quinta-feira, 30 de junho de 2011

A Síntese da Inversão

  A grande preocupação daqueles que combatem o espírito é permanentemente trazer a sabedoria dos antigos iniciados para um patamar de crenças e ilusões onde não é possível uma comprovação pela ciência. Esta incansável perseguição prende-se a uma inversão do processo natural biológico e espiritual do qual céticos, ateístas e agnósticos se encontram enredados num mecanismo macabro de que não conseguem se libertar.
Foi Aristóteles o divulgador  maior da ideia, trabalhada na filosofia e na prática pelas terapias gregas, mas basicamente copiada dos iniciados orientais que tanto influenciaram a filosofia da antiga Grécia, bem como à sua gnose e medicina. Tudo está intimamente ligado e Aristóteles partiu para a análise discriminativa dos elementos, aparentemente isolados em seus diversos níveis de ação, separando a psique do soma, ou seja, a psique sendo a mente-alma ou anima e o soma sendo o corpo anatômico, o receptador último da mente com suas múltiplas faces. Hoje sabemos que a mente abrange todos os níveis da personalidade em dimensões inconscientes, subconscientes e conscientes, conformando um quadro muitas vezes dramático e caótico no íntimo do ego, resultante da combinação denominada psicossomática. Porém, a mente não está somente conectada com o órgão cerebral, pois sabem os hermetistas que ela não representa o elemento automatizador e vazio a determinar todas as ações e os movimentos físicos, mas se encontra plena e intimamente relacionada com o fortíssimo agente emocional da personalidade numa situação viva e consolidada por reações atávicas. A personalidade, ou ego inferior, diagramada modernamente para os estudos da psicologia esotérica detêm a visão de três departamentos principais – o físico, o emocional e o mental.

  Incontestável o arrebate do ser emocional nas conquistas e derrotas do ego em suas manifestações como personalidade. Embora a mente seja responsabilizada pelos efeitos saudáveis ou maléficos depositados no soma, e por muitos estudiosos esteja acondicionada no organismo cerebral como um produto deste, não é nenhum nem outro isoladamente. A mente é um substrato, como é o emocional. Ambos detêm veículos que são tanto receptadores como geradores. No hermetismo, são veículos diferentes com substâncias atômicas vibrando em padrões distintos, ligados por liames e pontes. Em suas expansões ao longo dos exercícios quantitativos, segundo a integração do ego com a vida, e com seu arbítrio e considerações de melhores seleções ou qualidade, podem suas matérias ou substâncias algo se misturar, e de fato se misturam em níveis limítrofes. Porém, mente e emoção nos egos agem quase instantaneamente, dando colorações diferentes às projeções de cada indivíduo. Nos egos mais evoluídos e menos estratificados pelas fortes correntes inferiores dos desejos, ou materialidade, o amálgama mente-emoção é sumamente benéfico, e as emoções sublimadas por visões e estímulos de maiores abstrações elevam o ego para situações de venturas, leveza e satisfações íntimas. É o exercício da consciência para a edificação, alinhamento e integração da ponte personalidade-alma-espírito.

  As doenças nem sempre anematizam o presente. Para que houvesse o banimento total e completo delas no planeta, seria necessário um balizamento sistemático de pensamentos e atitudes ao longo de um padrão perfeito e adequado, ético, moral e educacional, a fim de que, pela abrangência espiritual, fossem geradas sempre harmonia, equilíbrio e consequentemente boa saúde. Se isso fosse possível para 7 bilhões e meio de criaturas humanas nestes tempos atuais, o meio ambiente, por mais deteriorado que fosse, como hoje encontrado nas comunidades carentes e desprezadas pelos governos mundiais, não infectaria a saúde dos corpos da maneira como infecta. Pois os padrões vibratórios dos átomos mentais em consonância saudável com os átomos emocionais e físicos, não permitiriam a invasão virulenta ou microbiana danosa aos organismos biológicos da maneira sucessiva como acontece. Haveria doenças se os ambientes não estivessem sanados, o que seria praticamente impossível existir caso a massa humana evoluísse para padrões vibratórios mais altos, para uma realidade racial e natural inegoísta. Mas nesta hipótese, ainda que eventuais e raras doenças acontecessem, seriam mais fáceis de serem curadas, pois as contaminações somente encontram caminhos mais livres em corpos e almas desarmônicos e apropriados para as invasões.

  Supondo que as doenças sejam todas resultantes das desarmonias mentais e emocionais das populações mundiais, isso de forma alguma pode ser atribuído ou mensurado pela decorrência de uma só vida de tantos bilhões de encarnados. E a grande maioria dos psicólogos e psiquiatras não entende ou não admite esse fator autoexplicativo, pois o fator recai na filosofia oriental da causa e efeito – do carma. Daí que Aristóteles estabeleceu as diferenças de soma e psique para demonstrar não somente a realidade intrínseca do ego, embora não detalhada como os esotéricos hoje conhecem, mas também com a visão de que o indivíduo não tem funções biológicas, emocionais e mentais isoladas que venham gerar harmonias ou desarmonias. Isso remete a uma sucessão de vidas, de encarnações, em que todas as estruturas atômicas do ego detêm resultados parciais em suas memórias, que mais tarde em outras sucessivas vidas as energias retidas são inevitavelmente lançadas ao corpo biológico, mostrando efeitos visíveis. Em casos de energias destrutivas que se apresentam em males ou doenças, são comumente tratadas como causas físicas que se buscam curar com medicamentos cada vez mais fortes ou por inevitáveis cirurgias extirpadoras.

  Não supomos, não obstante, que uma humanidade mentalmente saudável não devesse prescindir de alimentação liberta dos condimentos deliciosos, mas arrasadores com a saúde e de outras fontes de prazer alimentar perniciosos, e nem prescindisse de hábitos físicos higiênicos extremamente importantes, e cuidasse de não externar violentas explosões emocionais. Caso isto não tivesse um melhor controle consciente num planejamento integrador para aperfeiçoar o ego, as doenças fatalmente ressurgiriam ou jamais deixariam de ser geradas. E se isso não for seguido em futuro próximo, nem daremos a partida para a sua erradicação, nem para a eliminação das deformações cerebrais e corpóreas e das más funções de órgãos que nos afligem.

  Mas que tem isso a ver com a conotação atéia, de um pragmatismo revelado pelo amargor e o ódio cético indisfarçáveis, persecutórios para com as religiões, o espiritismo e o esoterismo? A razão é que o ceticismo se insere na incapacidade de o crítico aperceber-se da realidade invisível aos seus olhos. Torna-se inútil tentar demonstrar ao cético que a curva evolucionária humana não se deu a partir da aceleração dos inventos científicos e da derrocada da escolástica religiosa. A ciência veio ocupar o lugar vazio na alma cética e atéia, que passou a conviver com essa idéia e com os postulados científicos, como se fora a única realidade palpável. Os ateus mais capacitados intelectualmente nos campos das experienciações científicas são egos que sempre conviveram com idéias materialistas, que nesse período planetário, nesse sistema solar, ou provindos de um sistema solar anterior, se projetaram para a Terra em prosseguimento de suas caminhadas encarnacionistas. O ceticismo férreo e irrebatível impregnado em seus egos traz como signo o inabalável selo forjado nas forças terrenas e negativas manobradas pela inteligência superior dos Senhores da Face Negra. O ateu, o cético experiente e sagaz encontrado em todos os ramos das profissões, principalmente nas áreas da pesquisa ou prospecção científica, é de um organismo a parte do momento evolucionário da Terra onde egos mais obedientes buscam avançar pela translucidez da alma e libertação da matéria. O cético, ao contrário, busca sempre aperfeiçoar-se na matéria e nela internar-se cada vez mais.

  A sabedoria do passado detém dos céticos o total desprezo. A ciência, antes praticada por alquimistas, iniciados na magia, no esoterismo dos símbolos vivos da alma, nas forças ritualísticas, na astrologia e em outras atividades incompreendidas das massas, levaram a Fraternidade Branca Universal a calcar essa sabedoria nas formas diversas das religiões, porque o momento evolucionário da humanidade assim o exigia. Esse fato é ao mesmo tempo ridicularizado e odiado pelos doutos da ciência materialista. Entretanto, toda a potencialidade mental e sensibilidade espiritual que bilhões hoje desfrutam, independentemente da moderna tecnologia na qual se lançam e dela se beneficiam, vieram sedimentadas, justamente, pelos estímulos levados a efeito por um trabalho interno, paulatino e coordenado em imensas populações onde as religiões, as mitologias, as filosofias espiritualistas e iniciações no âmbito sacerdotal e ocultista foram as ferramentas principais e válidas..

  Os tempos mudaram; eras luminares foram suplantadas por eras negras nos destinos da Terra. Isso foi impossível evitar-se, porque os egos já formados ou ainda em formação e a natureza inteira, tiveram de responder sempre aos influxos das energias cósmicas que assim se sucediam, como ainda se sucedem. A astronomia já foi sagrada e manobrada por mestres das ciências ocultas, onde esses fatores cíclicos, negativos e positivos, eram previstos com antecipação e adeptos da Fraternidade Branca abrissem ou fechassem as eras que influenciaram egos e reinos da Terra. Assim, o processo evolucionário controlado ampararia egos avançados e aqueles cujos carmas se moldavam em diversas escalas, mantendo-os nas ações dirigidas da fé, devoção e ensinamentos espirituais. Negativo x Positivo sempre em balanços, em dualidades, em oposições e compensações. Matéria x Espírito em profundos choques de identidades com as forças negativas e positivas.

  O ceticismo, porém, permaneceu sempre alheio a esses confrontos íntimos e forças que moviam. Sob os negros véus de seus Senhores milhões ignoravam a sutilização da alma, tratando os seus átomos mentais orientados unicamente para a objetividade. Esse véu foi sempre real, exarado das mentes dos Senhores da Face Negra, impregnando corpos e almas dos que com eles se identificassem. Uns avançaram nos caminhos do conhecimento oculto das forças negativas, ativaram e alimentaram seus chackras com os poderes da magia negra, tornando-se também adeptos negros. Outros permaneceram em escalões menores unicamente em seus labores da matéria, ligados, no entanto, com os Senhores da Face Negra pelas radiações de suas luzes escuras. Essas ações em favor da matéria, não permitiram aos seus possuídos adentrar por vontade própria nos redutos mais profundos de seus egos, a fim de trabalhar e sutilizar os canais que comunicam com a verdadeira alma, o Ego Superior.

  Permanecem os materialistas fechados para esta realidade interna na qual, sozinhos, não conseguem internar-se, pois a liberdade mais aberta implicaria na aceitação dos processos evolucionários, na quebra das barreiras materiais construídas há eons, solidificadas nas estruturas de seus egos-personalidades pela polaridade negativa. E, principalmente, implicaria na aceitação da alma como impulsionante das experiências válidas levadas a termo pelas reencarnações depurativas e a aceitação do sofrimento para os necessários avanços na luz.  

  Esta situação, no entanto, não pode ser mantida ad-infinitum. Até certo estágio das encarnações, embora decorram milhões ou bilhões de anos solares, a opção em não avançar pela depuração e sutilização do ego e reconhecimento diretor da alma, é respeitada pelas leis da natureza. Depois, a opção entra num processo ajustador de perda de identidade com a própria matéria e espírito. Deste modo, a massa de egos comuns, refratários e rebeldes à senda evolucionária - mesmo avançados intelectualmente - após incontáveis eras de prisão na matéria em mundos diversos, vê-se diante de uma via compulsória em dois segmentos distintos. É-lhes dada pela última vez a oportunidade de adentrar os caminhos da luz ditados pelo espírito ou mônada. Os que aceitarem terão o auxílio de missionários. Os que se negarem serão atraídos para um processador dissolutório de parte ou totalidade de seus egos em sucessivas encarnações invertidas. Assim é a lei.

Rayom Ra
                                                             
[Leia Rayom Ra (Rayom_Ra) on Scribd | Scribd em páginas on line ou em downloads completos ]
[Os textos do Arca de Ouro, por Rayom Ra, podem ser reproduzidos parcial ou totalmente, desde que citadas as origens ]