segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Crisálidas



                                Quem sois,
                                A desejar viajar ao mundo e sofrer por nós?
                                A este planeta cheio de generais,
                                De falsos heróis a pseudo santos,
                                De pregadores políticos a roqueiros sem lar,
                                Mensageiros de todas as espécies,
                                De profetas eletrônicos,
                                A tantos milhares de Barrabás?

                                Dizei-me, dizei-me ..., se sois capaz!
                                Com pés no chão e olhos presos no horizonte,
                                Sem a mente ilusionada por diversas vacilações,
                                Nem códigos, credos e sutras,
                                Lidos, relidos, sortidos,
                                Quantos dizeres terrenos, ó nosso Pai,
                                Amalgamados às nostalgias do tempo,
                                Que não vos ecoem mais?

                                Dizei-me, dizei-me ..., se sois capaz!
                                Eu vos imploro: do fundo de vosso coração,
                                Onde a mágoa escondida,
                                Mexe e remexe, sempre viva,
                                Pulsa, machuca, sangra e drena
                                Exatamente como antes,
                                Queimando-vos em brasas alquímicas,
                                E não vos deixa jamais!

                                Dizei-me, dizei-me ..., se sois capaz!
                                De adentrar livremente um caminho interno,
                                Até agora por ninguém exatamente trilhado,
                                Como o Único e Primeiro fez,
                                A Quem tudo deveis,
                                E decidistes segui-Lo sem prantos,
                                Que por Ele um dia morrestes,
                                E morrestes muitos dias mais?

                                Dizei-me, dizei-me ..., se sois capaz!
                                Para essa viagem transcendente,
                                Ao caminho que ainda não palmilhastes,
                                Sem bagagens temporais,
                                Não vos incomodem as conquistas passadas,
                                As glórias, amores, os risos e flores,
                                Que à margem, sem resquícios deitastes,
                                Com todas as magias ancestrais?

                                Dizei-me, dizei-me ..., se sois capaz!
                                De jurar ao vosso próprio coração,
                                Abjurar a todas as fantásticas quimeras,
                                E aspirar sem anseios a esta nova terra,
                                E findo o milagre da transmutação,
                                Nos cascalhos abrolhos a um canto deixar,
                                Vossas vestes surradas, suadas, sem cor,
                                Que nenhuma vos serve mais?   

                                Dizei-me, dizei-me..., se sois capaz!
                                Que nada vos prenda aqui e agora,
                                Simples, desnudo, indiferente,
                                Qual doce criança, ou noviço confiante,
                                Um novo universo, em vidas miríades,
                                E depois, nesta terra que agora sois vós,
                                Estareis às manhãs, às tardes, às noites,
                                Em ofertas sinceras daquilo que traz?

                                Dizei-me, dizei-me ..., se sois capaz!
                                De morrer via crucis sem nada pedir,
                                Nem nada impedir o que a vós predestina,
                                Mágoas, rancores, perdidos amores,
                                Lançados ao fogo da renovação,
                                E nas cinzas deixadas a história sereis,
                                Lágrimas róseas, douradas, azuis,
                                Crisálidas vivas em parto de paz?

                                Dizei-me, dizei-me ..., se inda sois capaz!

                                Rayom Ra
                                                           Em, 22-09-2014

[Leia mais Rayom Ra (Rayom_Ra) on Scribd | Scribd em páginas on line ou em downloads completos]
 

Um comentário:

  1. Do fundo deu meu ser puro eu rendo graças as suas palavras que inspiram o estudo e minha busca pelo aut0-conhecimento. Muito inspirador... já estou a 3 horas lendo seus textos e a cada minuto me sinto mais tocado pela minha verdade. Que o bem maior que rege o universo possa iluminar seus passos de libertação e reencontro com o sagrado.

    ResponderExcluir