quarta-feira, 28 de junho de 2017

Espírito e Matéria

  ESPAÇO – O Espaço que os pseudo sábios, em sua ignorância, têm proclamado como sendo uma ideia abstrata e um vazio, é, em realidade, o Contentor e o Corpo do universo com seus sete Princípios. É um corpo de extensão ilimitada, cujos princípios, segundo a fraseologia oculta – sendo cada um deles a sua vez setenário – manifestam em nosso mundo fenomênico somente a mais grosseira fábrica de suas subdivisões. O Espaço, o Caos, como também o chamam, não é nem o vazio sem limites, nem a plenitude condicionada, senão ambas as coisas a sua vez. Sendo no plano da abstração absoluta a sempre incognoscível Deidade, que é vazia só para as mentes finitas, mas para as mentes de percepção mayávica é o Plenum divino, o Absoluto Contentor de tudo quando existe, tanto manifestado quanto imanifesto e, portanto, é Aquele Todo Absoluto.

  O Espaço sempre foi e sempre será a eterna Causa de tudo, a Deidade incompreensível, cujas invisíveis vestiduras são a raiz mística de toda matéria e do universo. É a única coisa eterna que podemos facilmente imaginar, imóvel em sua abstração e não influenciada pela presença nem pela ausência nela de um universo objetivo. Carece de dimensões em todos os sentidos sendo existente por si mesmo.

  O Espaço, e Aquele que em si mesmo está contido sem contemporâneos eternos, infinitos ou sem dimensões, constituindo, ambos, a única excelsa Realidade, são a origem de tudo quanto existe.

  O Espírito é a primeira diferenciação Daquilo, a Causa sem causa do Espírito e da Matéria. O Espaço considerado como uma unidade substancial, a fonte viva da Vida é como a desconhecida Causa sem causa, o mais antigo dogma do ocultismo. Assim são a Força e a Matéria, como Potências do Espaço, inseparáveis e reveladoras desconhecidas do Desconhecido. Parabrahman é como uma realidade [única] sem outro; é o Kosmos que a tudo contém, ou seja, o Espaço Infinito no mais alto sentido espiritual.

  Segundo os ensinamentos esotéricos, o Espaço e o Tempo são uma só coisa; são inomináveis por que são o incognoscível Aquele, que só pode ser percebido pelos seus sete Raios (que são as sete Criações, os sete Mundos, as sete Leis, etc), e ainda no Vishnu Purâna se insiste na identidade de Vishnu com o Tempo e o Espaço.

  ESPÍRITO – A falta de mútuo acordo entre os escritores acerca do emprego desta palavra tem dado origem a uma tremenda confusão. Geralmente o fazem sinônimo de alma, e os lexicógrafos apoiam o seu uso. Nos ensinamentos teosóficos, a voz Espírito se aplica unicamente ao que pertence diretamente à Consciência universal, que é sua emanação homogênea e pura. Assim, a Mente Superior do homem, ou seja, seu Ego (Manas), quando está unido de modo indissolúvel com Buddhi, é um Espirito; ao passo que o termo Alma humana ou até animal (o Manas Inferior, que obra como instinto nos animais), se aplica somente ao Kama-Manas e se qualifica como alma vivente. Esta é a Nephesh, em hebreu, o alento de vida. O Espírito é informe e imaterial e quando está individualizado é a mais elevada substância espiritual – Suddasattva, a essência divina de que está formado o corpo dos mais elevados Dhyânis [seres angélicos] que se manifestam.

  Por conseguinte, os teósofos rechaçam a denominação de Espiritus para aqueles fantasmas que aparecem nas materializações fenomênicas dos espiritistas, e dão a ditos fantasmas o nome de cascões e vários outros. Em breves palavras, o Espírito não é uma entidade no sentido de ter forma, posto que, como declara a filosofia búdica: por onde vai uma forma há uma causa de dor e sofrimento. Porém, a cada espírito individual – entendendo-se que esta individualidade dura somente todo o ciclo manvantárico de vida – se pode descrevê-lo como um centro de consciência, um centro autosenciente e autoconsciente; um estado e não um indivíduo condicionado.

  Isto explica porque há tanta riqueza de palavras em sânscrito para expressar os diferentes estados de Ser, Seres e Entidades, com a particularidade de que cada denominação indica a diferença filosófica, o plano a que pertence tal unidade, e seu grau de espiritualidade ou de materialidade. Infelizmente estes termos são quase intraduzíveis para nossas línguas ocidentais.

  [O Espírito (Âtman) é uno com o Absoluto, como radiação sua – (Chave da Teosofia). Não se deve confundir com a Alma. A Matéria é o veículo para a manifestação da Alma neste plano de existência e a Alma é o veículo, em um plano mais elevado, para a manifestação do Espírito, e os três formam uma trindade sintetizada pela Vida que os impregna a todos. (Doutr. Secr., I,80).
  São Paulo estabelece também claramente a distinção entre Alma e Espírito nas seguintes passagens: E o Deus de paz os santifique em todo para que vosso espírito e alma e corpo seja guardado inteiro... (I Tesalon., V, 23); Porque a palavra de Deus é viva, eficaz e mais penetrante que toda espada de dois fios, e alcança até partir a alma e ainda o espírito... (Hebr., V,12).
  Esta distinção, muitos psicólogos que em nossos dias debocham de católicos, parece terem-na relegado por completo. A palavra Espírito – diz F. Hartmann – é usada muito indistintamente, o que pode dar origem a uma grande confusão. Em seu verdadeiro significado Espírito é uma unidade, um poder vivente universal, a origem de toda a vida; porém, as palavras espírito e espíritus são empregadas assim mesmo com muita frequência para significar coisas invisíveis, porém, apesar disso, substancialmente são: as formas, figuras e essências elementais e elementares, sombras, espectros, aparições, anjos e diabos. Espírito significa vontade consciente e, nesse aspecto, toda coisa é a expressão de seu próprio espírito que reside em seu interior; porém, o espírito sem organização nem substância não tem individualidade, sendo como um sopro. Somente após se ter organizado, o espírito, como ser substancial dentro de uma forma vivente, pode existir como ser individual. (F. Hartmann).]

  MATÉRIA – Espírito e Matéria são dois polos ou aspectos sob os quais o Logos se manifesta. Como Ser absoluto que é a Divindade Suprema é por sua vez Espírito e Matéria. A Matéria é a Mãe do mundo, assim como o Espírito é o Pai. A vida do Logos aparece como Espírito; seu Mâyâ, como Matéria. (A. Besant, Sabedoria Antiga, 364). Em outros termos: a natureza inferior do Logos, a material, é origem ou matriz de todos os seres, enquanto sua natureza superior, a espiritual, é o Elemento vital que os anima e os sustém: Todos os seres que vêm à existência, sejam animados ou inanimados, são produto da união da Matéria com o Espírito. (Bhagavad-Gitã, XIII, 26).

  A Matéria, portanto, é eterna, incriada e indestrutível, ao passo que suas formas que constituem o mundo de Mâyâ, ou da Ilusão, são criadas, transitórias e cambiáveis; não são permanentes nem têm verdadeira realidade. Em um universo manifestado não há matéria morta. A Matéria é viva e assim podemos afirmar que não há força sem matéria nem matéria sem força; uma e outra estão unidas em indissolúvel casamento. Acha-se em movimento contínuo, tomando forma sob cada estremecimento ou vibração de vida e se adaptando a cada transformação ou movimento. (Sabedoria Antiga, 55, 142).

  A atividade essencial da Matéria consiste na sua natureza receptiva. Ao receber impulsos de vida se organiza em formas, e estas se mantêm graças a tais impulsos, ao passo que se desagregam quando cessa dita influência. (Id. 366). A Matéria é também o fator indispensável, a base ou veículo necessário, uma condição sine qua non para a manifestação das forças ou agentes físicos (luz, calor, eletricidade, etc) no plano físico. (Doutr. Secr., I, 536).

  A Matéria oferece diversos graus de densidade segundo seja o plano ou subplano a que corresponda. Seu grau de vitalidade é assim mesmo muito diverso. Desse modo, a matéria do plano mental é muito mais sutil que a do plano astral, e esta, por sua vez, é muito mais que a do plano físico. Por esta razão uma atravessa e penetra facilmente a outra. No plano físico vemos diferentes estados de matéria: sólido, líquido e gasoso, entretanto, investigando mais profundamente, encontramos um quarto estado, o etéreo, que por sua vez existe em quatro estados perfeitamente definidos como os de sólido, líquido e gasoso. (Sabed. Ant., 57-58).

  Segundo a filosofia Sânkhya, Prakriti ou Pradhâna é a Matéria primária, caótica, ou imanifesta, raiz da Matéria e causa material do universo. Opostamente a Purucha (Espírito), que é simples, Prakriti é uma substância composta, constituída pelos três gunas (modos ou qualidades), denominados respectivamente sattva, rajas e tamas, que não são meros acidentes da Matéria, mas que são de sua mesma natureza e entram em sua composição, como os ingredientes que integram um produto. Os três gunas se acham universalmente difundidos na natureza material; existem em todas as criaturas determinando o caráter ou condição individual pela proporção em que se acham reunidos em cada um dos seres.

  Prakriti é um Princípio ilimitado, universal, a matéria cósmica que se apresenta como uma massa sutil, informe, sem diferenciação alguma. Porém, graças a sua incessante atividade e sua potência produtora é a causa material dos diferentes desenvolvimentos, manifestações, formas ou produtos da Matéria. Assim, pois, a Matéria se apresenta em dois estados distintos:

  1º. Matéria indiferenciada, imanifesta, caótica, informe, raiz ou essência da Matéria (Mulaprakriti), eterna causa material do universo físico.
 
2º. Matéria diferenciada ou manifestada, que constitui as inumeráveis formas ou diferenciações materiais acidentais ou transitórias da massa de Matéria caótica ou indiferenciada, formas que, depois de uma existência mais ampla, ou mais breve, destroem-se, desvanecendo-se no oceano de matéria informe ou caótica de onde procederam. Prakriti é inconsciente, e toda a sua atividade é empregada exclusivamente em favor e proveito de Purucha, para sua experiência, e assim conduzi-lo ao conhecimento de si mesma. A associação de Espírito e Matéria comparou-se com a aliança entre um paralítico (o consciente e o par inativo Purucha) e um cego (o inconsciente, porém ativo Prakriti). Se o cego leva em suas costas ao guia paralítico, podem os dois juntos chegar ao final de suas peregrinações. Não se confunda a Matéria com a Substância.

  Os teósofos usam esta palavra – substância – num sentido dual, qualificando a substância como perceptível e imperceptível e fazendo uma distinção entre a substância material, psíquica e espiritual, em substância ideal (isto é, existente nos planos superiores) e em substância real. Algumas vezes, substância é sinônimo de matéria. Para evitar confusão, a palavra matéria deveria aplicar-se ao agregado de objetos de possíveis percepções, e a palavra substância aos noúmenos. (Doutr. Secr., I. 350). Assim, chamaremos Matéria a que corresponde aos planos ou modos inferiores a Anupâdaka, reservando o termo substância para os planos Adi e Anupâdaka. (M. Treviño, Metaquímica.)

  Prakriti, a Natureza em geral; a Natureza em contraposição a Purucha – a natureza espiritual e o Espírito, que juntos são os dois aspectos primitivos da Deidade única desconhecida. (Doutr. Secr., I, 82). Prakriti significa a Natureza ou o mundo material, a Matéria primordial e elemental, a causa ou essência material de todas as coisas; a Matéria no seu mais lato sentido da palavra, desde o mais denso e grosseiro – o mineral – até o mais sutil e etéreo – o éter, a mente, o intelecto – e significa também a natureza espiritual, que não são mais que os primitivos aspectos da Divindade Una e desconhecida. (Doutr. Secr., I, 82). Purucha e Prakriti (Espírito e Matéria) em sua origem são a mesma coisa; porém ao chegarem ao plano de diferenciação, cada um começa seu progresso evolucionário em direção oposta entre si. Assim, Brahma, por sua vez, é essencialmente Espírito e Matéria. (Id., I, 267, 453) Prakriti é dual na metafísica religiosa, porém, segundo as doutrinas esotéricas, é setenária, como todo o universo. (I,39). Prakriti, ou Natureza (a Raiz do todo), é incriada, não é uma produção, mas um produtor. Segundo o Sánkhya-Kârikâ, III, as produções (attvas, formas ou princípios) de Prakriti, chamadas também os sete Prakritis ou Natureza de Prakriti, são: Mahat (ou Mahâ-Budhi), Ahamkâra e os cinco Tanmâtras (I, 227,400).

  Cada partícula ou átomo de Prakriti contem Jiva (vida divina), e é o corpo de Jiva que contem; assim como cada Jiva, por sua vez, é o corpo do Espírito Supremo, posto que Parabrahman impregna a cada Jiva, o mesmo que a cada partícula de Matéria. (I, 569). A rigor, Prakriti e Pradhâna não são vozes sinônimas, pois há alguma diferença entre ambas. Prakriti é um aspecto de Pradhâna; esta última (Prakriti sutil) é a base original, a causa material, sem princípio nem fim, causa não desenvolvida, não evolucionada, a Matéria imanifesta, não modificada, a primeira forma de Prakriti; conquanto esta última não é efeito manifestado, ou seja a Matéria manifestada, a Natureza material visível e invisível. (I, 595, 636).

  Os produtos de Prakriti são, conforme se tem dito, Buddhi, Ahamkâra e outros princípios que, por desempenharem funções tão nobre e elevadas surpreendem a alguns ao vê-los figurar entre os produtos materiais; porém isso resulta muito lógico se considerar-se que Buddhi, o primeiro e mais espiritual, por assim dizer-se, de todos eles, é limitado, ativo, sujeito a câmbios e modificações e distinto em cada indivíduo, diferenciando-se nisso de Purucha (Espírito) que é imperecedouro, imutável e passivo ou mero espectador das operações da Natureza. Prakriti, conforme dito antes, é inconsciente, entretanto adquire uma consciência aparente, uma tinta de consciência, digamos assim, graças a sua união com Purucha que, de igual modo, quando nos parece incolor um cristal vermelho, no qual se reflete um objeto de igual cor.

   Purucha, homem, homem celeste, Espirito; o mesmo que Narâyana sob outro aspecto. O Eu Espiritual. [Na filosofia Sânkhya se designa com este nome ao Espírito em contra posição à Matéria (Prakriti ou Pradhâna)]. É um Princípio elemental, primordial, simples, puro, espiritual, consciente, eterno, incriado, não produtor, imutável, inativo, mero testemunha ou espectador das operações de Prakriti, e que, a maneira de um espelho cósmico, nele se reflete e se revela todo o universo, ou seja, todas as modificações que se operam em Prakriti no curso da evolução. (Schultz).

  Segundo a filosofia secreta, Purucha e Prakriti são os dois primitivos aspectos da Divindade Una e desconhecida. (Doutr. Secr. I,82); Em sua origem são a mesma coisa, porém ao chegarem ao plano de diferenciação, cada um deles evoluciona para uma direção oposta, caindo o Espírito gradualmente na Matéria e ascendendo esta a sua condição original, a de uma pura substância espiritual. Ambos são inseparáveis e não obstante sempre estão separados. Do mesmo que no plano físico dois polos iguais se repelem um ao outro, enquanto dois polos contrários atraem-se mutuamente, assim estão Espírito e Matéria entre si; são os dois polos da mesma substância homogênea, O Princípio radical do Universo. (Doutr. Secr. I, 267,268).

  Em sua condição livre, Purucha se encontra tão distinto de tudo quanto conhecemos e tão acima do alcance de nossa limitada compreensão, que somente pode ser definido por meio de negações, v.gr. não é isso nem aquilo, não é tal nem qual modo. Sem dúvida que se pode afirmar que é Pensamento abstrato, sem objeto, e a Luz que ilumina a vida espiritual. É também o Espírito de Vida que anima a Matéria (Prakriti), e por seu contato imprime-lhe atividade, da qual se originam as sucessivas modificações que ela experimenta e que vão repercutir sobre o mesmo Purucha. A diferença em relação a Prakriti é que é simples, não composto e, portanto, está absolutamente livre dos modos ou qualidades (gunas) que caracteriza a Matéria. Purucha é o sétimo princípio, o Atman, o sujeito, o verdadeiro Eu, e daí que segundo a filosofia Sânkhya, são incontáveis os números de Puruchas, pois cada corpo, cada ser da criação tem seu Purucha particular ou individual.

  Da união de Purucha com Prakriti (ou seja, do Espírito com a Matéria) recebem sua origem todos os seres animados e inanimados. Purucha, como foi dito antes, é inativo, porém toda a atividade de Prakriti se emprega exclusivamente em favor e proveito seu, posto que, apresentando objetos de sensação e conhecimento ao Espírito, este acumula a experiência, chegando assim ao conhecimento de Si mesmo, por conseguinte, à liberação. Opostamente a Purucha múltiplo da filosofia Sânkhya, que, como nos expressamos antes, é ele o Eu, o Espírito individual de cada ser, há o Purucha único da filosofia Yoga, que é Izvara, Deus o Senhor Supremo de nosso universo. Além dos significados de Espírito, Espírito divino, Espírito do universo ou Alma do mundo, Espírito radical ou primordial, detém a palavra Purucha muitas outras acepções: Homem, Homem celeste; varão; Ser ou Princípio masculino; causa ou potência criadora ou geratriz, Criador, Princípio vivificador ou animador; Ser, Princípio, Causa; pessoa, indivíduo, ser humano, herói, servidor, amigo, etc.

  Mûlaprakriti, literalmente: raiz da Natureza (Prakriti) ou da Matéria. A raiz Parabrâhmica, o Princípio deífico abstrato feminino: a substância indiferenciada, Akasa. A matéria cósmica indiferenciada, matéria primordial, essência ou raiz da matéria, eterna causa material e substância imanifesta de todo ser; ou seja, a massa imensa de matéria informe, caótica ou indiferenciada, da qual surgem todas as formas ou manifestações materiais do universo visível ou manifestado, do mesmo modo que da informe massa de barro saem todas as figuras e vasilhas que o oleiro fabrica. Os alquimistas ocidentais lhe dão o nome de Terra de Adão e os vedantinos, de Parabraham; se bem que, a rigor, Mûlaprakriti é somente o véu deitado sobre Parabraham.

Fonte: Glosario Teosófico - H.P. Blavatsky
Tradução Espanhol/Português - Rayom Ra 

                                                                                    Rayom Ra
                                                           http://arcadeouro.blogspot.com.br



quarta-feira, 7 de junho de 2017

Os Laços Energéticos

  Os laços energéticos são uma espécie de fios ou pequenos tubos de energia que se criam entre as pessoas, pelos quais são mandadas informações ou energia.

  Esses laços vão de chakra a chakra unindo todos os nossos chakras às pessoas com quem nos relacionamos e, principalmente, unindo os chakras dos corações. Por exemplo: é possível que nos venha à mente a imagem de uma pessoa que ao cabo de instantes nos chame ao telefone. Isso é devido aos laços energéticos já formados, uma vez que a outra pessoa começa a pensar em nós antes de nos chamar, e essa informação nos chega através dos laços que temos com ela. Assim, captamos sua imagem de forma inconsciente, porém de algum modo sentimos que algo sucede com aquela pessoa, que em seguida nos chama.

  Quanto mais tempo conheçamos uma pessoa e mais íntimas se tornem as nossas mútuas relações mais fortes serão os laços que nos unirão. Ou seja, são laços que estarão intensamente conectados entre nossos chakras e de tal forma que serão capazes de transmitir entre a outra pessoa e nós muita informação e energia. Existindo no outro extremo dos laços uma pessoa que nos queira bem ela nos enviará bons pensamentos e belas energias. Se, opostamente, haja uma pessoa que nos odeie, que esteja todos os dias a pensar mal de nós, pelos laços criados esses maus pensamentos e as más energias nos alcançarão. Tanto é assim que podemos até chegar a adoecer.

FIGURA 1

TRABALHO COM OS LAÇOS

  Durante nossas vidas podemos estar diante de muitas circunstâncias em que nos seja necessário fazermos algo com nossos laços energéticos. Por exemplo: se rompemos com nossa companheira e não nos tenha restado muitos amigos. Ou se haja alguém em nosso trabalho que nos inveje e queira nosso posto na empresa. Ou haja um vizinho que se encante com nossa companheira e queira tirá-la de nós. Enfim, sem que sejamos más pessoas é possível nos encontrarmos em situações em que tenhamos de fazer algo com nossos laços energéticos. Temos duas alternativas:

  COLOCAR UM FILTRO – Essa alternativa consiste em criar um filtro energético e colocá-lo num laço [um a cada vez] programando-o para que filtre todos os pensamentos negativos e/ou energias de baixa vibração que possam nos chegar. Desse modo, já não nos afetará a energia negativa que nos envia o colega de trabalho que vemos todos os dias.

  CORTAR OS LAÇOS – Essa alternativa consiste em cortar os laços que nos unem com essa pessoa. Isso supõe cortar as relações e fará com que nos distanciemos dessa pessoa, incluindo não voltarmos a nos ver. Outro exemplo: no caso em que rompemos com nossa companheira e terminemos muito mal com ela e não queiramos mais voltar a vê-la, essa alternativa pode nos ajudar em muito.

FIGURA 2

COLOCAR UM FILTRO

  Esse é um pequeno exemplo dos passos a seguir para você colocar um filtro energético em cada um de seus laços

 Sente-se comodamente em postura habitual de meditação. Faça por uns momentos respirações conscientes; relaxe e serene a mente. Quando estiver tranquilo, visualize o Canal Central (1) e realize a conexão céu-terra. Imagine que ao inspirar a energia do céu e da terra ela vai chegando ao chakra do coração. O chakra se vai preenchendo de energia e uma vez pleno começa a expandir energia para todo o corpo. Continue na inspiração e absorção da energia até que esteja [se sentindo ou imaginando] completamente luminoso. Chegando a esse ponto, imagine como a luz atravessa as barreiras da pele, e sua aura começa a ser preenchida de luz
   
  Estando a aura completamente luminosa, comece a fazer contato [mental] com a pessoa na qual você vai colocar um primeiro filtro. Lembre-se de que no fundo aquela pessoa é um Ser de luz maravilhosa e o que acontece agora com você se constitui em uma parcela de sua evolução, não significando nada de pessoal. Perdoe aquela pessoa, porém não deixe que as ações dela venham a você em seu prejuízo. Visualize seus chakras e os chakras da pessoa. Visualize os laços entre os chakras, sinta a conexão que há entre a pessoa e você.

  Agora, aproximadamente entre a metade do caminho entre você e a pessoa, crie um filtro energético de um metro de espessura num dos laços. Faça mentalmente uma afirmação positiva do tipo: “este filtro energético filtrará as energias de baixa vibração e não as deixará passar, porém deixará passar as energias de alta vibração”. A fim de reforçar mais o filtro energético você pode fazer uso dos símbolos do Reiki, especialmente o Cho-Ku-Reiperô, também se os sentir de outros. É também preferível que o filtro seja de cor violeta. Repita esta operação sobre os laços que se criaram mutuamente entre os chakras, 2º, 3º, 4º, 5º e 6º, com especial inciso no chakra do coração.

  É possível que você tenha que repetir mais vezes esta meditação ou que, de vez em quando, tenha que renovar os filtros. Se houver alguém que lhe esteja mandando muita carga negativa seria conveniente fazê-lo diariamente. Os efeitos desta meditação começam a ser notados ao cabo de poucos dias.

FIGURA 3 


CORTAR OS LAÇOS

  Com esta pequena meditação a seguir será possível fazer o trabalho de cortar os laços energéticos.

  Sente-se comodamente em postura habitual de meditação. Faça por uns momentos respirações conscientes; relaxe e serene a mente. Quando estiver tranquilo, visualize o Canal Central e realize a conexão céu-terra. Imagine que ao inspirar a energia do céu e da terra ela vai chegando ao chakra do coração. O chakra se vai preenchendo de energia e uma vez pleno começa a expandir a energia para todo o corpo. Continue na inspiração e absorção da energia até que esteja (se sentindo ou imaginando) completamente luminoso. Chegando a esse ponto, imagine como a luz atravessa as barreiras da pele, e sua aura começa a ser preenchida de luz
   
  Estando a aura completamente luminosa, comece a fazer contato [mental] com a pessoa na qual você vai cortar os laços. Lembre-se que no fundo aquela pessoa é um Ser de luz maravilhosa e o que acontece agora com você se constitui em uma parcela de sua evolução, não significando nada de pessoal. Perdoe aquela pessoa, porém não deixe que as ações dela venham a você em seu prejuízo. Visualize seus chakras e os chakras da pessoa. Visualize os laços entre os chakras, sinta a conexão que há entre a pessoa e você.

  Agora, imagine umas tesouras energéticas e vá cortando os laços com a pessoa. Faça de um a um e cada vez que fizer um corte acrescente uma pequena afirmação positiva do estilo: “corto este laço com (citar o nome da pessoa)”. Repita esta operação entre os laços que se criaram entre os chakras, 2º, 3º, 4º, 5º e 6º, com especial inciso no chakra do coração.

  Quando um laço energético é cortado sucede que se produz um pequeno rasgo na aura, tanto na sua quanto na da pessoa com quem rompe o laço. Por isso é necessário que depois de cortar laços faça um pouco de Reiki para a outra pessoa a fim de reparar a sua aura, e também faça Reiki para você mesmo a fim de reparar sua aura. (2)

  Necessário depois de cortar os laços com uma pessoa que passe a seguinte ordem: “não te permito que voltes a agarrar-te a mim”. Desse modo, não será possível para a outra pessoa voltar a criar e reconectar os laços com você.

  Feito isso despeça a pessoa desejando-lhe o melhor em seu caminho.

  É possível que você tenha que repetir mais vezes esta meditação, sobretudo se os laços que unem você com aquela pessoa sejam muito fortes. Os efeitos desta meditação começam a ser notados ao cabo de poucos dias.

  Tanto quanto coloquemos filtros como cortemos os laços, temos de nos assegurar que de nossa parte não permanece qualquer negatividade em direção àquela pessoa. Que realmente a tenhamos perdoado e desejemos continuar nosso caminho sem que isso nos venha mais afetar, uma vez que o perdão nos liberta e desfaz os nodos que por ventura tenhamos criado em nosso chakra do coração. Por mais que coloquemos filtros ou cortemos os laços com uma pessoa, se não tivermos curado nossa parte naquela relação seguiremos sofrendo e enlaçados na mesma situação ou à pessoa. A libertação do sofrimento sempre começa em nós mesmos.

  Agora que você detém esta informação é necessário que faça bom uso dela. Então, não comece a colocar filtros e a romper laços a torto e a direito. Utilize estas técnicas somente com quem realmente você creia ser necessário este tipo de medidas. 

  Viver pode significar sofrer durante um tempo, nos equivocarmos, sentirmos. Se nos protegermos excessivamente das pessoas e situações vamos acabar isolados do mundo e isso não é vida. Isolarmos-nos do mundo não nos vai ajudar em nossa evolução.

Notas do Tradutor: (1) Não tendo vivência no Reiki propriamente, entendemos, não obstante, esotericamente, que o autor deste magnífico e desvelador texto, ao referir-se ao “Canal Central” queira significar o sistema interior e central de Nadis onde os principais chakras se prendem ao corpo etérico, conforme basicamente mostrado na figura 1.

(2) Para quem não esteja afeito com as técnicas do Reiki, sugerimos que o reimplante das perdas de matéria no corpo etérico e astral, após a realização dos cortes, possa também ser feito mediante a visualização da pessoa em quem os cortes se deram, com a consequente invocação da chama violeta, da chama branca e da chama rosa. Essas chamas aliviam possíveis desconfortos e repõem a matéria consumida. Do mesmo modo o  autoprocedimento em relação ao operador.

Fonte:http://www.centrobaruch.com/single-post/2016/07/06/LAZOS-ENERG%C3%89TICOS-como-limpiar-o-cortar-estos-lazos

Tradução Espanhol/Português: Rayom Ra

                                                                                   Rayom Ra
                                                           http://arcadeouro.blogspot.com.br

sábado, 3 de junho de 2017

Crescendo em Mestria - (LXVIII)

TwinFlames1

OS RELACIONAMENTOS E A SUA UNIÃO SAGRADA

  Amados mestres, as frequências refinadas da Nova Era estão tendo um efeito profundo sobre como vocês se veem. À medida que aprendem a recuperar o seu poder, estabelecer limites e reivindicar um sentido de autoestima, isso também terá um efeito intenso em seus relacionamentos com os outros, principalmente nos relacionamentos românticos.

  No passado, vocês tiveram muitas questões não resolvidas, que criaram aquilo que se poderia chamar de “manchas desequilibradas ou vulneráveis”, em seu corpo emocional e no sistema de chacra, principalmente nos primeiros quatro chacras. Vocês tiveram muitas questões não resolvidas internamente, sob a forma de culpa, medo, raiva, uma sensação de abandono, e de não serem amados. Todas essas formas-pensamento possuem uma frequência vibratória, e vocês irradiaram essas frequências de desmerecimento para o mundo. Vejam essas frequências se irradiando em sua frente e ao seu redor, em um Sinal do Infinito, em que elas são captadas por aqueles que estão ressoando com os mesmos níveis de frequência, e, assim, são atraídos para a sua vida de uma maneira ou de outra. Inconscientemente, vocês atraíram também aqueles que vieram sob uma perspectiva de “necessidade”.

  Vocês esperavam que eles pudessem consertar tudo para vocês e fazê-los felizes, mas, na realidade, toda essa espécie de relacionamento cria mais fricção, por meio dos sentimentos de carência e de uma sensação interna de desmerecimento. No passado, a maioria dos relacionamentos era baseada na atração física, o que normalmente se desvanece um tanto rapidamente se não houver maior profundidade na atração.

  Havia outros componentes incapacitantes, tais como dependência, um desejo por segurança ou uma tentativa de encontrar validação da autoestima fora de si mesmos. Questões não resolvidas e problemas são ampliados, quando alguém que entra em sua vida reflete essas situações negativas de volta para vocês. Essas questões e esses problemas invariavelmente criam fricção, o que não é necessariamente algo ruim, se vocês os reconhecem, se estão dispostos a reconhecê-los e concordam em fazer um esforço combinado para mudá-los para melhor.

  A ênfase agora está no retorno à totalidade interna, ao assumir responsabilidade pessoal por suas ações, e pela construção da autoestima e de um sentido de dignidade, por meio do centro do seu coração solar, em cooperação com o Eu da Alma e o Eu Superior. A verdade e a integridade serão as bases de qualquer relacionamento do futuro. Primeiramente, devem aceitar quem vocês são no momento presente, enquanto se esforçam para se tornar as melhores pessoas que possam ser, por examinar suas atitudes, crenças, hábitos e fraquezas. Vocês aprenderão que a base de um relacionamento duradouro com outras pessoas é, em primeiro lugar, ter um “caso de amor” consigo mesmos, em que vocês se esforçam para se tornar mais amorosos e amáveis.

  Finalmente, percebem que “vocês são o amor personificado”, e que não precisam de mais ninguém para validar essa verdade, porque vocês, bem lá no fundo, reivindicaram isso. Vocês conectam o seu Coração Sagrado e essa fonte de amor incondicional à própria Centelha Divina, e se lembram de que existe um suprimento infinito de Amor/Luz à disposição de vocês, através da sua conexão com a Fonte. Essa é a sua Herança Divina, queridos corações. Por que não a reivindicam?

  Requer um compromisso forte e mútuo, sem culpa, julgamento ou acusações egóicas para se trabalhar diferenças pessoais, e chegar a conclusões que sejam mutuamente benéficas, que sejam justas para todas as partes envolvidas. Em um relacionamento que cresce, e evolui não haverá mais ênfase em quem está “certo” ou em quem está “errado”, mas no compromisso, e em um desejo de satisfazer as necessidades de todos os envolvidos de uma maneira mais equitativa.

  Nenhuma área de sua vida pode ficar estagnada, principalmente para aqueles que estão dedicados ao caminho espiritual e à evolução da Alma. Nem sempre é possível, para os que estão em um relacionamento, crescer ou evoluir no mesmo ritmo. Todavia, é possível não se sentir ameaçado, permanecer em um papel coadjuvante e deixar que aqueles ao redor se desenvolvam no próprio ritmo, se vocês hão de estabelecer uma “união sagrada” internamente. Essa “união sagrada” está retornando ao equilíbrio e à harmonia os seus corpos físico, mental, emocional e espiritual, assim como recuperando os atributos e virtudes da sua natureza masculina e feminina. Os papéis estritamente definidos de machos e fêmeas estão, aos poucos, sendo alterados, por meio de que uma combinação de papéis sexualmente definidos está se tornando mais a norma. Mais uma vez, o poderoso brilho da Deusa está sendo emanado sobre a Terra e sobre a humanidade.

  O status das mulheres está mudando rapidamente, e a igualdade masculino-feminina se tornará a norma, quando, tanto os homens quanto as mulheres reivindicarem sua natureza intrínseca masculino-feminina. A batalha entre os sexos tem suas origens internamente, porque a humanidade lutou durante eons para reunir o deus e a deusa internos. As mulheres estão aprendendo a resgatar o seu poder; no entanto, elas sabem que precisam utilizar essa dádiva com amor e compaixão como envoltórios. Os que estão em um corpo masculino estão, paulatinamente, aprendendo a permitir que o amor incondicional da Deusa “Ilumine o fogo da compaixão e da gentileza internas”. Estão aprendendo que existe força na criatividade, na intuição e na disposição de se permitir ser gentil e franco.

  Conforme vocês se empenham em obter a maturidade espiritual, muitos aspectos de sua vida mudarão. Haverá um forte desejo de apoiar-se mutuamente, juntamente a um intenso anseio de crescer e expandir-se, mesmo que às vezes os seus caminhos possam tomar direções diferentes. Vocês vão reivindicar a verdade de que estão ligados em um nível de Alma, e que nunca podem realmente estar separados.

  A verdadeira união sexual é e pode ser uma experiência espiritual incrível, não apenas a junção de dois corpos. A sexualidade divina exige uma total abertura do coração, uma combinação dos aspectos mental, emocional e físico do seu Ser, o que resulta em uma experiência profunda e duradoura. Esse tipo de união pode redundar em um verdadeiro sentido de unidade, se vocês estiverem harmonizados em um profundo nível de Alma um com o outro.

  Vocês devem remover as barreiras ou filtros etéricos que colocaram ao redor do seu coração e das suas emoções, se hão de conseguir receber e irradiar amor incondicional. Devem confrontar seus medos acerca de perder aqueles a quem amam, e das decepções e traições do passado, que muitas vezes se manifestam como um medo da intimidade ou de assumir um compromisso com o outro.

  À medida que aprendem a acreditar e a confiar em si mesmos, vocês desenvolverão uma confiança fundamental nos demais, e os outros colocarão sua fé e confiança em vocês, porque confiança gera confiança.

  Não é apropriado sacrificar os seus sonhos e desejos pelo outro – ou que as pessoas em sua vida façam sacrifícios por vocês. Deve haver um objetivo comum entre todos os envolvidos, ao participarem da maneira combinada – compartilhando a carga e colhendo as recompensas.

Cada um de vocês pertence a uma enorme e complexa família de Alma, e vocês certamente desempenharam muitos e diversos papéis uns com os outros, através das eras. As pessoas com quem vocês estão envolvidos nesta existência, ou que entraram em sua vida, de modo que vocês pudessem aprender as “lições da vida”, fazem parte de um drama cósmico maior em progresso.

  Quando julgarem o outro, vocês precisam se conscientizar de que, na verdade, estão apenas julgando a si mesmos.

  Vocês desempenharam todos os papéis durante a sua jornada através deste universo: amantes, amigos, mãe, pai, irmã, irmão, filho e filha. Vocês estão integrando todos os atributos dos múltiplos papéis que desempenharam: a força e a sabedoria de um pai; o acolhimento suave e o cuidado amoroso de uma mãe; a paixão, o compromisso e o companheirismo de um amante; a lealdade firme de um amigo; e as interações alegres e joviais entre uma irmã, um irmão, um filho ou uma filha.

  É o momento de reunir-se, de se juntarem – o início do retorno à UNICIDADE. Vocês não podem mais se esconder atrás de um manto de medo ou isolamento, amados. Chegou a hora de assumir um compromisso consciente, em primeiro lugar, consigo mesmos e com o seu Eu Divino, e, em seguida, com aqueles ao seu redor com quem vocês estão destinados a experimentar a “dança da nova vida”. Vocês devem fazer um acordo detalhado consigo mesmos acerca do que desejam e esperam dos que os cercam, e, então, devem abrir-se para examinar seus desejos e expectativas com todas as pessoas com quem interagem.  No futuro, à medida que os relacionamentos se revelarem, níveis cada vez mais profundos de compreensão e de compromisso florescerão, porque todos estarão dispostos a falar a partir do coração, com o Espírito como o seu guia, e não o ego.

  Conforme muitos de vocês sabem, fui honrado em dar-lhes muitas “leituras galácticas” pessoais durante anos. Foi um grande prazer e devo afirmar que também foi uma benção e uma dádiva da minha amada mensageira, porque isso tomou muito do seu tempo e energia, para lhes trazer essas mensagens. Durante estes momentos de grande mudança e de grandes oportunidades, estou enviando uma leitura galáctica aberta para todos vocês, de modo que possam saber como são especiais, e as maravilhosas dádivas que os aguardam.

  Bem-amado: É maravilhoso observar, à medida que você se lembra e traz à tona todos os dons e sabedoria que guardou em sua estrutura cerebral. Você possui uma experiência tão vasta para utilizar, querido, não apenas provinda das suas residências provisórias nos reinos superiores, mas das suas experiências terrenas, também. Chegou a hora de você se lembrar de que a Terra não é o seu lar. Você planou por todo este Universo, e você sempre se adiantou avidamente para se voluntariar para uma nova tarefa, independentemente de quão difícil fosse. Suas experiências terrenas têm sido uma maravilhosa variedade de empreendimentos cocriativos, e você fez progressos lentos, porém firmes, em direção à sua verdadeira identidade como um Ser de Luz.

  Chegou o momento de perceber que você é muito mais do que apenas a identidade que você escolheu nesta existência. Você e aqueles semelhantes a você estão recebendo a oportunidade de integrar as múltiplas Facetas de si mesmos, e, ao assim fazer, você começará a ver como você é verdadeiramente poderoso e sábio. Todas as provas, testes e aparentes fracassos fizeram-lhe o Ser humano/Espírito brilhante e belo que é hoje. Quando você ensina, o faz a partir da experiência, e você demonstrará, pelo seu exemplo, como quaisquer obstáculos podem ser superados – que outros, como você, podem triunfar sobre a adversidade.

  Este é o momento em que a sua Alma alcançou o ponto mais distante da sua jornada de separação, e está agora pronta para começar a jornada da “Reunião e Integração”, mais uma vez. A sua Alma, aos poucos, foi infundida com um descontentamento divino, que lentamente se infiltra em sua mente consciente e em suas emoções, e você começa a voltar-se para dentro, a fim de domesticar o ego e reconectar-se à Alma, à Superalma e às múltiplas Facetas do Eu Superior. Você agora tem o potencial de conectar-se às muitas Facetas da sua família de Alma, seu Eu Superior, suas muitas Superalmas, e finalmente, o seu Átomo-Semente Divino (Presença Eu Sou). Em um nível cósmico, o Criador Supremo está agora enviando o seu brilho via o Grande Sol Central. Essa energia está sendo infundida na Terra em grandes rajadas da Chama Viva da Vida, via o Sol de seu sistema.

  O seu maior desejo para esta existência foi integrar as muitas Facetas do seu Ser; contudo, primeiramente, elas precisam ser curadas e harmonizadas, de modo que possam ser preenchidas com Luz. Dessa forma, você não terá que enfrentar o desconforto, os desafios ou as interações cármicas da experiência da terceira e quarta dimensões, porque essa é a forma antiga. À medida que você permite que o seu Eu Divino o ilumine intensamente e o oriente, cada vez mais pensamentos inspirados virão até você. Existem muitas maneiras de permitir que o Espírito se manifeste por seu intermédio; apenas deixe que isso aconteça naturalmente, meu querido.

  O que lhe traz alegria e satisfação? Como você deseja servir? Existem muitas maneiras e você possui muitos talentos (mais do que poderá reconhecer), mas a escolha é sua. Apenas se lembre de que isso deve trazer-lhe alegria e fazer com que o seu coração cante, enquanto você oferece aos outros as dádivas que você recebeu. Sua recompensa será a Luz nos olhos deles, e a alegria que eles expressam, à medida que também permitem a integração do Espírito para criar os milagres em suas vidas.

  Chegou a hora de abrir mão do passado doloroso. Chegou a hora de reivindicar a sua mestria, criar a própria versão de paraíso, e, então, ensinar aos outros a fazer o mesmo. Ajude aqueles que vêm a você para curar suas feridas emocionais e seus corpos físicos, e, em seguida, eles estarão prontos para escutar as advertências do Espírito. Nós todos estamos nos tempos da grande mudança, que foi predita por milhares de anos. Você carrega internamente as frequências vibratórias refinadas do futuro, e você PODE fazer a diferença. Atraia o Amor/Luz da Criação do seu Eu Divino, utilize o que você precisar para trazer para si harmonia e saúde vibrante, e, então, permita que o seu gentil coração irradie o belo brilho da energia amorosa aos demais.

  Concentre-se no que está certo em seu mundo, olhe para o melhor naqueles ao seu redor, e isso é o que você reforçará e ajudará a criar. Você pode mudar o mundo que o rodeia, um pensamento de cada vez.

  Você tem guias angélicos maravilhosos, apenas esperando-o para ajudá-lo. Invoque-os e, juntos, vocês podem criar milagres para compartilhar com as outras pessoas. Permita que o ajudemos a realizar sua missão e acolhê-lo com o nosso amor.

EU SOU ARCANJO MIGUEL.
Fonte Original: www. RonnaStar.com
Tradução: Ivete Brito - Adavai@antares.com.br

                                Veja também: Crescendo em Mestria - (I)
                                                        Crescendo em Mestria - (II)
                                                        Crescendo em Mestria - (III) 

                                                        Crescendo em Mestria - (IV) 

                                                                   Crescendo em Mestria - (V)
                                                                   O Retorno da Deusa, Nossa Mãe Divina - (VI)
                                                                   Crescendo em Mestria (VII)
                                                                   Crescendo em Mestria - (VIII)
                                                                   Crescendo em Mestria - (IX)
                                                                   Crescendo em Mestria (X)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XI)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XII)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XIII)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XIV)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XV)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XVI)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XVII)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XVIII)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XIX)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XX)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXI)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXII)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXIII)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXIV)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXV)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXVI)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXVII)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXVIII)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXIX)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXX)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXXI)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXXII)
                                                                   Crescendo em Mestria - XXXIII)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXXIV)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXXV)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXXVI)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXXVII)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXXVIII)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XXXIX)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XL)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XLI)
                                                                   Crescendo em Mestria - (XLII)
                                                                             Crescendo em Mestria - (XLIII)
                                                                             Crescendo em Mestria - (XLIV)
                                                                             Crescendo em Mestria - (XLV)
                                                                             Crescendo em Mestria - (XLVI)
                                                                             Crescendo em Mestria - (XLVII)
                                                                             Crescendo em Mestria - (XLVIII)
                                                                             Crescendo em Mestria - (XLIX)
                                                                             Crescendo em Mestria - (L)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LI)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LII)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LIII)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LIV)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LV)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LVI)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LVII)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LVIII)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LIX)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LX)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LXI)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LXII)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LXIII)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LXIV)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LXV
                                                                             Crescendo em Mestria - (LXVI)
                                                                             Crescendo em Mestria - (LXVII)
                                                                                               Rayom Ra
                                                                    http://arcadeouro.blogspot.com.br