quarta-feira, 20 de maio de 2009

Considerações Sobre a Criação - V

1. Que é mundo astral?
R. Mundo astral é definido como sendo o mundo das emoções e desejos. Existe neste mundo, além da matéria astral, vasta quantidade de energia-forma criada pela mente humana. O mundo astral, no atual ciclo de evolução planetária, desempenha papel de maior polarizador de energia. A quase totalidade dos seres humanos vibra, preponderantemente, na matéria astral, o que vem configurar caminhada de maior dificuldade aos verdadeiros objetivos da evolução, devido a ser o astral o campo propício para as ilusões.

2. Que é energia-forma astral, criada pela mente humana?
R. Os corpos que constituem e compõem a totalidade da expressão veicular de um ego terreno, possuem órgãos e cérebros formados de matéria dos seus respectivos mundos. O cérebro físico não possui volição de pensamento, exatamente porque não determina qualquer tipo de consciência ao ego. O cérebro físico, neste particular, trabalha através dos seus impulsos elétricos, para anexar as impressões dos acontecimentos terrenos à memória etérica. O cérebro etérico, por oportuno, realiza o trabalho de ponte, anexando tanto os registros da vida física para os cérebros astral e mental, quanto opostamente daqueles para o cérebro físico.
Por outro lado, a consciência da vida física pelo ego, na realidade está atrelada aos condicionamentos das mentes astral e mental em conjunto com as impressões gravadas na memória etérica. Muitas vezes as impressões dos fatos levados ao cérebro do corpo mental vão impregnadas de matéria astral, veiculando o pensamento a um conteúdo emocional. Este conteúdo emocional, ganha vida particular e coloração própria, na medida em que os fatos se desdobram na vida do ego, estabelecendo-se para cada assunto uma determinada gama de vibrações. Quanto maior for a importância atribuída pelo ego aos acontecimentos do mundo, maior atenção e interesse se intensificarão para os assuntos relacionados. Entretanto, a carga emocional conduzida pela mente astral, irá criar não somente uma identidade pessoal nos assuntos do ego, mas da mesma maneira, irá calcar-se na matéria astral conformadora deste mundo. Quando, por exemplo, milhões de egos estão atraídos pelos mesmos assuntos, virão atrelar à matéria astral semelhantes vibrações que resultarão em maior poder da energia-forma. Estas particulares criações humanas produzem no astral a caracterização de um mundo, sobretudo, ilusório. A energia-forma assim criada artificialmente, não estará inserida nos verdadeiros padrões vibratórios produzidos pela materialização astral dos arquétipos construídos pelo Logos para este mundo.

3. De que maneira as criações pela energia-forma astral, estabelecem novas relações com egos terrenos?
R. Consoante a máxima “semelhante atrai semelhante,” os egos que possuem fortes tendências emotivas, paixões destemperadas, inclinações para a morbidez, atrações conscientes ou inconscientes para determinados assuntos de tônica emocional, etc., ficam desde cedo envoltos pela energia-forma astral, tanto quanto àquilo se prendam. Esta condição geral descortina no mundo astral enorme leque de opções e ninguém consegue, de uma forma ou de outra, ficar isento às atrações, mesmo porque todos, ao renascerem, trarão incorporados ao ego os elementos germinais identificadores. Mas nem sempre uma energia-forma astral é criação da mente humana. Há padrões vibratórios estabelecidos pelo Logos com a finalidade de vir propiciar aos egos terrenos possibilidades de neles ingressar para obter resultados qualificados. Não obstante, ainda assim ocorre de o ego terreno criar também ilusões ou disfarces em torno das atividades relativas à energia utilizada de um destes padrões vibratórios e assim desviar sua atenção objetiva para o irreal.

4. Como entender mais claramente este assunto?
R. Os desejos e as emoções são fatores necessários ao despertar de valores no ser humano, servindo, de todas as maneiras, para provocar em seu íntimo o interesse pela vida. O corpo astral faculta ao ego este envolvimento com as formas do mundo, o que vem acontecendo desde os primórdios das raças. Já na fase da vida animal, a matéria astral vibrava e se misturava ao instinto, produzindo nas espécies mais dóceis e facilmente domesticáveis, germes de simpatia e afeto. Reações opostas e diversificadas, da mesma forma, já alcançavam os domesticáveis e também a todo o resto das espécies. O ser humano não teria atração pelos valores da vida não fosse pela sensação. Esta maneira de ligar-se aos objetos provoca em maior escala nos homens pouco evoluídos a incessante, febril e quase instintiva busca pela posse, além de o necessário estímulo para alcançar seus objetivos e o gozo pelas conquistas. Por milênios o homem vem se tornando escravo destas sensações, ao mesmo tempo em que delineia formas mais definidas ao seu corpo astral.
Há um plano elaborado para a humanidade a fim de aprimorar os sentidos através das sensações, o que se dá à medida que os valores intelectuais vão se tornando melhor trabalhados e objetivem proporcionar ao próprio ego condições de vida mais adequadas. Entretanto, as paixões fortemente arraigadas nos corpos astrais dos egos, que remontam de longínquos ciclos do desenvolvimento humano, conduzem a que certos prazeres ultrapassem os limites do razoável e venham muitas vezes adquirir características mórbidas e perigosas, ou de loucuras. Estas fortes e nefastas sensações provocam nas mentes e corpos astrais dos egos envolvidos profundas marcas, construindo ou fortalecendo na matéria daquele mundo a temível e artificial energia-forma negativa. Acresce que tanto a matéria do mundo mental quanto a do astral, misturam-se em certos subplanos, produzindo-se nestes instantes pensamentos atrelados as estimuladoras e atrelantes sensações, das quais, sem um intenso e perseverante trabalho íntimo torna-se impossível escapar.

5. Como acontece a relação dos sentidos com o intelecto?
R. Cada raça que veio povoar a Terra trabalhou mais intensamente um sentido do ego humano. Atualmente o homem possui os cinco sentidos bastante desenvolvidos, coincidentemente com o aparecimento das cinco raças que povoaram o planeta. Há dois outros sentidos que o ego terreno ainda desenvolverá conscientemente, na decorrência do surgimento e evolução das duas próximas raças, condicionando-se assim sete sentidos ao ego. Na realidade, as sementes dos sentidos se assentam no corpo mental do ego, mas numa inversão reflexa são desenvolvidos adequadamente nos seus veículos inferiores, de baixo para cima, segundo um ritmo ao panorama evolucionário terreno.
Os sentidos humanos, - físicos propriamente, - estão diretamente relacionados ao corpo etérico, onde se conjuminam ao corpo material, produzindo-se, nesta invisível associação, a falsa idéia de que nascem e atuam neste último corpo. Há, também, nas relações íntimas dos sentidos físicos com os corpos astral e mental do ego, diferentes reações nestes corpos quanto às suas particulares percepções. As percepções dos fatos, acontecimentos e decorrências ao trato da matéria daqueles dois mundos acima do físico, são sobremodo mais elásticas em comparação ao mundo físico, independentemente do nível evolutivo de qualquer ego terreno, pois são obtidas mais amplamente e com maior consciência e sutileza, justamente pelo teor mais apurado das vibrações de cada matéria. Ainda não é chegado o momento em que a humanidade vibrará conscientemente em todos os seus corpos numa única vertente. Por ora, alguns conseguem este desiderato, outros têm somente pálidos momentos de integração. Na maioria dos egos, os corpos astral e mental atuam em seus próprios mundos sem que a consciência sobre os valores terrenos, saiba o que lhes acontece naqueles mundos.
Todavia, mesmo nessa inconsciência, o corpo mental continua a trabalhar com valores quantificados e qualitativos e isto induz o ego como individualidade, e a sociedade como um todo, a buscar aparelhar-se cada vez mais e requalificar os seus desejos e tendências. Estas possibilidades vem anelar-se ao inato desejo de evoluir através do conhecimento e de usufruir, através deste mesmo conhecimento, de melhores e mais apurados valores, quer sejam eles subjetivos e psicológicos, quer materiais. Há naturalmente nesta soma de ideais, valores díspares, calcados na má formação moral e humanitária de muitos milhões de pessoas. Assim, homens excessivamente vaidosos, orgulhosos, egocêntricos, desvirtuados, maquiavélicos, fanáticos, maníacos, corruptos ou corruptores, etc., convivem lado a lado com os demais, ou até em posições de superioridade nas diversas hierarquias da sociedade, conspurcando, oprimindo e obstando de muitas maneiras o avanço mental e espiritual de seus semelhantes. Entretanto, bons ou maus, milhões não deixam de ter acesso às facilidades proporcionadas pelos avanços das ciências em suas mais diversas áreas de atividades, bem como à educação escolar e universitária. Este conjunto de esforços nas várias atividades e profissões humanas vem propiciar ao intelecto melhor ativação das diversas correntes de energia dos corpos espirituais do ego terreno, motivando que as correntes ligadas aos elementos construtores dos sentidos atuem e repercutam na fisiologia do ego, levando e trazendo a energia com maior facilidade. Mesmo os desejos egocêntricos, sofisticados ou caprichosos, produzirão pela ação mais vitalizada do intelecto, a necessária energia que virá facultar ao ego maior apuro dos sentidos.

6. Que tipo de moradores habita o mundo astral?
R. Os mais diversos e isto inclui seres verdadeiros e irreais. Há no mundo astral, e nos demais mundos criados pelo Logos, sete subplanos. Cada subplano é um mundo aparte. O mundo astral ao interpenetrar o mundo físico, determina com isso grande atração às almas encarnadas. Entretanto, o mundo astral possui duas divisões básicas no que respeita a atração exercida à vida no plano físico terreno, e que as transformam em astral superior e astral inferior. O quinto subplano do mundo astral é correlato ao plano físico terreno propriamente dito, onde residem ou virão residir as almas pouco evoluídas espiritualmente, após o desenlace dos corpos físicos. Do quarto subplano para baixo, encontram-se os moradores ainda de menor evolução, que estão presos a todos os tipos de paixões. Nos últimos subplanos, encontram-se seres elementais criados principalmente pelo pensamento desregrado do homem, sendo estes subplanos referidos na antiga mitologia como o inferno de Hades.
Já na outra ponta, no sexto subplano, acham-se as almas mais evoluídas e no sétimo estão almas acima da média da humanidade, existindo dentre estas, guias e protetores, iniciados e instrutores da sabedoria oculta.

7. Como são, especificamente, estes habitantes do mundo astral e onde permanecem?
R. No sexto e sétimo subplanos, contados de baixo para cima, os habitantes do mundo astral possuem os corpos de matéria luminosa, volátil e facilmente cambiável para outras formas de igual clareza. Estes subplanos abrigam desde pequenos grupamentos às numerosas famílias ou grandes etnias. Há mosteiros em que se encontram monges de religiões esotéricas onde são realizados rituais, missas, encontros, reuniões, aulas, cursos, etc. Há hospitais que tratam de doentes recentemente egressos do mundo físico, clínicas de repouso, escolas, jardins, hortos, parques, retiros, bibliotecas e toda a sorte de locais para as diversas necessidades ou lazer de seus habitantes. Nos hospitais e clínicas, as almas que cumpriram corretamente suas missões no mundo terreno vêm curar suas doenças. Nos belos e inspiradores retiros outras almas vêm recuperar as forças, meditar, ou reciclar seus aprendizados, preparando-se espiritualmente para o desempenho de novos papéis em próxima interpolação na vida física planetária. Há aqueles cujas vidas terrenas decorreram em profissões ou atividades cujos conhecimentos adquiridos podem ainda servir aos irmãos viventes em corpos físicos ou no mundo astral. Dentre estes podemos destacar médicos, pesquisadores, cientistas, sacerdotes iniciados na medicina milenar ou terapias, e muitos outros.
Nestes subplanos do astral encontram-se também aqueles cujas vidas foram dedicadas ao estudo e práticas esotéricas, à magia branca, aos tratamentos em correntes de cura, às terapias diversas, ao desenvolvimento e trabalho mediúnico, às doutrinas espiritualistas, bem como às realizações de rituais de alta magia com resultados favoráveis à vida planetária. Estes e tantos outros servidores da humanidade em diversas áreas, são convidados a se submeter ao comando e disciplina de mentores altamente qualificados, a fim de aperfeiçoar suas práticas e aplicá-las em prol dos irmãos terrenos. Muitas outras situações são coordenadas por mentores, e grupamentos são formados para pôr em prática novas idéias de serviços ao planeta.
Por outro lado, as almas que detém auras obscurecidas por fortes paixões, apegos, ódio ou sentimentos inferiores e desagregantes, não encontrarão nestes subplanos campo para exercerem estes desvios. Viverão na maior parte do tempo reclusos em colônias ou regiões isoladas, a fim de se depurarem destes males e não virem causar problemas aos semelhantes.
Há, no entanto, os malignos que formaram grupos terroristas, criminosos, inimigos da sociedade, que não aceitam integrar-se às disciplinas e terapias corretivas ou recuperadoras, e que pululam pelos espaços dos diversos subplanos em busca de inspirar suas tortuosas atividades aos encarnados, ou mesmo de realizá-las. Os conhecedores de magia negra conseguem migrar para os outros planos ou para a Terra a fim de continuar a exercer seu trabalho de oposição à luz.
No inferno de Hades vivem as formas elementais dos mais variados tipos, criadas da energia gerada pelos seres terrenos que já partiram. Estas formas ainda guardam alguma consciência de seus criadores ou dos ambientes em que eles viveram, tendo pertencido a humanos, subumanos ou animais, precisando permanecer nestes ambientes até esgotarem-se as energias inferiores de que foram constituídas, para finalmente desintegrarem-se completamente.

8. De que maneira acontece o descarte da energia das formas elementais?
R. As formas elementais também denominadas cascões ou eidolon no esoterismo, ou uma categoria de eguns humanos entre os espíritas umbandistas, pairam pelo mundo astral inferior após as almas desencarnadas terem subido de subplano. Existindo esta energia kâmica em suas formações, esses elementais possuem um arremedo de vida e consciência, por terem acumulado nos seus átomos constitutivos alguma memória das vivências de seus antigos donos. Se nada acontecer de anormal ao curso do tempo astral, as formas kâmicas virão gradual e lentamente esgotar a energia acumulada, devido a não mais existir o processador ou mente astral que continuaria a adicionar a energia inferior. Como resultado, depois de esgotada a energia, suas organizações celulares virão desintegrar-se completamente e os átomos retornarão ao reservatório natural em seu mundo. Entretanto, durante este tempo de desintegração, que pode ser demasiado longo, alguns dos seguintes acontecimentos poderão revitalizar os elementais:
A) A alma que houvera se descartado do cascão, novamente vibrar em sua direção, descer de subplano e reatar-se às antigas paixões.
B) Um destes elementais ser capturado por praticantes de magia negra e servir aos seus malignos propósitos.
C) O elemental também ser levado à reuniões de mesas espíritas e, revitalizado com a energia dos médiuns, passando-se pela alma do falecido.
D) Vir a tornar-se ente obscessor de um participante de mesas espíritas, vampirizando suas energias.
E) O eidolon ter tamanha sedimentação de energia inferior que atravesse muitos anos em relativo estado de conservação, vindo novamente acercar-se da mesma alma que dele houvera se desprendido, e que esteja noutra encarnação na Terra. Isto acontece com certa frequência a praticantes de magia negra ou a pessoas obsedadas pelas paixões. Esta reaproximação causa, a alguns, estados de loucura.

9. Qual a importância do mundo astral?
R. O mundo astral acusa o nível evolutivo da humanidade segundo suas inclinações. Não haveria como restituir à Vida, a energia propulsora do arco evolutivo no atual estágio humano, não fosse pela ação plasmática do desejo produzido na matéria astral. Não bastaria somente a intenção de o Logos estar impregnada nos átomos da matéria, para determinar à alma terrena levantar-se e galgar os caminhos que conduzem ao superior. É necessário, pois, outra vida, uma chama interna a acender-se, a fim de avivar os desejos do corpo astral manifestado. Mesmo nas inúteis realizações ambiciosas e conquistas vãs, é necessário existir o desejo, por constituir-se no combustível que o ego terreno precisa possuir a fim de lançar-se ao mundo das formas. A matéria astral associa-se ao desejo inconsciente de mover-se e buscar, quer, por exemplo, nas múltiplas formas dos reinos planetários, quer na vida primitiva autóctone, ou nas febris atividades dos homens de negócios.

10. Por que o pensamento superior não é suficiente ao homem para fazê-lo evoluir sem necessitar do organismo astral?
R. Nesta linha evolutiva da humanidade na qual estamos inseridos isto não é possível. Os vários corpos que constituem a fisiologia da alma encontram-se com suas estruturas profundamente estratificadas. Este mesmo processo adstrito ao ego está implícito nas formas solidificadas da natureza em seus diversos reinos. Devido a isto, é necessário à energia do Logos primeiramente libertar a alma do condicionamento a que está submetida. Neste segmento, a energia liberada por fohat, prâna e kundalini irá produzir a desobstrução nos condutos dos corpos constitutivos da alma, trazendo o ego a realizar seguidas transmutações e sublimações de seus desejos e paixões. Isto somente acontece pela conjunta ação dos corpos mental, astral e etérico-físico, e, principalmente, pela correta postulação dos princípios morais edificantes ao exercício das atividades do ego.
O pensamento superior é importante, mas somente virá encontrar perfeito respaldo num corpo astral purificado ou em vias de purificação. Os antigos ocultistas deixaram para a posteridade inúmeras alegorias em gravuras ou lendas, segundo as quais o ego deve sempre ser submetido à custodia de um outro senhor a disciplinar-lhe os passos. Somente desta maneira, fazendo uso inteligente das potencialidades astrais, o pensamento superior pode auxiliar o ego a galgar os degraus da evolução consciente.

 Rayom Ra

[ Leia Rayom Ra (Rayom_Ra) on Scribd | Scribd em páginas on line ou em downloads completos ]
[ Os textos do Arca de Ouro, de autoria de Rayom Ra, podem ser reproduzidos parcial ou totalmente, desde que citada a origem ]

Nenhum comentário:

Postar um comentário