sábado, 24 de agosto de 2013

Lições de Ocultismo (I) - Djwal Kuhl

     

                     EFEITOS NAS CONSTRUÇÕES DE PENSAMENTOS-FORMA
                                                  
     A necessidade de pensar claramente e da eliminação dos pensamentos ociosos, destruidores e negativos se torna aparente enquanto o aspirante progride em seu caminho. À medida que o poder da mente aumenta e o ser humano crescentemente diferencia seu pensamento do pensamento das massas, ele inevitavelmente constrói substância de pensamento na forma. Ele não pode impedir que assim seja e, felizmente, para a raça, as formas construídas são tão débeis e grandemente inócuas, ou tão em linha com o pensamento das massas, que são desprezíveis em seus efeitos.
     Mas na razão em que o homem aumenta o seu poder, e sua capacidade para ferir [ou ajudar também aumenta] – e a menos que ele aprenda corretamente a construir e a motivar aquilo que construiu, ele se tornará um agente destruidor e um centro de força prejudicial – destruindo e ferindo não somente a si mesmo, como logo veremos, mas igualmente ferindo e prejudicando aos que vibrarem eu sua nota.

     Tudo isto estabelecido, vocês poderiam justamente indagar: “Haverá algumas regras simples que o iniciante sério e sincero possa aplicar a esta ciência da construção, tão claras e concisas que produzam o necessário efeito?”. Há, e eu as exporei simplesmente, de modo que o iniciante, se as seguir, escapará aos perigos da magia negra e aprenderá a construir de maneira alinhada com o plano.

     Se seguir as regras que darei evitará o intricado problema que teria cegamente elaborado e que de fato fecharia a luz do dia, escureceria o seu mundo e o aprisionaria em paredes que seriam para ele a sua própria e peculiar grande ilusão.

     Estas regras poderão parecer muito simples para o aspirante erudito, mas para aqueles que desejam tornar-se como criancinhas, elas serão consideradas um guia seguro para a verdade e finalmente tornar-se-ão capazes de passar nas provas para o adeptado. Algumas estão ocultas em termos simbólicos, outras são necessariamente cegas, e ainda outras expressam a verdade tal como ela é.

1.   Visualiza o mundo do pensamento e separa o falso do verdadeiro.

2.   Aprende o significado da ilusão, e em meio a ela localiza o fio dourado da verdade.

3.  Controla o corpo da emoção, pois as ondas que se elevam nos tempestuosos mares da vida engolfam o nadador, encobrem o sol e tornam fúteis todos os planos.

4.   Descobre que tens uma mente e aprende o seu lado dual.

5.   Concentra-te no princípio do pensamento e torna-te o mesmo do teu mundo mental.

6.   Aprende que o pensador e seu pensamento e aquilo que é o meio do pensamento são diversos em sua natureza, conquanto unos na realidade última.

7.   Age como o pensador e aprende que não é correto prostituir o teu pensamento no uso vil do desejo separativo.

8.  A energia do pensamento é para o bem de todos e para o desenvolvimento do Plano de Deus. Não a uses, portanto, para os teus fins egoístas.

9.   Antes que um pensamento-forma seja construído por ti, visualiza o seu propósito, assegura-te do objetivo e verifica o motivo.

10. Para ti, o aspirante no caminho da vida, o caminho da construção consciente ainda não é a meta. O trabalho de limpar a atmosfera do pensamento, de cerrar firmemente as portas do pensamento ao ódio e à dor, ao medo, ciúmes e baixo desejo, deve anteceder ao trabalho consciente da construção. Observa a tua aura, ó, viajante no caminho.

11. Observa atentamente os portões do pensamento. Vigia o desejo. Elimina todo o medo, todo o ódio, toda a cobiça. Fica atento e olha para o alto.

12. Porque tua vida está predominantemente centrada no plano da vida concreta, tuas palavras indicarão teu pensamento. A estes presta toda atenção.

13. O falar é de tríplice aspecto. AS PALAVRAS VÃS produzirão, cada uma, o seu efeito. Se boas e compreensivas, nada precisará ser feito. Se, de outro modo, não se poderá impedir retardar por muito tempo que se pague o preço.
       AS PALAVRAS EGOÍSTAS emitidas com forte intento, constroem uma parede de separação. Leva-se muito tempo para quebrar aquela parede e assim libertar o propósito egoísta armazenado. Observa o teu motivo e procura usar aquelas palavras que fundam tua pequenina vida com o grande propósito da Vontade de Deus.
       AS PALAVRAS DE ÓDIO, a fala cruel que arruína àqueles que sentem sua pronúncia; a maledicência venenosa, levada adiante porque dá sensação – estas palavras matam os vibrantes impulsos da alma, cortam pela raiz a vida e assim trazem a morte.
       Se faladas à luz do dia, justa retribuição lhes será dada; quando faladas e então registradas como mentiras, fortalecem aquele mundo ilusório no qual o orador vive e retarda a sua liberação.
       Se pronunciadas com intenção de ferir, de destruir e matar, elas retornam àquele que as enviou e a ele destruirão e matarão.

14. O pensamento vão, o pensamento egoísta, o cruel pensamento odioso, se transformados em palavras, produzem uma prisão, envenenam todas as fontes de vida, levam à enfermidade e causam desastres e atrasos. Portanto, sê doce e bondoso na medida da tua capacidade. Mantêm o silêncio e a luz penetrará.

15. Não fales de ti. Não lamentes o teu destino. Os pensamentos do ego e de teu destino inferior impedem a voz interna de tua própria alma, de sensibilizar teu ouvido. Fala da alma; amplia o Plano; esquece-te de ti mesmo, construindo para o mundo. Assim é a lei da forma neutralizada. Assim pode a lei do amor penetrar naquele mundo.

     Estas simples regras estabelecerão corretas fundações para o desenvolvimento do trabalho mágico e tornarão o corpo mental tão claro, tão poderoso que o motivo correto controlará, e o verdadeiro trabalho na construção será possível.

   Muito do significado destas regras terá que permanecer teórico e considerado como um desafio, até um tempo tal em que o verdadeiro trabalho mágico da construção dos pensamentos-forma se torne universalmente possível. A fórmula, conforme vimos, permanecerá desconhecida para todos, salvo os membros da Hierarquia de Adeptos, por muitas eras vindouras. As palavras direcionais são passíveis de confirmação, mas somente àqueles que estiverem trabalhando conscientemente sob a orientação de suas próprias almas e que, através do controle mental praticando a meditação profunda, consigam manipular a matéria do pensamento, tornando-se "criadores conscientes".

     Estes podem pronunciar as palavras impulsionadoras que trazem à existência aquelas novas formas e organismos, aquelas expressões de ideias e aquelas organizações que vivem seu ciclo de vida e servem ao seu propósito, e assim chegam devidamente ao seu fim previsto e oportuno.

     Estes criadores são os líderes e organizadores, os instrutores e os guias em todas as fases da vida humana. Seu som se propaga para todos os países e sua nota é internacionalmente reconhecida. Centenas de tais nomes são facilmente lembrados e se projetam de modo espontâneo na mente. Eles vivem na memória da multidão e aquilo que vive é o som de sua realização, seja ela boa ou má.

     Mas na frase que devemos considerar, nós encontramos uma função universal, muito embora ela seja levada adiante, na maior parte das vezes, inconscientemente.  As palavras com as quais teremos de lidar, são as seguintes: 

     Finalmente, emitir a frase mística que o salvará de seu trabalho.

     Portanto, parece que no fim do trabalho mágico de criação, uma frase precisará ser enunciada, que efetue uma salvação e produza libertação de uma espécie dual – uma libertação do agente criador da forma que ele criou e a emancipação daquela forma do controle daquele que a trouxe à existência.

     É obvio que já a natureza da fala em relação com as ideias incorporadas está, de algum modo, sendo compreendida. Estudem o método da fala que é agora o principal fator empregado para “lançar uma idéia”. Notem como todas as invenções (que não são nem mais nem menos do que conceitos incorporados) vêm à existência exotérica no plano físico através do poder da palavra falada e considerem também com cuidado o significado oculto subjacente a todas as ocorrências, todos os encontros, todas as consultas e todas as discussões que se ocupam com o lançamento de alguma idéia ou conjunto de ideias sobre o mar da necessidade política.

     Não será possível que, sob os modos de ação empregados pelas agências de anúncios e do constante treinamento dado aos vendedores no uso da palavra falada, como um meio de aproximação ao público com o objetivo de vender uma ideia, encontraremos as primeiras indicações forçadas das emanações daquelas frases místicas que trarão à existência a criação da alma em todos os campos das inciativas criadoras?

     O treino da opinião pública, a utilização de slogans, a tendência para incorporar os conceitos em frases adequadas, são parte da crescente conscientização quanto ao trabalho mágico. Todos esses meios são empregados cegamente e sem verdadeira conscientização; eles constituem uma parte das atividades emergentes de uma humanidade que está na iminência do verdadeiro trabalho criador, os princípios do qual não são ainda compreendidos nem aplicados cientificamente. Mas eles de fato apontam o caminho e sob a simplificação que marca o retorno à síntese, nós teremos a cessação da fala e utilização de formas mais simples.

     Sob a pressão evolutiva nós tivemos o Som Criador, a Palavra, a Fala. Esta última, por sua vez, diferenciou-se em palavras, frases, locuções, parágrafos, livros, até que agora nós temos a era em que esta diferenciação chegou ao seu máximo, e temos discursos a todas as horas do dia e da noite; temos o uso da plataforma pública para alcançar o ouvido público; do rádio para alcançar todas as classes e raças da humanidade (hoje mais ainda: cinema, televisão, internet, vídeos, celulares, etc – r/r) num esforço para modelar a opinião pública e introduzir-lhes certas ideias e conceitos na consciência. Temos publicações de livros aos milhões e todos desempenhando o seu papel na mesma grande obra, e temos, ao mesmo tempo, ambos os métodos de comunicação sendo prostituídos para os fins egoístas e propósitos ambiciosos daqueles que falam e escrevem. Entretanto, há uns poucos verdadeiros criadores que estão tentando fazer ouvir o seu som, estão pronunciando aquelas palavras místicas que capacitarão a humanidade a ter a visão. Assim serão finalmente dispersas as nuvens de pensamentos-forma que atualmente encobrem a clara luz de Deus.

     O assunto é muito vasto para que o esgote neste Tratado. Eu apenas procuro trazer sugestões que levarão até o leitor inteligente alguma ideia do enorme progresso já feito no trabalho mágico. Desta maneira, ele será capaz de prosseguir com otimismo sabendo que até agora tudo foi bom na medida em que o homem progrediu no conhecimento. Do presente burburinho de discursos e palavras, de conferências e livros, uns poucos claros conceitos seguramente emergirão vindo encontrar eco nos corações dos homens. Assim também os homens serão conduzidos para a Nova Era, na qual "o falar cessará e os livros de nada valerão"; pois as linhas da comunicação subjetiva estarão abertas.

     Os homens reconhecerão que o ruído atua como obstáculo à comunicação telepática. A palavra escrita não será tão pouco necessária, pois os homens usarão símbolos de luz e cor para suplementar através do olho o que o ouvido subjetivo tiver registrado. Mas ainda não é chegado esse dia, muito embora o rádio e a televisão sejam os primeiros passos nesta direção.

     Pondo a verdade tão simplesmente quanto possível, poderíamos afirmar que através da complexidade do muito falar e publicar livros, as ideias estão agora podendo tomar forma e assim percorrer o seu ciclo de atividade. Mas este método é tão insatisfatório no campo do conhecimento quanto é o antigo candeeiro a óleo no campo da iluminação. A luz elétrica superou-o e algum dia a verdadeira comunicação telepática e a visão [interior, hoje esotérica] tomarão o lugar da fala e dos escritos.

     Transportando os mesmos conceitos para o campo do verdadeiro trabalho esotérico, nós temos o trabalhador na matéria mental construindo seu pensamento-forma  e "confinando as vidas" que expressam e respondem a sua ideia dentro de um "circulo-não-se-passa". Este último persiste por tanto tempo quanto a atenção de sua mente e daí sua energia animada estar dirigida para ela. Este trabalhador pronunciará as palavras que capacitarão seu pensamento-forma a realizar sua obra, cumprir a missão para a qual foi construído e realizar o propósito para a qual foi criado. Tudo que foi elaborado até então, em conexão com as palavras usadas no trabalho criador, é a palavra sagrada sétupla AUM. Esta, quando corretamente usada pela Alma no plano mental, vitaliza e impulsiona todos os pensamentos-forma, e assim produz uma tarefa bem sucedida.

     É interessante registrar que nos dias de Atlântida, a palavra usada era TAU, enunciada explosiva e tão forçadamente que os pensamentos-forma assim energizados e impulsionados, agiam inevitavelmente como um boomerang, voltando para aqueles que os enviava. Esta palavra TAU, em sua forma simbólica, é igualmente o símbolo da reencarnação. É o desejo pela forma que produz o uso da forma e causa um renascimento cíclico e constante na forma. Foi o constante uso do TAU, igualmente, que provocou a inundação final que varreu a antiga civilização atlante. Os poucos que usavam o AUM, naqueles dias, não eram bastante potentes para expelir a força do desejo. Os corpos mentais da raça não podiam responder àquele mais novo som criador. A humanidade era ainda inteiramente dominada pela saudade e desejo, a tal ponto que o desejo unido pelas possessões e gozo da forma lançou os homens esotericamente "nas águas".

     O desejo pela forma ainda força sobre a humanidade o constante processo do renascimento, até que o tempo em que a influência do TAU se esgote e o som do AUM possa dominar. A influência daquele TAU está, todavia, enfraquecendo e a do AUM aumentando em potência, até que se torne o fator dominante. A este último som a palavra da Alma deverá finalmente suceder, até que o AUM, por sua vez, seja inteiramente superado.

     O som de muitas águas (que é a maneira simbólica de expressar a influência do TAU) cessará e o tempo virá, como nos é assegurado na Bíblia Cristã, em que "não haverá mais o mar". Então o som do AUM, simbolicamente referido como o "rugir de um fogo abrasador", que é o som do plano mental, tomará seu lugar. A palavra da Alma não pode ser dada exceto no lugar secreto da iniciação. Ela tem sua própria e peculiar vibração e nota, mas esta não pode ser transmitida, senão quando o AUM for usado com correção. Assim como o TAU, transportando a nota do desejo e a necessidade de ter e de ser, que foi mal usado e levou a um desastre a sua civilização, também o AUM pode ser mal usado e levar suas civilizações para o fogo. Esta é a verdade que realmente está por trás do mal compreendido ensinamento cristão, relativo ao fogo do inferno e ao lago do fogo. Eles retratam simbolicamente o final da era quando as civilizações do plano mental chegarão a um final cataclísmico, no que se refere ao aspecto forma, assim como as civilizações anteriores foram consumidas pela água.

     Darei aqui uma pista, frequentemente desprezada. No plano mental não existe o tempo; portanto, a equação do tempo não entra na idéia de uma consumação final pelo fogo. Não há fixação da época para um desastre ou para uma catástrofe. O pleno efeito terá lugar no reino da mente e não se poderá dizer que mesmo agora o fogo da ansiedade, angústia, preocupação e medo estará consumindo nossos pensamentos e ocupando a nossa atenção mental? Seu trabalho é purificar e limpar; portanto, deixem que o AUM faça seu trabalho e todos vocês que puderem, empreguem-no com frequência e com pensamento correto de modo que a purificação do mundo possa prosseguir em bom ritmo.

     Muito do que impede o caminho para a emergência de novas ideias, das novas formas arquetípicas, precisa ser queimado e consumido. Estas finalmente dominarão a Nova Era, e tornarão possível à palavra da alma soar e ser ouvida exotericamente.

     Avalio que seja difícil compreender o que expus aqui, mas os parágrafos acima citados previnem contra o descuido e dão muita instrução para o sério pesquisador da luz.

     Há dois aspectos desta frase que estamos considerando, com os quais me ocuparei sumariamente. Há muitos que eu poderia tomar, mas dois serão suficientes para fornecer sugestões práticas e indicar ideias que os aspirantes em todas as partes fariam bem em adotar. O pensamento da salvação do efeito das ideias incorporadas à forma deve ser considerado, e Eu gostaria também de cobrir a ideia de uma salvação sob dois títulos.

     O aspirante tem que ser salvo dos pensamentos-forma construídos diariamente durante sua vida mental, e uma alma em encarnação tem também que ser salva das aderências à forma que durante épocas cresceram e se fortaleceram, ao que nós chamamos de morte. Dividiremos, portanto, nosso assunto, tal como segue:

     1. Salvação do poder exercido pelos pensamentos-forma que nós mesmos criamos.
    2. Salvação do poder do corpo tríplice que a alma construiu, através da libertação mágica chamada morte.

     É com a última que desejo primeiramente lidar, mas certas coisas precisam ser ditas relativamente ao poder dos pensamentos-forma, relacionadas com seu perigo e o modo pelo qual podem ser tornados inócuos.
                                              [Um tratado Sobre Magia Branca]

                                                            [Segue Parte II]

Rayom Ra

[Leia Rayom Ra (Rayom_Ra) on Scribd | Scribd em páginas on line ou em downloads completos ]

Nenhum comentário:

Postar um comentário