em certas ordens esotéricas. Provavelmente é a melhor obra do gênero”. (Nota de Rayom Ra)

  O livro de Lytton era a respeito de uma raça avançada, constituída de um povo nobre, de pele e olhos claros e estatura elevada, denominada Vril-ya, detentores de enormes poderes, pelo fato de fazerem uso do Vril, uma substância energética usada para todos os fins, para curar ou para matar, para construir ou para destruir. O Vril era um fluido maravilhoso que concentrava energia e que era a base de toda a civilização Vril-Ya. O protagonista do livro acidentalmente descobre a civilização vivendo num mundo subterrâneo paradisíaco e faz com eles contato. Fica sabendo então da importância do Vril e de como ele poderia ser usado para despertar uma nova Era de Ouro para a humanidade. No final do livro, os Vril-ya revelam ter poder suficiente para destruir o mundo, se assim o desejarem. Mas ao invés disso, eles esperam entrar em contato com uma raça humana superior a quem pretendem transmitir seu legado quando chegar o momento.

O sonho de descobrir Vril-Ya
  Figura 3

  Pode parecer absurdo que uma trama fictícia desse tipo tenha exercido tamanho impacto em círculos ocultistas, mas foi exatamente o que aconteceu. O simbolismo da história e a noção de que um povo receberia uma recompensa por manter seu sangue puro, calou fundo entre os ocultistas. Com base no livro, eles assumiram que a raça escolhida para suceder aos Vril-Ya era a dos germânicos, sendo também contaminados pela ambição de dominar o mundo. A ficção foi encarada como realidade, e o livro passou a ser uma espécie de guia do que estava por vir.

  Com base nisso, a Sociedade Vril foi fundada em 1918, em um hotel próximo da cidade alemã bávara de Berchtesgaden. No início ela foi chamada de Sociedade Germânica de Metafísica e contava com poucos membros. Entre seus fundadores principais estavam Rudolf von Sebottendorff e Dietrich Eckhart

  Rudolf von Sebottendorff era um ocultista, alquimista e maçom que havia participado da fundação da Sociedade Thule um ano antes. Ele adotou um novo nome e agregou um título, o de Barão, mesmo sem pertencer a nobreza. Para muitos ele era um aproveitador, envolvido com magia negra e satanismo que se tornaria agente nazista e espião em Constantinopla durante a Guerra. 

  Dietrich Eckhart, por sua vez era um estudante de medicina que não terminou o curso e posteriormente, se tornou jornalista. Era viciado em morfina e esteve várias vezes internado em sanatórios e manicômios. Foi amigo íntimo de Adolf Hitler de 1919 a 1923, quando faleceu. Era um anti-semita furioso e tinha uma personalidade dominadora. Eckhart conheceu Hitler por ocasião de seus discursos políticos e exerceu enorme influência sobre o futuro Führer, incutindo-lhe a ideologia nazista. Era um 'gênio louco', passava-se por profeta, e acreditava na vinda de um Salvador para a Alemanha.

Expedição Nazista ao Tibet
 
  Figura 4

  Outro membro da Sociedade, que se juntou posteriormente era Jörg Lanz von Liebenfels um jornalista e místico que também se viu fascinado pela ideia do Vril. Liebenfels já havia criado um culto chamado Ariosofista, em que exaltava a superioridade ariana; realizava rituais esotéricos na cidade de Carnuntum, na Áustria, local de uma batalha onde os alemães derrotaram os romanos, em tempos idos. A partir de 1905, editou o periódico anti-semita "Ostara", que tinha entre seus leitores assíduos Dietrich Eckhart e Adolf Hitler. Foi Liebenfels quem atribuiu a Hitler grande capacidade mediúnica.

   Em dezembro de 1919, um quarto membro se juntou ao grupo e ajudou a atrair ainda mais seguidores para a Sociedade recém constituída. Era a médium austríaca Maria Orsic que alegava ter recebido transmissões telepáticas sobre a criação da Sociedade Vril e de sua importância para a humanidade. Maria era uma medium famosa em toda Alemanha, que alegava ter visões a respeito do futuro glorioso da nação. Ela defendia que caberia ao povo alemão a primazia na transformação da humanidade.

   Essas quatro pessoas dariam origem a um grupo constituído com os mais sinistros objetivos, direcionado para a perpetuação materialista, cujos membros compartilhavam de ideias nefastas e que ajudariam a cimentar a base do pensamento do Partido Nazista.

   Alguns historiadores modernos taxam os membros da Sociedade Vril de loucos, ocupados na busca de uma substância de existência impossível. Realmente eram loucos maldosos, mas, na realidade, o Vril que procuravam parece se tratava de uma energia esotérica potencializada. Ocultistas esclarecidos especulam que as forças esotéricas, produzidas através de diversas práticas mágicas (cerimônias de magia negra, rituais tântricos entre outras modalidades) podem ser compreendidos como uma forma de energia.

   É inegável entretanto, que os membros da Sociedade procuravam avidamente por quaisquer indícios do Vril ao redor do mundo.  

   Seguindo as previsões de Maria Orsic, eles se envolveram em expedições arqueológicas e antropológicas em uma desvairada busca por todo o globo, principalmente pelo Tibet, onde acreditavam, residiam seus antepassados arianos. Também acreditavam que suas buscas revelariam artefatos da Atlântida, outra civilização lendária que teria se valido do Vril no seu auge.

A belíssima Maria Orsic
  Figura 5

  A essa altura, os delírios dos membros da Sociedade se tornaram ainda mais bizarros. Maria Orsic havia criado um Círculo interno de mulheres com habilidades mediúnicas cuja função era estabelecer transes e localizar qualquer possível fonte do Vril. Karl Hostofer (outro nazista com futuro dentro do Partido) foi incumbido de realizar as investigações na Ásia e, apesar de não ter encontrado o Vril, trouxe de lá a suástica, que era essência um simbolo positivo de prosperidade, mas que foi modificado pelos nazistas para ser o distintivo do movimento. O símbolo substituiu o "Sol Negro", um brasão cujas origens estão envoltas em denso simbolismo esotérico.

   As mulheres tinham grande influência na Sociedade, eram chamadas de Vrilerinnen Fraus. Duas delas se converteram em verdadeiras Profetizas dentro da Sociedade. Maria Orsic e uma outra medium conhecida apenas pelo nome de Traute em determinado momento se tornaram líderes da Sociedade. Elas mantinham os cabelos longos, realizavam adivinhações e previsões diversas após relações sexuais. Traute chegou a realizar uma predição na qual, após uma relação sexual, viu surgir de seus órgãos genitais a figura do Führer, o futuro salvador da Alemanha, e o identificou como Adolf Hitler. Em algumas dessas sessões mediúnicas, as sacerdotisas diziam manter contato com seres de outras realidades, dimensões, planos...

   Não se sabe ao certo quantos membros do Partido Nazista, políticos, empresários e apoiadores aderiram à Sociedade Vril, mas as conexões estabelecidas entre os membros e pessoas importantes na Sociedade Alemã é inquestionável. Em 1933, ano em que os Nazistas chegaram ao poder, muitas pessoas influentes, ricas e formadoras de opinião foram convidadas a participar das celebrações. Foi através desse vínculo que a Sociedade conseguiu se estabelecer no Partido, alinhando seu discurso à doutrina nazista.

  Alguns setores do Partido haviam sido convencidos pelos membros da Sociedade secreta que o Vril era essencial para a conquista da Europa e depois do mundo. Nessa época, a medium Maria Orsic relatou que o Vril seria utilizado como matriz energética das mais variadas armas. Ele seria, por exemplo, o combustível para máquinas aéreas em forma de disco (inspiradas pelos Vimanas indianos) que seriam usadas como a arma mais eficaz para derrotar os inimigos da Alemanha. A Alemanha buscou criar os Discos Voadores através de um projeto chamado Die Glock. Orsic teria visto em um dos seus transes que o Exército Alemão se tornaria uma Máquina de Guerra imbatível graças a substância mística.

Os Discos Nazistas tomariam a Terra e depois o universo...
    Figura 6
  A procura pelo Vril levou alemães e austríacos a praticarem todo o tipo de sortilégio, principalmente o tantrismo negro, realizado durante cerimônias orgiásticas nas sedes da Sociedade Secreta. O propósito desses ritos não era apenas localizar o Vril, mas segundo boatos assassinar inimigos políticos e desafetos canalizando energia mística com o intuito de matar, ferir ou aleijar.

   Para alguns pesquisadores, a Sociedade Vril contou com alguns indivíduos chave do Governo alemão entre os seus membros estariam entre outros: Herman Göering (criador da Lufftwaffe), Heinrich Himmler (o homem forte da SS), Alfred Rosenberg (idealizador da Teoria Racial e promotor do Extermínio Judeu), Rudolf Hess (político proeminente do partido nazista), Martin Bormann (chefe da chancelaria nazista), que seriam membros com maior ou menor influência dentro da Sociedade. Não obstante, todos teriam passado pelas iniciações e rituais que envolviam verter sangue sobre o símbolo da sociedade. Muito se discute se Hitler também fazia parte da Sociedade Vril, mas segundo a maior parte dos historiadores, ainda que o Führer não fizesse parte ativamente, é razoável supor que ele conhecia e aceitava suas atividades.

   De todos os membros da Alta-Cúpula do Partido Nazista, é provável de Heinrich Himmler fosse o mais envolvido com a Sociedade Vril. O interesse de Himmler pelo ocultismo é bastante conhecido e foi ele o responsável por introduzir muitos elementos de simbolismo místico no Terceiro Reich. Ele comandava a SS com base em suas convicções políticas mas, antes de tudo, seguindo suas concepções ocultistas.

  Himmler teria sido um membro ativo da Sociedade Vril e se dedicava a participar de celebrações místicas, fazendo disso uma religião. Realizava casamentos, rituais místicos tântricos, iniciações, evocações e sacrifícios. A cerimônia de casamento de uma prima de Eva Brown, esposa de Hitler, foi realizada por Himmler.

  A SS, sob seu comando, além de representar uma força de batalha, formada pela nata dos soldados alemães, se tornou uma força acessória da Sociedade Vril, adaptando iniciações e outras atividades que envolviam a doutrina. Sua obsessão pelo ocultismo era tal, que mandou modificar o Castelo de Wewelsburg, utilizando mão de obra escrava de prisioneiros de guerra, para que se tornasse um templo dedicado ao Nazismo e doutrinas obscuras. Não por acaso, muitos dos símbolos presentes nas paredes e câmaras de Wewesburg eram dedicados a Sociedade Vril. O Sol Negro, estava entalhado no alto da Torre Norte do Castelo, local onde ficava o Templo em que ocorriam as celebrações mais importantes, como a iniciação dos membros da SS.

Celebração nazista em Berlim
    Figura 7

  Mais profundamente nesse mesmo castelo, situa-se uma cripta, destinada à realizações de rituais ainda mais profanos (supostamente até missas negras) onde, após sua morte, Himmler pretendia guardar suas cinzas. O castelo encontra-se intocado até os dias de hoje, emanando energias deletérias produzidas em seu passado macabro.

   No decorrer da Segunda Guerra, a Sociedade Vril continuou desfrutando de certo prestígio, mas esse durou apenas até o conflito se equilibrar e começar a pender contra a Alemanha Nazista. Apesar de contar com muitos membros dentro do Partido e nas Forças Armadas, a Sociedade começou a ficar em segundo plano diante de outros grupos como a SS de Himmler.

   Seus membros mais importantes começaram a perder prestígio.

   O Barão Sebottendorff cometeu suicídio, pulando no Bósforo, em maio de 1945 quando soube da derrota dos nazistas. Ele havia trabalhado ativamente para os nazistas tentando estabelecer uma aliança com a Turquia que nos dias finais da Guerra chegou a ser cortejada sem êxito para compor o Eixo.

   Jörg Lanz von Liebenfels, caiu em desgraça bem antes do fim da Guerra. Ele tentou se aproximar de Hitler depois dele subir ao poder mas acabou irritando o Fuhrer com sua insistência para receber algum posto de importância. Hitler mandou fechar a revista Ostara e proibiu Liebenfels de continuar publicando seus artigos. Após a Guerra ele acusou Hitler de ter corrompido suas ideias.

   Karl Hostofer, o explorador que buscou o Vril incessantemente foi capturado pelos soviéticos e julgado por crimes de guerra. Ele morreu antes de ser condenado a forca em um campo de prisioneiros.

O sonho de encontrar a Civilização Ariana
   Figura 8

  Nos últimos dias da Guerra, Heinrich Himmler foi promovido a Comandante das Forças do Reno, um título que o colocava como segundo homem mais importante da Alemanha. Himmler usou seu novo posto para costurar uma rendição com os Aliados,o que enfureceu o Führer que mandou prendê-lo. Himmler pressentindo o perigo tentou escapar e foi capturado pelos britânicos. Sob custódia, ele ingeriu duas pílulas de cianureto e morreu em 23 de maio de 1945.

   Maria Orsic e Traute desapareceram misteriosamente em 1945, junto com seu grupo de Vrilerinnen Fraus. Acredita-se que elas possam ter escapado para a Itália e se misturado aos milhares de refugiados de guerra que vagavam pela Europa na época. Alguns supõem que ela estava tentando retornar para a Croácia que era a pátria de seu pai. Teóricos de conspiração acreditam que ela tenha sobrevivido à Guerra e que tentou reerguer a Sociedade Vril nos anos seguintes.

   O Vril ou a civilização que o dominava jamais foram encontrados.

   O Reich Nazista que deveria perdurar por um milênio, foi completamente aniquilado em 12 anos, deixando um saldo de milhões de mortos. 

  Fonte:

http://mundotentacular.blogspot.com.br/search/label/A%20bel%C3%ADssima%20Maria%20Orsic