domingo, 3 de janeiro de 2016

O Segredo de Satan - (I)

From Milton's Paradise Lost.
                                                          De Milton, “O Paraíso Perdido”

  “No princípio Deus (Elohim) criou os céus e a terra. A terra, porém, era sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo”. – Gênesis 1:1, 2.

“Pois Satan é [trevas] o Espírito do Temor ao Senhor, o que é o princípio da sabedoria. Ele é o devorador do insensato e do mal; eles todos serão o alimento e a bebida dele. Tudo o que ele devora nunca mais volta a existir.

  Temei-o. Pois, após matar ele tem o poder de lançar ao inferno.
  Mas ele é o servo das Crianças de Deus e das crianças de luz. Elas seguirão adiante dele e ele seguirá os passos do sábio. – Anna Kingsford.

  “Até as próprias trevas não te serão escuras; as trevas e a luz são a mesma coisa”. Salmo 139:12

  Neste primeiro gráfico (por um autor desconhecido), inspirado pelo famoso poema inglês “Paraíso Perdido” por Milton, vemos Satan deixando a Corte do Caos e abaixo a seguinte citação:

  Se o Logos emergiu de dentro do Divino Incognoscível, o Diabo deu a Ele liberdade para fazê-lo”. – Samael Aun Weor.

  Isto ilustra nossa própria individual condição primordial divina. Trevas ou Satan está encabeçando todos os nossos elementos caóticos fora do caos, a fim de se rebelar contra a harmonia do universo criado e estabelecido pelos deuses, os Elohim. Também ilustra a causa da nascente do universo. Cosmologicamente, temos de estabelecer que no esotericismo há dois tipos de caos. Primeiro, o caos em repouso ou inativo. Segundo, o caos ativo ou movente. Isso é muito descritivo, Satan é tirado de todos os elementos passivos do Caos em repouso a fim deles entrarem em atividade. Esses elementos caóticos podem somente entrar em atividade manifestando-se eles próprios no universo através da energia criativa.

  Para compreender o crescimento do universo precisamos compreender os três aspectos do Espaço Abstrato Absoluto.

  Acima do gráfico da Árvore da Vida encontramos os três nomes misteriosos em Hebreu, chamados o Ain, o Ain Soph e o Ain Soph Aur que no idioma inglês significam respectivamente: Nada [Vazio], Ilimitado e Luz Ilimitada; esses são os três aspectos do Espaço Abstrato Absoluto, dentro do que encontramos a causa do universo. A fim de compreender isso precisamos utilizar a palavra Gnose, que é uma palavra grega significando conhecimento. Então, precisamos representar do ponto de vista cabalístico, que no interior do Eterno Universal Pai Cósmico Comum existem três tipos de Mônadas – Mônadas, do Grego Monas, significando unidade. Imaginemos o Espaço Abstrato Absoluto como um oceano ilimitado onde encontramos esses três tipos de pontos ou unidades que formam tal e ilimitado vasto espaço.

  Cada um de nós, sem exceção, é o resultado final de uma partícula do Espaço Abstrato Absoluto, que habita no interior da mais remota profundidade de nosso Ser. Essa partícula é chamada Ain Soph, sendo nossa própria e particular estrela atômica que tem a tarefa de conhecer-se a si mesma. Eis por que estabelecemos três tipos de Mônadas, ou melhor dizendo, três tipos de Ain Sophs ou Unidades dentro do Espaço Abstrato Absoluto.

  Relativamente a isto, um provérbio árabe do século 12 diz:

  1. Aquele que não sabe e não sabe que não sabe é um tolo. Tenhamos pena dele.
  2. Aquele que não sabe e sabe que não sabe, quer aprender. Ensinemo-lo.
  3. Aquele que sabe e sabe que sabe é um sábio. Ouçamo-lo.

  As Mônadas que “não sabem e não sabem que não sabem” são precisamente as Mônadas que constituem o caos desordenadamente, que Satan, aqui neste gráfico, as está guiando na criação. Essas Mônadas têm de ser impelidas por Satan na criação, por que a criação do Universo ocorre a fim de que essas Mônadas adquiram cognição, conhecimento delas próprias, sendo este o único objetivo ou razão de existir o Universo.

  Podemos chamar o segundo tipo de Mônadas de ‘Socrático’, uma vez que Sócrates disse: “Eu só sei que nada sei!”.  Pois, para uma Mônada alcançar o nível Socrático, será somente possível através da Criação. Daí, a Terra – de Mônadas caóticas e Mônadas Socráticas estando em Tohu Vebohu – estar mencionada como vazia e informe. Ainda que as Mônadas Socráticas saibam como pairar face às águas a fim de trazer luz às trevas.

  O terceiro tipo de Mônadas é das que “sabem e sabem que sabem” e, por conseguinte, compreendem às Mônadas que sabem, às Mônadas Socráticas e às Mônadas caóticas. Em Sânscrito, as Mônadas que sabem e sabem que sabem são chamadas “Paramarthasatyas”, estando imersas no núcleo interior do Absoluto, ou Pai Cósmico Universal Comum, bastante distantes da limitada compreensão das Mônadas tipos 1 e 2. Nesse Universo, somos o resultado final tanto das Mônadas que “não sabem e sabem que não sabem”, bem como das Mônadas que “não sabem e não sabem que não sabem”.

  Mestre Samael Aun Weor disse: Os Paramarthasatyas, aqueles seres de Luz inefável, estando imersos dentro do Absoluto, de vez em quando descem de suas elevadas regiões a fim de ajudar a humanidade. São os grandes Avatares, os grandes reformadores, aqueles que desde a aurora dos tempos têm estado a vigiar a humanidade.

  Assim, o universo existe para a finalidade de as Mônadas adquirirem cognição delas próprias. Anjos decaídos também existem. São aqueles que “sabem e não sabem que sabem” por que caíram em sono e perderam seus graus de raciocínio. Deste modo, precisam ser despertados. Caíram por suas próprias vontades, pois o Eterno Pai Cósmico Universal Comum, O Espaço Abstrato Absoluto não é uma Seidade ditatorial. Compreendamos que uma Seidade não é uma Divindade.

  Divindade é um termo aplicado para qualquer Mônada que se manifesta no Universo, ainda que Seidade seja um termo que se aplique ao Espaço Abstrato Absoluto, que não é uma Divindade, porém que está além de qualquer tipo de personalidade divina ou humana. Está além de qualquer tipo de compreensão divina ou humana. Ainda assim, necessitamos da compreensão cabalística ao que seja Seidade, isto, no sentido de compreendermos um pouco sobre o Espaço Abstrato Absoluto desde que o Universo foi criado, tenha existido e emergido Daquele.

  Cada Mônada traz em seu seio os três átomos criativos do Absoluto, chamados na Kabbalah: Kether, Chokmah, Binah; no Cristianismo: Pai, Filho e Espírito Santo; no Induísmo: Brahma, Vishnu, Shiva. No Induísmo há a frase que estabelece – Brahma dorme e Brahma precisa acordar. Em outras palavras, Parabrahman, o Ain Soph, está dormindo e para acordar ele precisa pôr em atividade Brahma, Vishnu, Shiva.

  Assim, a fim de que qualquer Mônada venha adquirir Paramartha [verdade absoluta] para despertar a consciência, se faz necessário expressar seus próprios poderes criativos; no princípio, a expressão: os próprios poderes criativos da Mônada precisam ser conduzidos pelos criadores do cosmos, ou aqueles que sabem e sabem que sabem.

  Desta maneira, no sentido de realizar esse trabalho da criação e adquirir absoluta verdade, conhecimento ou consciência de si próprio, o Espaço Solar Abstrato Absoluto contrai e emana de si próprio aquilo que Gurdjieff chama o Theomertmalogos, significando: O Verbo de Deus que transforma. Esse Theomertmalogos ou transformador Verbo do Poder de Deus é o que, nesses dias e Era, as pessoas chamam Lúcifer.

  Vejamos que a palavra Lúcifer não é encontrada na Bíblia Hebraica, embora muitos fanáticos religiosos associem a palavra Latina Lucifer com o nome Hillel encontrado em Isaias 14:12, onde está mostrado em Inglês: “Como caíste do céu, [הילל בן־שחר Hillel Ben Shahar], ó estrela da manhã, filho do alva!”.

  Lúcifer está colocado lá ao invés do Hebreu Hillel, que não traz nenhum sentido por que Hillel não significa Lúcifer, ao invés, “lamentar ou chorar”. Lúcifer não é uma palavra Hebraica, e sim, Latina. É uma tradução para o Hebreu do Latim feita pelos monges da Igreja Católica a fim de explicar a descida da luz [Lux, Luci em Latim].

  Em Latim, Lucifer significa “portador de luz”, Luci-Lux-Luz mais Ferre “carrega”, também em Grego “pherein”, carregar. Lucifer está relacionado com [בן־שחר Ben Shahar] o filho da aurora ou Vênus, a brilhante estrela da manhã. Está relacionado com o que Jesus diz em Revelação 22:16.

  Eu sou a raiz e a geração de Davi, a brilhante estrela da manhã”.

  Temos também mencionado em muitas palestras que a barca ou portador da luz é o fogo, que na mitologia Grega é conduzido por Prometeu e em Grego significa “aquele que percebe antes de acontecer”, por conta de sua Prometéia ou prestidigitadora. Desse modo, o Hillel Hebreu está erroneamente traduzido como o Lúcifer latino que é o mesmo Prometeu grego. E de novo não encontramos a palavra Lúcifer em Hebreu, que é o idioma original da Bíblia, uma vez que Lúcifer é uma palavra latina. É muito importante compreender isto por que em Hebreu a sombra de בן־שחר Ben Shahar, o Theomertmalogos, o filho da aurora, o Elohim criador, é chamado Shatan ou Satan, que em Hebreu significa “o adversário”. Então, שטן Satan é o adversário de בן־שחר Ben Shahar, Lúcifer, o Logos.

  No gnosticismo explicamos que Satan é precisamente a queda de שחר Ben Shahar, a primeira emanação da luz do Absoluto Solar, o Ain Soph Aur, através de todas as sephiroth da Árvore da Vida até finalmente alcançar a décima sephirah, Malkuth, e descansar precisamente no exato centro, em seu núcleo, na nona esfera – o sexo. Lamentavelmente, devido ao caótico estado em que estamos e que qualquer Mônada está em Malkuth, a Terra, nossa fisicalidade, aquela luminosa força chamada em Hebreu בן־שחר Ben Shahar e Lúcifer em Latim se encontra transformada em שטן Shatan, devido nossa ignorância.

  Contudo, Shatan a sombra da luz, é o único elemento que temos de בן־שחר Ben Shahar, a luz da aurora e com a qual podemos nos transformar a fim de nos tornarmos como Elohim e eventualmente Paramarthasatyas, ou seja, em Seres que sabem e sabem que sabem. Eis por que no terceiro capítulo do livro de Gênesis, depois de terminado o sétimo dia da criação – Nahash, a serpente aparece na árvore do conhecimento e diz:

  Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal” – Gênesis 3:5.

  Assim, conhecendo o bem e o mal ali estará o inteiro cerne da criação; assim é por que Mestre Samael Aun Weor escreveu em seu livro “Tarô e Cabala”: se o Logos [Theomertmalogos] surgiu do seio do Incognoscível Divino, o Diabo deu-Lhe liberdade para fazê-lo.

  Verdadeiramente, desde que o Diabo ou a sombra de Deus não estivesse presente lá no momento da criação, carregando todos aqueles elementos caóticos a fim de adquirir conhecimento, qual então teria sido o objetivo do universo? Qual então seria a razão do existir deste vasto Megalocosmos ou infinito? O planeta Terra não é o único planeta a possuir Mônadas. Mônadas existem em toda parte, em todos os planetas do universo. Nós, terráqueos, não somos os únicos a termos o privilégio de existirmos neste universo, a despeito do que os ignorantes possam achar. Não somos o único planeta com vidas humanas e não somos o centro do universo. Compreendamos que Mônadas habitam os milhões de terras ou planetas por todo o universo.

  Na Kabbalah, nosso Ain Soph está representado pela letra Hebraica “Hei” e os três átomos primordiais criativos que os têm em seu interior, são representados pelas letras Hebraicas “Yod-Hei-Vav”. Daí, se tomarmos estas três letras Hebraicas mais o “Hei” do Ain Soph, então temos “Yod-Hei-Vav-Hei”, que é o sagrado nome cabalístico de Deus onde, na Bíblia, está traduzido como Jehovah. Está escrito:

  “Andarei na Presença do Senhor [יהוה Jehovah] nas terras dos viventes”. [Salmo 116:9]. Por Terras o salmista vem significar nossa Terra ou mundo, que é um dos sete mundos ou Terras [rondas] referidas por David. – Zohar.

  Antes da criação desta ronda ou do presente céu e Terra, o Theomertmalogos criou outras Terras e as destruiu, reduzindo-as a um estado de tohu va-bohu [sem forma e vazia]. Nossa atual Terra ou quarta ronda não escapará à mesma sorte daquelas Terras anteriores. É isto o que temos de compreender em relação ao enunciado; “Se o Logos [o Theomertmalogos] surgiu do seio do Incognoscível Divino, o Diabo deu-Lhe liberdade para fazê-lo”. Deste modo, o universo repousa sobre duas atividades ou aspectos, chamados, o dia cósmico e a noite cósmica que em Sânscrito são conhecidos por Mahamanvantara e Mahapralaya. Manvantara significa dia cósmico ou manifestação da criação, e Pralaya significa noite cósmica ou dissolução da matéria; maha significa grande.

  Precisamos ressaltar e esclarecer que não existe um dia cósmico para o existente e inteiro universo, mas ao invés disto existem muitos dias cósmicos para as diferentes unidades cósmicas. Por exemplo, neste auditório temos muitas pessoas com diferentes idades, nascidas em diferentes datas, que morrerão em diferentes dias, e ainda assim todos nós estamos juntos agora. Se alguém definisse que todos tivéssemos nascidos no mesmo dia e morreríamos exatamente no mesmo dia, isso seria absurdo. Do mesmo modo, o universo, planetas, sóis, cometas, etc. tendo nascido em dias diferentes, morrerão em dias diferentes. Cada unidade cósmica tem seu próprio individual particular dia cósmico, e individual particular noite cósmica. É assim que temos de entender a criação do universo e não com aquela teoria idiota do big bang conforme é retratada. Somente um tonto avoado acreditaria estupidamente que o universo começou de uma explosão que tenha acontecido fortuitamente.

  A bomba atômica foi criada pela inteligência maligna de ignorantes e não explode aleatoriamente.

  Por conseguinte, para que compreendamos a inteligência cósmica por trás da criação, que é do que estamos aqui tratando, necessitamos deste conhecimento, desta inteligência em nós.

  Dessa maneira, durante a manifestação de um dia cósmico de um planeta, nem todas as Mônadas manifestadas adquirem cognição (ou a meta do autoconhecimento) mesmo que algumas delas desenvolvessem super esforços a fim de obter o autoconhecimento. Assim, quando a noite cósmica ou dissolução daquele planeta particular ou cósmico entra em atividade, então as Mônadas que adquiriram autoconhecimento retornam triunfantes ao seio do Absoluto; ainda, aquelas que não voltaram assim (devido aos seus muitos erros) terão de retornar mais tarde a fim de pagar seus carmas cósmicos durante o próximo dia cósmico ou manifestação cósmica daquela particular unidade [parte de um universo]. Ou, conforme enunciado na filosofia Indu, se você não alcança a meta nesta presente manifestação ou reencarnação, não se preocupe. Talvez na próxima reencarnação consiga. Naturalmente, só se continuar fazendo sua obrigação cósmica. Então, assim como a alma humana reencarna e retorna, do mesmo modo a alma dos mundos retorna.

  Muitas são as Mônadas que alcançam alto conhecimento e, por conseguinte, entram em níveis mais elevados de consciência, e, não obstante, não alcançaram a auto-realização. Essas são os Deuses ou Elohim que cometeram muitos erros e é por isto que devem retornar ao universo a fim de continuar sua ativa manifestação, uma vez que nesse universo existe uma eterna lei universal chamada carma ou causa e efeito.

  O carma não pode coexistir no Espaço Abstrato Absoluto; portanto, se há carma lá, está em suspenção, em virtude de que tudo durante a noite cósmica está na absoluta felicidade.

  Assim, quando aquela noite cósmica termina e outro dia cósmico começa, os deuses que não se aperfeiçoaram têm de voltar à manifestação, que eles não gostam, pois quando se tem o conhecimento de si próprio e do universo, então se desfruta da posição alcançada no seio do Eterno Universal Pai Cósmico Comum.

  Porém, a lei é a lei e tem de ser cumprida integralmente. E aquele que conhece perfeitamente bem a lei de Katancia (Carma dos Deuses) é a sua própria particular individualidade, Satan. Uma vez que Satan existe em cada um de nós, ainda que em diferentes níveis. Nesse sentido, se nossa própria e particular individualidade Satan é escura, negra como o carvão, é devido a não termos alcançado ainda a auto-realização e alguns de nossos próprios elementos cósmicos estão ainda em caos. No entanto, se aquele Satan for luminoso será por que o teremos transformado em Lúcifer. Então, se tal Mônada quer descer, deixa-se que aquela Mônada desça; ou, ainda, se tal Mônada não quer descer, a lei não a impele a fazer isso. A lei respeita sua liberdade, uma vez que esse tipo de Mônada é livre de Carma, sendo uma Mônada iluminada, tamanha a beleza do Paramarthasatyas.  

  Um desses Paramarthasatyas, cujo nome é Aberamentho, veio a esse planeta; o povo desta Terra o conhece pelo nome de Jesus de Nazaré. Ele adquiriu tal perfeição em dias cósmicos passados. Desceu por sua própria vontade a fim de ajudar a este planeta e como sabemos, não o recebemos muito bem. De todos os modos, eis o motivo de estar escrito que em virtude de Jesus defender seu Satan em muitas ocasiões, acabou por transformá-lo em Lúcifer. Mas o que aconteceu em seu íntimo não é o que acontece em nosso íntimo. Em nosso íntimo a história é diferente; dentro de nós Satan é muito gordo e tão escuro quanto um gorila, isto é óbvio. Olhemos nosso planeta. Está em caos e este caos veio de dentro de cada um de nós. Costumamos acusar o governo, o presidente, a rainha ou o papa deste caos como se fossemos mansas ovelhas. Deixamos o presidente, a rainha e o papa tomarem conta de nossa particular individualidade Satan, uma vez que eles estão também em caos, porém compreendamos que cada um de nós forma uma parte desta caótica humanidade. Além do mais, relativamente aos deuses ou Elohim, o Zohar, citando o livro de Jeremias adverte:

  “Assim lhes direis: Os deuses que não fizeram os céus e a terra desaparecerão da terra e de debaixo destes céus”. [Jeremias 10:11] pois há outro Elohim ao lado do Sagrado [בר-אש Bar Esh, o Sabbath, o Filho do Fogo, o Theomertmalogos] – Zohar.

  Sim, de fato [בר-אש-שית ברא אלהים] “Bar Ash, o filho do fogo criou seis Elohim” os céus e a Terra, uma vez que ele era o Sétimo ou Sabbath do Senhor”, assim, todos nós – além de o Elohim – temos a tarefa de clarear Satan e no sentido de fazermos isso, todos temos de praticar os três fatores da revolução de consciência, sobre os quais temos dado já muitas palestras.

  Vamos dar uma olhada ao segundo gráfico e ler o que Madame Blavatsky apresenta em relação a este tópico:

ebcfhfgg

  A [sombra do] Lúcifer indu, o Maha-Asura, é também dito se ter tomado de inveja da [Theomertmalogos] luz resplandecente do Criador e ao comando dos Asuras inferiores (não deuses, porém espíritos [ou Mônadas que não sabem]) tê-los rebelado contra Brahma; pelo que Shiva os arremessou abaixo, ao Patala [Malkuth]. – A Doutrina Secreta, H.P.B.

  De fato, Maha-Asura, também chamado Mahasura e Mahishasura, é a sombra de Brahma, o criador, o Satan Indu, o mal solto e o terror em todo o mundo. Maha-Asura foi arremessado por Shiva ao Patala, o mundo inferior, por que não podia ser morto por Shiva, Brahma ou Vishnu. Isso, devido a sua bênção por Brahma, segundo a qual não poderia ser destruído por Indra, qualquer outra divindade ou homem.

  Assim, pela combinação de forças, por meio do ritual Pancatattva, Brahma, Vishnu e Shiva juntaram todas as forças divinas dos Deuses e criaram a Deusa Durga (Devi-Kundalini), quem, com fogo, com uma feroz leoa a conduzi-la, viajou ao refúgio de Maha-Asura. Então, após nove dias de ininterrupta batalha no eneagrama, Maha-Asura foi finalmente batido por Durga.

  Agora, vamos dar uma olhada no terceiro gráfico e ler o que Mestre Samael Aun Weor apresenta em relação a este tópico:

hjjidgae

  Quando o coração do sistema solar começou a palpitar após a profunda noite do grande Pralaya, logo em seguida os deuses da manhã começaram a chorar. Lembre-se, filho meu, que deuses também erram. Aqueles divinos Elohim escreveram seus erros na página cósmica dos dias cósmicos do passado. Compreende, agora, o motivo, a real causa do universo, o segredo vital da vida consciente, o desejo pela vida?

  Quando a aurora vinha surgindo, eu vi o Logos Causal se movendo ante a face das águas. “Não comece ainda a aurora do Mahamanvantara!”. Gritaram os divinos deuses em meio a seus soluços. Inúteis os seus pedidos, vãs os seus lamentos! Ocasionalmente, o Grande Ser parou por um instante a fim de ler o Carma daquelas resplendentes crianças da aurora”. – Samael Aun Weor.

  Desta forma, aquele grande Ser que se movia ante a face das águas akásicas do céu e que ocasionalmente parou por um instante a fim de ler o Carma daquelas crianças resplendentes da aurora, era o Logos-Causal ou Kristus-Lucifer. Temos de entender os dois aspectos da luz. Lúcifer é a primeira emanação do Espaço Solar Abstrato Absoluto, o Ain Soph Aur ou o Theomertmalogos, o aspecto superior da luz; é a Palavra Transformadora de Deus que eventualmente projeta sua sombra em nós. Uma vez que o Ain Soph não pode entrar na sua própria criação, dentro da matéria, ele irradia por meio de sua luz divina incriada uma luz de poder, cuja sombra é o que é chamado Satan. Desse modo, sua sombra entra em nós, visto que a alma tem de construir uma conexão solar dentro de nós. Se perdêssemos a conexão com nosso particular Ain Soph, então o que seria de nós? Estaríamos eternamente perdidos.

  Okidanokh, o raio da criação, desde por muitos cosmos e no mais profundo íntimo é Malkuth, que é nossa fisicalidade. Contudo, quando perdemos a conexão com a luz e então estamos perdidos, ainda assim, tal conexão é de novo estabelecida em nós ao derrotarmos sua sombra, chamada Shatan. Sim, Satan é a sombra, o Theomertmalogos ou Khristus-Lucifer em Latim:

  “A saber: [Khristus-Lucifer] a verdadeira Luz que, vinda ao mundo, ilumina a todo homem. Estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que creem em seu nome. Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. E o verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai”. João 1:9-14. 

  No entanto, Khristus-Lucifer aparece antes da criação, acima da Árvore da Vida, precisamente no Ain Soph Aur, por que “o mundo foi feito por intermédio dele”. Ele é o Theomertmalogos, a primeira emanação do Solar Absoluto, que lê o carma daquelas resplendentes crianças da alvorada, nos registros Akásicos. Aquelas pobres crianças oraram, choraram muito, como fez sua Mãe com fervor. Daí, tudo permaneceu em silêncio. Então, em meio aos calados soluços das ondas, unicamente o rumor da existência foi ouvido.... Durante a profunda noite cósmica, as causas vitais da existência foram destruídas. Então, o Carma daqueles Divinos e humanos permaneceu em suspensão. O invisível que é o visível que foi, permaneceu no eterno Não-Ser: o Único-Ser. 

  Ante as ondas prateadas de morna e transparente atmosfera de qualquer universo que agoniza, como tristonha e naufragada Ofélia, a terna serenata da vida prossegue flutuando. Após, os mundos são dissolvidos. A noite do Grande Pralaya chega. A alma está vibrante de alegria. É a centelha que retorna para a Chama do Ser que, verdadeiramente, à nossa razão, é Não-Ser. – Samael Aun Weor.

  Está escrito que quando o Theomertmalogos ou Mundo de Deus se infiltra no vasto espaço abstrato, ele encontra a substância que é chamada Akasa que penetra e permeia ao inteiro espaço; em Akasa é onde as erratas cósmicas são arquivadas. 

  A Mãe daquelas resplendentes crianças da aurora é o Ain Soph (que em Kabbalah está simbolizado pela letra “Hei”) e as três forças primárias nela estão simbolizadas pelas três letras “Yod-Hei-Vav”. Então, “Yod-Hei-Vav-Hei” é o nome cabalístico de nossa própria estrela particular.

  Vejamos que cada Criança ou Mônada tem um sagrado secreto e diferente nome. Ainda, compreendamos que, em Kabbalah, tal sagrado e secreto nome seja comumente representado como “Yod-Hei-Vav-Hei,”, que na Bíblia se traduz por Jehovah. Assim, o raio da criação que de Ain Soph Aur penetra à matéria, que é chamado o Raio de Okidanokh é a representação de uma conexão do Akasha com a Luz Incriada do Theomertmalogos e das três forças primárias exaradas de nosso particular individual Ain Soph. Em outras palavras: o Raio e Okidanokh é o raio de luz incriado, projetado de nosso particular Ain Soph no espaço, e quando permeado pela luz incriada do Theomertmalogos por meio de um contato Geneotriamazikamnian, desce à matéria. Geneotriamazikamnian, descende de nascimento mais Triamatzicamno - à lei dos três.

  As duas primeiras citações foram retiradas do livro Ensinamentos Cósmicos de um Lama (que foi uma mensagem Crística) por Mestre Samael Aun Weor. Se o leitor não tiver conhecimento cabalístico do que aqui estamos explicando, ao ler estas citações, não entenderá.
aurora
  “Respondeu-lhes Jesus: Ainda por um pouco a luz está convosco. Andai enquanto tendes a luz, para que as trevas não vos apanhem; e quem anda nas trevas não sabe para onde vai. Enquanto tendes a luz crede na luz, para que vos torneis filhos da luz. Jesus disse estas coisas e, retirando-se, ocultou-se deles”. – João 12:35-36

  Ao lermos estes versos de João, o Apóstolo, temos de compreender que estas são as palavras de Khristus-Lucifer que estão sendo expressas pela boca de Jesus de Nazaré, uma vez que aquilo que chamamos Khristus-Lucifer é a luz do Divino Incognoscível.  Khristus do Grego Khristos ungido e Lucifer do Latim, portador de luz.

  No final do quarto gráfico encontramos as palavras Hebraicas אור Aur e עוץ Oz ou Uz que em Hebreu significam luz e conselho respectivamente. As três letras da palavra Oz ou Uz, alquímica e esotericamente, relacionam-se com as três colunas da Árvore da Vida, que dentro de nós está representada pelos três nadis em nossa coluna espinhal, chamados Idâ, Pingalâ e Sushumna. As letras Ayin, Vav e Tzaddi, representam, respectivamente, as colunas esquerda, central e direita da Árvore da Vida. Assim, עוץ Oz lembram-nos do feiticeiro de Oz, que a Bíblia descreve como Jó, o homem da terra de עוץ Uz:  

  “Havia um homem na terra de Uz, cujo nome era Jó; homem íntegro e reto, temente a Deus, e que se desviava do mal”. – Jó 1:1. 

  Então, Quando unimos a palavra Aur com Uz formamos a palavra Auruz ou Aurus. Mestre Samael Aun Weor citou em seu livro Tarô e Cabala:

“O falcão é o símbolo de Hórus. O Falcão de ouro fortalece Hórus com a morte completa de nosso ego. Esse Falcão de Ouro está relacionado com o nascer do Sol. Devemos estar em contato com o Sol espiritual”.

  O filho da aurora é Aurus, o Sol espiritual, que é o símbolo da luz incriada que cabalisticamente está escrito אורעוץ Auruz. Aurus é a luz do Sol e representada por um falcão ou o Olho de Hórus; aquele Olho é o Sol que vê tudo. O Sol também representa o Ain Soph Aur, o Cristo Cósmico; isto por que o antigo Gnosticismo dizia enquanto apontava para o Sol: “Acreditamos em nosso Senhor Jesus Cristo o Sol”. Naturalmente, eles sabiam o significado do que proferiam; não acreditavam que a personalidade ou a fisicalidade de Mestre Jesus fosse o Sol, uma vez que compreendiam que a luz de Khristus-Lucifer expressava-se através de Mestre Yeshuah, Mestre Aberamentho, como assim se expressa através do Sol físico que provê luz a este planeta e a todos os planetas deste sistema solar. Qualquer sol no universo também representa o Cristo Cósmico. Eis como entendemos e compreendemos Cristo quando estudamos Kabbalah e Alquimia. 

  Os hieróglifos Egípcios costumavam usar as duas letras KhR, para significar Kheru (Hórus), que vertidas para o Grego Chi Rho (ChR) traduziam para Christos. – Francis Bacon R.T.

  Assim, Kheru é Hórus (pronunciado Aurus), o Sol que nasce, alcança o Zênite e declina. Nascer do Sol, Zênite e Pôr do Sol são símbolos que temos de entender uma vez que se relacionam com o triângulo ou pirâmide. Aurus, o Sol, nasce a Leste e alcança seu zênite ao Norte, o Apex da pirâmide e, em seguida, Aurus, o Sol, se põe a Oeste. Assim é como o triângulo solar com o Olho de Hórus no centro precisa ser entendido. As doze horas do dia se relacionam com os 12 apóstolos ou arquétipos de Israel, ou com as 12 horas de Apolônio, Apolo, o Sol. Em outras palavras: os 12 arquétipos zodiacais de Chokmah, o Cristo Cósmico, representado pelas 12 tribos de Israel [que] cristalizam dentro de nós através de Hórus, a luz do Sol. Por isso, Jesus disse: “Eu sou a luz do mundo”, por que “Eu Sou” Kether, é a luz do mundo que emana do Absoluto Solar. Uma vez que Cristo-Sol não pode entrar em nós, ele nos guia através de seus sonhos. Por conseguinte, precisamos saber como interpretar aqueles sonhos onde vemos o Sol.

  O Sol da Meia Noite guia o iniciado nos mundos superiores. O iniciado precisa conhecer os movimentos simbólicos do Sol da Meia Noite. O nascer do Sol é equivalente ao nascimento, ao crescimento, Sua manifestação, etc.

  O pôr do Sol alegoriza a morte de alguma coisa, o descenso de algo, etc. O Sol, com completo esplendor do meio dia alegoriza completa plenitude, completo triunfo, sucesso de tal e tal iniciação, etc.
  Enfaticamente, referimos-nos ao Cristo-Sol, o Logos, o Sol astral. Os místicos veem o Sol astral. Ele os guia ao longo do caminho do fio da navalha.

   Quando as nuvens do céu estão cobrindo o Sol astral, isto significa que o ego animal está ainda muito forte dentro do iniciado – Pistis Sophia Desvelada, por Samael Aun Weor.

  Uma vez que o Cristo-Sol do meio dia não pode entrar em nós, ele assenta no Oeste e envia sua sombra, Satan, para nos ajudar a transforma luz em trevas. Sim, Satan é a sombra do Senhor. Na medida em que caminhamos em um dia ensolarado nas ruas ou estradas de qualquer país ou cidade, projetamos nossa sombra e vemos como ela caminha conosco e não a podemos remover conforme fez Peter Pan. Nossa sombra irá, nos seguirá onde estejamos; do mesmo modo, Satan, a sombra do Senhor – o Cristo-Sol – não nos deixará não importando o que façamos. Assim, a sombra de Deus está dentro de nós, andando sempre conosco na trilha e, contudo, nos tentando a fim de nos mostrar o que fazermos psicologicamente, visto que Satan é nosso treinador psicológico e, consequentemente, isto seja a única coisa que saiba fazer. Este é o único caminho a fim de realizarmos a luz dentro de nossa treva e fazer sentido naquilo que não faz qualquer sentido dentro de nossas cabeças. Desta maneira, precisamos compreender a dualidade da luz e treva, Cristo e Satan. Precisamos derrotar Satan, a sombra do Cristo-Sol, a fim de nos tornarmos Homens Solares. Leiamos agora o livro da Revelação:

eafdaecd  Viu-se grande sinal no céu, a saber, uma mulher vestida do sol com a lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça. Que, achando-se grávida, grita com as dores do parto, sofrendo tormentos para dar à luz. Viu-se também outro sinal no céu, e eis um dragão, grande, vermelho, com sete cabeças, dez chifres e, nas cabeças, sete diademas. A sua cauda arrasta a terça parte das estrelas do céu, as quais lançou para a terra [Malkuth]; e o dragão se deteve em frente da mulher que estava para dar à luz, a fim de lhe devorar o filho quando nascesse. Apocalipse 12:1-4.
 
  Esta é uma citação que devemos estudar profundamente. A mulher coroada com doze estrelas, que estando a criança a nascer, está chorando em dores, é nossa particular Ain Soph. No Gnosticismo, quando falamos sobre a Divina Mãe, entendemos que ela esteja relacionada com todos aqueles deuses de diferentes panteões; ainda que, em síntese, estabeleçamos que a Divina Mãe tenha cinco aspectos.

  Seu primeiro aspecto é a Mãe Imanifesta, que é precisamente a mulher vestida com o sol e coroada com as doze estrelas de Chokmah, o zodíaco. O sol é o Absoluto Solar ou Ain Soph Aur, cuja luz estabelece as três forças primárias do Ain Soph em Atziluth e as libera na criação.

  O dragão vermelho do céu com sete cabeças e sete coroas que permanece diante da mulher (ou Ain Soph) está pronto para devorar sua luz ou criança, lembrando-nos de Lúcifer. A constelação do dragão tem sete estrelas, que são os sete raios da criação que no mundo de Atziluth na Árvore da Vida se relacionam com os sete sephiroth menores. As sete cabeças com sete coroas em Atziluth são os sete espíritos diante do trono de Deus. Então aqueles Logoi ou sete espíritos representam precisamente o dragão no céu, que age segundo o carma.

  A criança é a representação de nosso próprio trabalho alquímico; a criança é a luz, é Kheru, Horus, ou Jesus que estará nascendo dentro de nós, não do sangue, nem do desejo da carne, nem do desejo do homem, porém pela alquimia de Deus. A criança Jesus está nascendo em nós através da alquimia quando alcançamos certo nível iniciático.

  Desta maneira, as sete coroas do dragão se relacionam com os sete Kether [coroa em Hebreu] ou sete Logoi do mundo de Atziluth, que representa a lei dos sete; Cristo se relaciona com a lei dos três, criação, a saber: Kether, Chokmah e Binah, e a lei das sete, a lei das sete cabeças do dragão, a lei que organiza a criação de Kether, Chokmah e Binah segundo o carma. Daí, segundo a lei do carma, o dragão com sete cabeças e sete coroas organiza todas as Mônadas que necessitam saber que não sabem.

  Os dez chifres do dragão se relacionam com Malkuth (a Terra, a roda do Samsara), onde a luz do Sol se põe e incessantemente gira; onde através da evolução as mônadas elementais positivamente transformam a luz solar das sete cabeças do dragão, e onde através da destinação da psique satânica dos ignorantes, a luz solar das sete cabeças do dragão é negativamente transformada em sete pecados capitais.

  Neste planeta Terra, existem milhões de Mônadas que não sabem que não sabem; suas psiques em suas personalidades físicas formam uma sociedade de ignorantes que pensam que sabem, mas desafortunadamente eles não sabem que não sabem. Ser como Sócrates, ou seja, saber que não sabe é o começo da sabedoria, o começo do conhecer do Ego. Por isso que necessitamos ser guiados e tal guia provém das sete cabeças do dragão do céu; de qualquer dos sete espíritos diante do trono de Deus, a fim de desenvolvermos o trabalho psicológico de que necessitamos dele nos desempenhar.

  Porém, isto precisa ser feito de nossa própria livre vontade por que a luz do dragão está no mundo, e o mundo foi feito por ele e os ignorantes não sabem. Ele vem como luz mesmo naqueles que não acreditam nele; até para aqueles que acreditam nele e mesmo assim não o recebem. Porém, aqueles que o recebem através da alquimia sexual ele dá-lhes poder de nascerem como crianças de Deus. Contudo, isto não é conduzido através do fanatismo.

  A sua cauda arrasta a terça parte das estrelas do céu, as quais lançou para a terra [Malkuth]; essas estrelas são as Mônada que já estão despertando na luz e pela luz; a terceira parte se relaciona com a lei das três, a lei da criação que quando é abusada fortalece a cauda de Satan.  Este é o motivo pelo qual estrelas ou anjos decaem do céu. Então, aquelas estrelas que o dragão lançou para a terra são os anjos decaídos que necessitam aperfeiçoarem-se mais e mais. A Terra é nossa fisicalidade porque é Malkuth, o mundo, e o mundo foi feito pelo fogo do dragão, o poder sexual. Daí, neste mundo tridimensional o fogo do dragão pode tornar-se bem ou mal, trilhar um desses caminhos dependerá de nós. Assim é por que os Bodhisattvas aperfeiçoam-se e confrontam de novo o dragão, e por que Satan os diz: Eu os ajudarei novamente por meio da tentação. Se caírem na tentação perderão tudo e terão de recomeçar mais uma vez.

  “Nasceu-lhe, pois, um filho varão, que há de reger todas as nações, com cetro de ferro. E o seu filho foi arrebatado para Deus até ao seu trono. A mulher, porém, fugiu para o deserto, onde lhe havia Deus preparado o lugar para que nele a sustentem durante mil duzentos e sessenta dias.

  Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus anjos. Todavia não prevaleceram; nem mais se achou no céu o lugar deles. E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra e, com ele, os seus anjos.

  Então ouvi grande voz do céu proclamando: Agora veio a salvação, o poder, o reino do nosso Deus e a autoridade do seu Cristo, pois foi expulso o acusador de nossos irmãos, o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante de nosso Deus. – Revelação 12:5-10.

  O caminho sob a sombra da árvore do conhecimento é proibido, uma vez que Satan, a sombra do Senhor, como uma serpente tentadora, coloca o iniciado na tentação sexual e muitos são aqueles que caem. Isso por que não é fácil trazer a luz, o Cristo-Homem, a fim de reinar as nações da iniquidade (aquilo que todos nós temos intimamente); para tanto, necessitamos de uma vontade férrea. Não obstante, esse é o único caminho a fim de estarmos ante nosso Deus Interior e seu trono.

  Satan é o único que pode acusar-nos dia e noite ante o Theomertmalogos, por que Satan é a sombra que habita dentro de cada um de nós. Pessoas que cometem crimes e se escondem dos outros pensam que podem evitar serem penalizadas; ignoram que seus crimes não podem estar escondidos de Satan, que é a sombra da luz astral que penetra a todos os tipos de matéria. Sim, Satan a sombra de nossa Mônada interna está dentro de nós e sabe muito bem o quão mal somos. Não sabemos o quão mal podemos ser, porém nosso Deus interno sabe, uma vez que nosso Satan individual e particular O informa sobre tudo o que pensamos, sentimos e fazemos.

  E a mulher fugiu pelo deserto”. – Canção de Salomão. Fugir pelo deserto esotericamente significa descer de Daath para o mundo da matéria, o terceiro triângulo da Árvore da Vida, onde nossa Divina Mãe tem um lugar preparado para Deus, o Espírito Santo. Este lugar é Sexo-Yesod onde – através da alquimia sexual – alimentamos seus 1260 dias, onde 1+2+6+0 fazem a adição de 9, a nona esfera; este é o Éden, onde devemos derrotar Satan. Quem é este que surge do deserto como colunas de fumaça?

  Cabalisticamente, “quem e este” [מי Mi and זאת Zoth em Hebreu] são o Espírito Santo e a Divina Mãe que têm de ascender como Elohim de nossas criativas águas sexuais através de nossa coluna espinhal até o cérebro.

  “Ai de nós! Quem nos livrará da mão destes grandiosos deuses? São os deuses que feriram aos egípcios com toda a sorte de pragas no deserto”. – 1 Samuel 4:8.

  Deste modo, eis como Elohim [אלה Elah e ים Mi] sempre nos traz tudo dos grandes profetas vindos do deserto. Jesus, antes de realizar sua missão, foi para o deserto; então ele veio do deserto, de Yesod, a raiz da Árvore da Vida, onde todos os profetas têm de ficar diante de seus próprios Shatan. No deserto é onde Satan nos testa, nos tenta, isso, a fim de mostrar-nos nossa fraqueza psicológica, nosso próprio caos.  cigaaadi
  Foi por isso que Prometeu-Lucifer roubou o fogo do Sol e o entregou à humanidade. Aquele fogo é o fogo sexual criativo de Theomertmalogos, a primeira emanação de Ain Soph Aur que vibra em Yesod, a nona esfera, que em nós são nossos órgãos sexuais. Observemos: é nisto onde Lúcifer habita dentro de cada um de nós. Tentação é fogo, e o triunfo sobre a tentação é luz; então, quando caímos em tentação representa trevas, ignorância, sim, ignorância é o que isso é. Assim, por que Prometeu-Lucifer, segundo a Mitologia Grega, é aquele que fez o ser humano; isso é inteligível quando entendemos a origem da luz de Lúcifer. Visto que, a fim de criar o verdadeiro ser humano dentro de nós, necessitamos saber como manobrar com a energia sexual. Lamentavelmente, esta humanidade é uma escrava de suas energias sexuais; ela não sabe como controla-la. Sabemos que isto é verdade unicamente observando em como se encontra sexualmente degenerada esta humanidade. A fim de conquistar o dragão precisamos transformar nosso Satan em Lúcifer e isso somente será possível com fogo, o fogo sexual criativo. Assim é por que está escrito que o [antigo] lugar do dragão nunca mais foi encontrado no céu, pois através de nossa degeneração sexual colocamos o dragão no inferno, no íntimo de nosso pessoal inferno, que está localizado dentro de nossa terra. Em outras palavras: em nossa própria fisicalidade. 

Os ignorantes procuram Lúcifer lá fora, sem saber que eles próprios os transformaram em Satan, que o carregam intimamente, e a quem entronizaram dentro de suas próprias trevas lotadas com pecados.
 
  As forças cósmicas caóticas de Satan repousam dentro da noite cósmica; elas não podem ser absorvidas por nenhum Absoluto Solar. Eis por que no começo da criação elas foram expulsas do paraíso uma vez que o Absoluto é felicidade absoluta. Daí, quando aquelas Mônadas, que se encontram no caos, começaram a se tornarem ativas (quando seus próprios Satan as impeliram para conhecerem a si próprias) elas foram lançadas do seio de Aelohim, o Espaço Abstrato Absoluto. Mestre Samael Aun Weor escreveu: 
 
  “Perfeição absoluta é necessária a fim de não cair-se do seio de Aelohim. Qualquer aspiração, por mais insignificante que possa ser, de uma existência em separado, ou em ser alguém, é suficiente para causar a esta [Mônada] ser auto desligada do Aelohim e cair sob o reino do Demiurgo criador”. – Pistis Sophia Desvelada, por Samael Aun Weor.
 
  É isto que sempre acontece no começo de qualquer Mahamanvantara. Não é como um pensamento ignorante em que a queda de Lúcifer seria algo do passado, não! Compreendamos, este evento cósmico está sempre acontecendo.   Miguel, que significa: “Aquele que é como Deus”, representa Lúcifer, o dragão do céu, o Theomertmalogos, a primeira emanação do Absoluto Solar e seus Anjos, que lutam contra as forças caóticas do dragão; Aqueles que sabem e sabem que sabem.   A sombra daquele dragão do céu é a cauda do dragão, o Kundabuffer, aquela velha serpente chamada o Mal, Satan, que despreza o mundo inteiro; aquela que foi expulsa para a terra com seu Hannasmusen, ou Mônadas caóticas; que não sabem e por isso não prevaleceram.   

  Yeshuah יהשוה, Jesus, salvação não é o que muitas pessoas acreditam que seja. Yeshuah יהשוה, é ש Shin, INRI, o fogo, o Tríplice Poder Crístico de Khristus-Lucifer que transforma יהוה, ou nossa natureza divina; Jesus é a luz que emerge de dentro de nós quando desafiamos a tentação do fogo do nosso Satan Interno. Jesus disse: “Eu sou a luz do mundo”. A luz do mundo é a luz solar.    “A vida estava nele [ש Shin], e a vida era a luz dos homens. A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela” . João 1:4-5. 
 
Estamos associando está palestra com muitas citações da Bíblia, a fim de que vejam, a fim de mostrar-lhes que exatamente tudo isto aconteceu no íntimo de muitos dos profetas do passado, da mesma forma que tem de acontecer no íntimo de todos nós. Aquela mulher com a criança e chorando enquanto em dores de parto para dar à luz, repete os mesmos eventos de nossos íntimos. Tal mulher é o aspecto feminino da criação em nosso íntimo, ainda que isso dependa de nós se assim a quisermos que dê nascimento a Cristo em nossos corações. A fim de que ela venha dar nascimento a Cristo, temos de aprender alquimia sexual. Compreendamos que Cristo nasce dentro de nós e não somente acreditando em Jesus, porém manobrando com o fogo e a luz que sempre adentram nosso corpo através do que pensamos, comemos e respiramos. Ou, como o livro de Gênesis estabelece:
 
                                                                       SEGUE PARTE II 

                                                   Siga os Links:    O Segredo de Satan - (II)
                                                                                  O Segredo de Satan - (III)

Nenhum comentário:

Postar um comentário