domingo, 31 de maio de 2009

Considerações Sobre a Criação - VIII (final)

1. Que é mundo atmico?
R. É o mundo que o Logos plasmou segundo o atributo divino da vontade. A intradependência de ambos os universos, vem estabelecer uma relação direta do mundo atmico com as formas densas, condicionando-as, não obstante, à qualidade da inércia.

2. Por que o mundo denso precisa estar condicionado à qualidade da inércia?
R. As três principais qualidades que o Logos despertou na matéria pregenética a fim de poder propagá-la e construir o universo seguem padrões inteligentes. Segundo postulados esotéricos, o mundo fenomenal no seu todo é o princípio negativo oposto ao princípio positivo representado pelo universo superior. Poderíamos denominar esta oposição como o equilíbrio dinâmico do sistema solar na sua macro vida.
Sendo a totalidade do universo fenomenal um bloco opositor ao universo não fenomenal, e vice-versa, a situação permanece definida na sua generalidade. Entretanto, os desdobramentos nas atividades dos reinos clamam por duais condições a fim de que haja sempre a garantia de perene propagação das vidas, dentro dos princípios de causa e efeito. Esses minuciosos fatores que produzem o movimento proporcionam, conseqüentemente, as experiências e os avanços. Neste quadro, os elementos positivo e negativo precisam necessariamente estar presentes, em interações de relatividades apesar do universo fenomenal ser pólo negativo na sua totalidade. Esse fato, pelo aparente paradoxo, suscita reflexões quanto ao relativismo de todas as coisas e à necessidade de se conduzir a concepção da Vida para patamares maiores, onde se ampliem as noções de imanência e transcendência.
Sendo atma a vontade do Supremo Logos e sendo esse atributo inerente à Vida em todo o sistema solar, ao existir a inversão ou o rebatimento de um primeiro universo desdobrando outro, a vontade, neste último, também estará presente. Pelas leis da criação, a energia e a força empregadas pelo Logos para a construção do sistema solar, chegam a um ponto final na sua expansão quando a energia se condensa ao máximo e produz a matéria física.
As três qualidades de movimento, ritmo e inércia, despertas pelo Logos, virão estimular a matéria intrapenetrante e envolvente aos mundos inferiores, a criar características diversas nas muitas faixas vibratórias dos reinos da natureza. Mas devido ao fato de o mundo físico denso ser o depositário da maior solidez da matéria, este propósito vem oferecer às vidas aqui mergulhadas condições de lentas e graduais experiências, de acordo com o ritmo também lento da percepção consciente das imaturas vidas. Portanto, não existe inércia absoluta nas formas densas do mundo físico, pelo fato das três principais qualidades da matéria estar presentes nos interstícios de suas estruturas atômicas e moleculares.

3. Como entender melhor a relação vontade x inércia?
R. A vontade de atma é o atributo que no ego terreno aciona a consciência “Eu Sou” a fim de realizar-se no “Eu Sou Um com Deus.” Entretanto, a vontade na sua essência emana poderes cósmicos que reúnem e distribuem energia e, principalmente, força, de um universo a outro bem como de um para outro sistema solar. O Logos Criador provoca a propagação desse essencial atributo a fim de que os universos sejam investidos de uma alma dinâmica, necessariamente de caráter evolutivo. Se esse fator progressista e unificador existe na alma universal, existirá também em todas as formas e elementos da matéria conformadora dos mundos aonde a ação da alma universal se fizer sentir.
O universo fenomenal, constituído dos mundos mental concreto, astral e físico é um universo de aparência: é Maia ou ilusão. Nesta concepção, o Logos estabeleceu um tempo para que acontecesse a manifestação desse universo fenomenal, segundo uma cronologia cósmica. A vontade, portanto, é móvel propulsor na mente do Logos, sendo necessário que a vida pluralizada no universo fenomenal a incorpore e a realize em todos os estágios do plano evolutivo.
Nos registros mundiais condicionados ao tempo, compreendido os parâmetros do tempo unicamente pelos movimentos de rotação e transladação do planeta Terra, a matéria densa parece estar caracteristicamente estática. A astronomia acusa o permanente mecanicismo dos corpos celestes e a física postula as condições que fazem com que os corpos saiam da inércia e produzam movimento. Tudo, entretanto, subordinado ao relativismo de ação e reação.
A vontade está presente na mente humana, o que vem provocar a ânsia de possuir. Mas o enigma da vida está ainda longe de ser desvelado pela mente humana, mesmo porque as condições ambientais do planeta se modificam a um ritmo cíclico próprio e peculiar segundo as variáveis condições cósmicas. As ciências acadêmicas já descobriram grandes segredos da natureza ocultos na composição do átomo, e extraem energia da matéria ou experimentam condicionar matéria da energia. Estas descobertas e experimentos vêm demonstrar que a inércia é somente um fator necessariamente atuante na matéria densa. A vontade, portanto, excede e ultrapassa a inércia, todavia a qualidade da inércia permanece sob as leis de conservação da matéria.

4. Que é mundo anupadaka?
R. É o mundo chamado monádico, ou residencial das mônadas. Deste mundo as mônadas atuam criando condições especiais a fim de que as vidas estejam estruturalmente organizadas para realizar as viagens de ida e volta, através dos mundos criados pelo Logos.

5. Que são mônadas?
R. Mônadas são essencialmente conhecidas como “espíritos puros”. As mônadas se manifestam basicamente sob sete diferentes condições que determinam suas tendências no campo do conhecimento chamado sistema solar. Cada mônada vem à existência pelo Primeiro Logos e permanece no mundo anupadaka sem dali submergir nos demais mundos. Uma mônada é portadora das mesmas condições com que foi criada, permanecendo assim por todo o decurso de seu processo evolutivo. Portanto, as sete condições básicas são sete grupamentos que reúnem, cada um, grande número de mônadas, e cada grupamento tem características diferentes dos seis outros.

6. O que acontece com as mônadas no mundo anupadaka?
R. O mundo anupadaka propicia às mônadas trabalhar próximo ao Laboratório do Logos, que é o mundo adi. As mônadas e o Logos são portadores da Idéia da Criação, porque surgem do Princípio Único ou Causa Primeira. As mônadas são também conhecidas como unidades de consciência e participam ativamente na consecução de um manvantara. Uma mônada que cumpriu sua participação em todos os mundos colhendo as experiências que o sistema solar pode oferecer, estará, em tese, realizada nesta grande etapa. Partirá, em seguida, para novas experiências noutros universos.
A atividade desenvolvida por uma mônada no Grande Plano da Criação como de nosso sistema solar, compreende, em tempo terreno, alguns trilhões de anos. Para a mônada, todavia, a percepção consciente deste tempo é bem menor. Os mundos do universo não fenomenal transcendem ao tempo ajustado por dias e noites, sendo computados por ciclos cósmicos. Neste processo, acha-se incurso o mundo anupadaka.

7. Como entender melhor este pensamento?
R. O tempo, ao final de tudo para a mente humana, é uma abstração. A mente humana, voltada para as experiências na matéria densa, não consegue aquilatar a verdadeira origem do tempo. É necessário, para noções superficiais não somente do tempo, mas também de espaço, energia, matéria, força, etc., que se estabeleçam parâmetros relativos aos efeitos produzidos na matéria, a fim de que se obtenha algum entendimento. Esses parâmetros calcam-se, principalmente, na experiência pela observação. Para o entendimento das idéias mais avançadas, criam-se símbolos.
Os símbolos evoluem e se transformam em fórmulas numéricas, algébricas, equações e etc., tornando cada vez mais complexas as manobras do intelecto. Tratados acadêmicos de física, química, matemática, astronomia e de ciências mais modernas, tentam explicar os fenômenos acontecidos no mundo. O homem evoluiu bastante sob o aspecto do conhecimento da matéria e de suas leis de conservação e transformação. Entretanto, quanto mais avança nos experimentos da matéria, mais se interioriza numa outra realidade invisível, - somente sentida, - que é a energia universal. Essa possibilidade de energia é a manifestação mais palpável de uma realidade não alcançada ainda pela mente concreta do homem, acostumada a tratar a matéria como algo sólido, estável, relativamente dominada pela lei da inércia e explorada em seus diversos ângulos pelos métodos científicos.
Mas enquanto a mente concreta do homem simboliza o tempo, procurando estabelecer relações de efemérides, esta contagem, verdadeiramente, escapa ao humano. Em anupadaka, como em atma ou buddhi, o tempo é universalmente compreendido por ciclos cósmicos, sob os quais efemérides infinitamente mais amplas se iniciam e se completam. Naquelas dimensões, não existe passado nem futuro, mas o momento linear em perfeita integração de espaço e movimento.

8. As efemérides dos ciclos cósmicos coadunam-se com a formulação simbólica de tempo e espaço na Terra?
R. As noções de tempo e espaço, calcadas no cérebro humano, evidentemente tornam impossível ao homem terreno absorver o mecanismo das efemérides cósmicas acontecidas no universo superior. Os mundos do universo fenomenal e, principalmente, da matéria densa, ao absorverem os influxos dos arquétipos cósmicos, reagirão lentamente. Não existe propriamente inércia, mas sim a qualidade da inércia atuando sobre a matéria. Assim, o mundo físico material e os mundos imediatamente superiores que conformam o universo fenomenal, sustentam na outra ponta o equilíbrio das mutações cósmicas nos seus ciclos evolutivos.
Entretanto, o fator tempo computado nas esferas do universo superior, em termos gerais existirá no mesmo coeficiente de velocidade com que convive o universo inferior, notadamente o mundo físico. As transformações produzidas na matéria sutilíssima daqueles mundos superiores é que repercutem na matéria do universo fenomenal em proporções diversas de mutabilidade. Isto significa que a aparente lentidão das transformações da matéria densa estão calculadas sob interações de muitos fatores co-existentes para, num ritmo próprio, absorver a velocidade do tempo acontecida num universo sobreposto.

9. Como entender melhor estes acontecimentos paralelos e ao mesmo tempo integrados?
R. O universo é todo integrado e qualquer alteração de ordem cósmica ocorrida no relativismo do tempo terreno ou fora dele, produzirá um resultado por menor e insignificante que venha parecer. A Inteligência do Logos é incondicionada e absoluta em todo o sistema solar por ser Ele o próprio Espírito do universo. Assim, Ele está dentro e fora, imanente e transcendente, onipresente e onisciente. Para criar situações diversificadas que atendam as necessidades da Vida em seu processo evolutivo, o Logos edificou o universo fora do tempo real onde nas esferas superiores as sementes dos arquétipos cósmicos são trabalhadas para conduzirem as idéias que ciclicamente virão edificar novas situações no sistema solar.
Mas no seu magnífico pensamento o Logos também criou mundos para condicionar vidas aos fatores relativos de tempo e espaço. As vidas mergulhadas nesses mundos não estão ainda preparadas para entender o mecanismo que regula o cosmos fora destes parâmetros convencionais. Todavia, este detalhe temporário não implica em que se possa acreditar que essas vidas se mantenham totalmente aparte da roda que gira movimentando os universos.
É bastante e necessário que se entenda que as dimensões ou mundos que produzem o condicionado tempo também vivem simultaneamente no incondicionado tempo. Entretanto, devido especificamente aos princípios cósmicos modificadores do universo inferior num quadro geral de causas e efeitos, há o enlace dos ciclos aprisionadores de nascimento, vida e morte em que esta natureza encontra-se subjugada, aonde as vidas precisam cumpri-los. Estas experiências são parte do processo evolutivo que a Vida na sua totalidade necessita auferir, e delas libertar-se para avançar no carma do sistema solar.

10. Que é mundo adi?
R. É a dimensão onde o Logos atuou e ainda atua para a consecução do Grande Plano da Criação.

11. Sendo o Logos criador do Sistema Solar, porque deve atuar do mundo adi já anteriormente criado?
R. Naturalmente que o Logos está presente em cada partícula de matéria quer nos sóis físico, mental ou espiritual, quer em todas as formas de qualquer dimensão. Ele é a imanência que impulsiona a Vida sob todos os aspectos da evolução. O Logos, naturalmente, é a entidade possuidora de um centro de energia e força de onde tudo emana. Sua fantástica aura se ajusta ao tempo, espaço, matéria, alma, espírito e a todas as coisas já criadas ou que ainda virão à existência, detendo universal domínio sobre todos os elementos.
Ao denominarmos este Poder Criador de Espírito Universal, Invisível Presença, Imanência, Transcendência, Pai, Deus, Moto Perpétuo, Moto Contínuo, etc., pouco estaremos traduzindo de Sua real Vida. Mas sabemos que os produtos de Sua Inteligência plasmática, envolvente, ou onisciente que seja, terão tido um princípio e terão um fim, mesmo que entendamos paradoxalmente esse fim como o infinito dentro do finito.
Sabemos também que o universo de nosso sistema solar se originou de uma Ideação concretizada. Assim, para realizar objetivamente o universo solar e o Plano da Criação, o Logos precisou apoiar-se nalgum ponto e este ponto foi o mundo adi, onde estabeleceu sua indescritível base e dali continua atuando.

12. Se o mundo adi foi criado anteriormente ao Logos, não teria sido este o primeiro ato da criação?
R. Ao acionarmos o intelecto para tentarmos entender os princípios que originaram o sistema solar e a decorrência de suas etapas, esbarraremos, sempre, em limitações. A única maneira de realmente entendermos um acontecimento de magnitude cósmica, em pequena proporção, é pela inclusão de nosso espírito num plano de observação. Como, entretanto, a mente humana não possui suficiente elasticidade para envolver os acontecimentos cósmicos em todas as dimensões, na sua total contextura, ela somente obterá lampejos do que foi apreendido pelo espírito num determinado reflexo do instante. Esta é a base inicial em que se apóiam grandes vidências e profecias.
Ao entendermos que adi foi o primeiro ato da criação, não estaremos considerando a totalidade do pensamento do Logos. O primeiro ato da criação foi a Ideação que o Deus Incognoscível exalou para o Logos. Do invisível, o Logos vislumbrou o círculo de sua manifestação e numa só concepção traçou linhas de futuros acontecimentos que seriam as materializações dos mundos.
A matéria de adi é particularmente semelhante a do mundo interior de onde surgiu o Logos, embora essa matéria naquela situação reunisse certas condições inacessíveis ao pensamento, e após sua manifestação objetiva, já sob as injunções de fatores co-existentes com o espaço-tempo, reunisse outras condições indispensáveis ao que se requeria. Antes mesmo de atuar na matéria pregenética, o Logos já fez adi de sua plataforma. Mas como o projeto da Grande Manifestação ou manvantara dos indus, estivesse pronto em seu pensamento, seu primeiro ato de concretização foi realmente introduzir fohat na matéria pregenética, a fim de conceber o fogo criador (ou luz) que acrescentaria qualidade à matéria conformadora dos mundos.

13. Quais as características principais de adi?
R. Pouco poderíamos comentar objetivamente de adi pelo fato de ser para nós o desconhecido mundo onde o Deus do sistema solar trabalha. As palavras jamais são fiéis para ilustrar ou definir fragmentos de situações superiores a que venhamos captar. Grandes Seres, tendo já concluído seu tempo de evolução nos mundos do sistema solar, ao alcançarem adi vêm assumir outra identidade por possuir entendimento amplo e mais completo do espírito planetário e do esquema de que nosso sistema solar é parte.
Em adi, outros luminosos seres também trabalham sob a orientação do Senhor do Mundo. O que poderíamos, entretanto, afirmar é que a matéria de adi é pura energia na mais alta concepção e, através de adi, o pensamento integrado de outros sistemas solares vem penetrar o nosso sistema solar.

14. Como é esse pensamento integrado?
R. O pensamento do Logos tem outra concepção, sendo essencialmente Inteligência. A transmissão dessa Inteligência é conduzida pela qualidade da energia que vem integrada ao éter e nele permanece até encontrar ancoradouro num outro sistema solar. Cada Logos é portador de uma particular característica que necessita adicionar ao outro, e que de outros necessita também receber. Mas estas formulações são somente possíveis quando os sistemas solares da mesma forma atinjam certas gamas de luz e força, que adicionadas à energia do pensamento integrado, produzam suficientes qualidades para permitir atrações e respostas.
O nosso sistema solar necessita ainda desenvolver essa soma de atributos em proporções cada vez maiores, para poder integrar-se em níveis superiores aos outros sistemas solares de seu esquema. Esse trabalho é gradual e paulatino, compreendendo, ao final de muitos ciclos, resultados parciais de cada planeta e de sua própria cadeia. O pensamento integrado ao alcançar nosso sistema solar através do mundo adi, é trabalhado e diversificado para mundos e planetas. Após ser adicionado de qualidades específicas de suas cadeias planetárias, e tendo armazenado suficiente soma de luz e força, o pensamento integrado poderá ser reenviado para os outros seis sistemas solares.
Desse modo, observamos que tanto o universo inferior quanto o superior existem por motivos que vão muito além das concepções humanas limitadas à criação de nosso sistema solar. E tudo o que se diz e se propala da matéria e suas organizações são conhecimentos que necessitam avançar para uma idéia de integração cósmica em apropriações paulatinas de um para outro sistema solar. Depois, certamente, essa expansão objetivará outras metas, outros conjuntos de sistemas solares dentro e fora de nossa galáxia, e assim sucessivamente com todo o universo material e não material.

De Rayom Ra
[ Leia Rayom Ra (Rayom_Ra) on Scribd | Scribd em páginas on line ou em downloads completos ]
[ Os textos do Arca de Ouro, de autoria de Rayom Ra, podem ser reproduzidos parcial ou totalmente, desde que citada a origem ]

Nenhum comentário:

Postar um comentário